2017/08/22

Análise ao BQ Aquaris X Pro

A BQ é uma das marcas que tem continuado a fazer frente à ofensiva dos modelos chineses low-cost com propostas interessantes, sendo este Aquaris X Pro uma das suas últimas apostas a chegar ao mercado nacional.


O Aquaris X pro é o mais recente smartphone da espanhola BQ a chegar ao nosso mercado, estando integrado na nova família X, que foi apresentada em Lisboa no passado mês de Março. É um equipamento que pretende responder às necessidades de quem procura um smartphone com bom design, qualidade de acabamentos, desempenho sem compromissos e um preço que não provoque um rombo demasiado grande na carteira.

O BQ Aquaris X Pro



Se seguem com atenção a actividade da BQ, estarão recordados do BQ X5, terminal que tivemos oportunidade de testar em 2016. Além da particularidade de ter uma versão que corria o malogrado CyanogenOS, este smartphone representou também a passagem para um corpo em metal. A BQ, com este X Pro, dá mais um passo na melhoria do design do produto, ao apostar numa traseira em vidro.


A caixa apresenta um resumo das especificações técnicas, algo que será bastante útil para quem gosta de consultar este tipo de informação. No seu interior, encontramos o smartphone e respectivos acessórios.


A BQ não aposta em grandes luxos, pelo que terão de se contentar com a documentação de referência, cabo USB tipo C e carregador, o qual suporta a tecnologia de carregamento rápido Quick Charge 3.0 da Qualcomm.



A frente apresenta um vidro 2,5D a cobrir toda s sua superfície. Os botões físicos, tão do agrado dos nossos vizinhos espanhóis, continuam a receber a preferência da BQ. Com quase todas as marcas a apostarem num ecrã a cobrir toda a frente do smartphone, fica a curiosidade sobre qual a opção da BQ, caso opte por apresentar um equipamento deste género.


Em baixo, um microfone, entrada para o cabo USB tipo C e coluna de som. No lado esquerdo, o slot para o cartão SIM e cartão micro SD. Em cima, microfone e jack 3,5mm para saída de som. A traseira é dominada pela câmara com duplo flash e pelo sensor de impressões digitais.



Em termos de hardware, este BQ X Pro tem um ecrã de 5,2" com resolução FullHD 1080x1920, 423ppp e 650 nits, processador Qualcomm Snapdragon 626, 3GB ou 4GB de RAM e três opções para armazenamento, 32GB, 64GB ou 128GB, ficando disponíveis para o utilizador 24GB, 54GB e 109GB, respectivamente. A versão testada tinha 4GB/64GB.

Em utilização

O primeiro impacto é importante e no caso deste BQ X Pro, logo que se agarra no smartphone, há uma sensação de qualidade e conforto. A curvatura do vidro traseiro permite um bom encaixe na mão e o seu polimento torna o equipamento muito agradável ao toque.



O Aquaris X Pro é um smartphone que não foge ao que a espanhola BQ já nos habituou. É um terminal que cumpre sem problemas as solicitações a que é sujeito. Permite uma utilização despreocupada, graças ao hardware equilibrado que apresenta. Pode-se colocar a questão da opção por um Snapdragon 626, isto quando no ano passado a escolha recaiu num muito interessante Snapdragon 652, unidade capaz de um desempenho muito interessante, quando comparado com o Snapdragon 820.

A autonomia acabou por pesar mais, e a BQ optou pelo Snapdragon 626, em detrimento do Snapdragon 653, acabando no entanto por não comprometer em termos de desempenho. Curiosamente, este último acabou por não receber a preferência da generalidade das marcas, o que aumenta a expectativa relativamente ao Snapdragon 660, processador preparado para fornecer um desempenho superior, aos equipamentos de gama média.


Em termos de software, a BQ já nos habituou a uma experiência de utilização semelhante ao que a Google disponibiliza nos seus equipamentos. O BQ X Pro apresenta-se com Android 7.1.1, pelo que mais actualizado não poderia estar, pois o Android 8 só ontem foi oficialmente apresentado. A BQ chegou inclusivamente a surpreender com a última actualização, ao disponibilizar o patch de segurança mais recente, antes da própria Google o fazer para os Nexus e Pixel. Espera-se que este comportamento de excelência seja para manter durante a vida útil do smartphone. A presença do Google Assistant é outro aspecto que se saúda, pois nem sempre é possível instalar e utilizar o mesmo nos nossos equipamentos.


Outro aspecto interessante está no launcher, uma versão muito semelhante do pixel launcher, que permite a utilização de atalhos nos ícones.


Pelo lado menos positivo, o facto de os botões físicos não serem iluminados, o que num ambiente com pouca luz poderá ser um inconveniente para os utilizadores menos experimentados. A BQ dá ao utilizador a possibilidade de utilizar botões virtuais, mas tendo em conta a presença dos físicos, acaba por ser um desperdício de espaço do ecrã. Fica no entanto ao cuidado de cada um, escolher a opção que mais lhe agradar.

O sensor de impressão digital é preciso na detecção, mas o tempo de resposta é algo lento, ficando a dúvida se é devido ao sensor ou se é uma opção da BQ para que a detecção da impressão seja feita com maior precisão.

A câmara


Em termos de interface, a BQ apresenta uma secção na parte superior do ecrã com quatro modos de operação: panorama, câmara(fotografia), vídeo e movimento, tendo este três opções: time lapse, câmara lenta (720p@120fps) e câmara rápida. Em termos de vídeo, podem filmar a 4K 8com estabilização de imagem) e 1080p a 30fps e 720p a 60fps.

A zona inferior do ecrã está dividida em duas secções, uma mais a baixo, com o atalho para as imagens e vídeos, botão de disparo ao centro e botão para alternar entre a câmara frontal e a traseira. à direita. Por cima desta zona, uma fila de ícones com opções para os diferentes modos de operação da câmara. Em termos de fotografia, podem optar pelo modo automático, cenários pré-definidos ou o modo manual, que conta com uma opção para guardar imagens em formato JPEG+DNG sem perda de qualidade, o que permite uma posterior edição das mesmas nas melhores condições.

A BQ depositou grandes esperanças no desempenho da sua câmara traseira, tendo este facto ficado bem claro aquando da apresentação do smartphone em Portugal. Segundo a marca espanhola, a aposta numa lente com abertura f/1.8 e em pixeis com 1,4µm, iria permitir a captura de melhores imagens em ambientes com pouca luz. Nada como testar, não é verdade?

Neste comparativo, temos imagens obtidas com o OnePlus 5, Honor 9, Xiaomi Mi 6, Huawei Mate 9 e o BQ X Pro:

Teste com pouca luz

Este X Pro consegue um resultado bastante interessante, que vai de encontro ao que a BQ tinha anunciado, com a câmara a ter um bom desempenho, mesmo num cenário com pouca luz.



Em ambientes com boa iluminação, as cores são correctamente captadas, mas o nível de detalhe da imagem poderia ir um pouco mais além.

No caso câmara frontal, podem contar com boas selfies, que contam com um modo de "embelezamento" e detecção automática da zona da cara, como vai sendo habitual num número crescente de equipamentos.


Apreciação final



A BQ mostra saber perfeitamente o que pretende com os seus equipamentos. Pode ser acusada de ser pouco ambiciosa, da dar passos demasiados curtos, mas o facto é que aquilo que faz, faz bem. Este BQ X Pro é mais uma vez o exemplo disso mesmo, com a marca espanhola a apresentar um equipamento equilibrado em todos os aspectos, que apenas peca por não conseguir dar um passo mais além. Na verdade, é esta "curta distância" que separara o BQ X Pro dos topo de gama, que acaba assim por se enquadrar na gama média.

Este é um smartphone com boa qualidade de construção, encaixa-se bem na mão e tem os botões bem posicionados, não obrigando o utilizador a ter de mudar a mão de local para lhes aceder. O ecrã Quantum Color + FullHD apresenta cores quentes e vivas e os 650nits fazem a diferença em zonas com muita luz natural.

Com um preço actualmente a começar nos 340€ (versão com 3GB de RAM), o BQ X Pro é uma das melhores propostas que vão ter à disposição no mercado nacional, sendo por isso merecedor de um prestigiado "Quente".



BQ Aquaris X pro
Quente


Prós
  • Desempenho equilibrado
  • Qualidade de construção
  • Fotografia com pouca luz

Contras
  • Botões físicos não são iluminados
  • Sensor de impressão digital demora a reagir

2 comentários:

  1. Não achei que o sensor de ID demora muito a reagir, pelo contrário, é bastante rápido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tudo uma questão de termo de comparação. Há outros mais rápidos, mas no final, estamos a falar de milissegundos...

      Eliminar

[pub]