2018/01/14

Envio de dados do OnePlus 3T para a China esclarecido... por utilizador

A recente polémica sobre uma ROM da OnePlus que enviava dados relativos à área de transferência para um servidor na China tem afinal uma explicação... mas que foi dada por um utilizador.


Um utilizador detectou uma app de sistema a correr numa ROM beta para o OnePlus 3T, a qual estava a enviar dados para um servidor da Alibaba. A resposta da OnePlus não se fez esperar, mas infelizmente não foi suficiente para clarificar a questão, o que só acabou por causar mais preocupação junto da comunidade Android. Felizmente, um utilizador do Reddit apressou-se a esclarecer o que se passava, partilhando com os fãs ocidentais alguns dos comportamentos que são prática corrente na China, e que ajudam a desdramatizar esta situação.

Se no Ocidente estamos habituados a lidar com Google e Amazon, na China temos outros "gigantes" como é o caso da Aliababa e Tencent. A Tencent tem o Wechat, a mais popular app de mensagens no território, e a certa altura achou que seria do interesse "do público" bloquear todos os links para os sites taobao e tmall que pertencem ao seu rival - alegando que isso era feito para prevenir fraudes. Em resposta, a Alibaba criou um engenhoso sistema de hashcodes (淘口令) que permite redireccionar para os seus links sem que seja feita referência aos sites propriamente ditos, assim impossibilitando que o WeChat os possa bloquear.


Exemplo de um link da Taobao 

O envio de dados do clipboard do OnePlus 3T para um servidor da Alibaba tinha precisamente a ver com este sistema, pois quando era detectado um destes potenciais hashcodes, o OnePlus fazia um pedido ao servidor da Alibaba para automaticamente incluir a informação relevante sobre o produto em questão.

Fica assim o incidente explicado (e com a ressalva de que este envio de dados não será feito nas ROMs destinadas ao mercado ocidental)... mas não deixa de ser curioso que tenha sido necessário ser um utilizador a explicar aquilo que a OnePlus foi incapaz de esclarecer. Nada como transparência total para que não restem dúvidas na mente dos fãs e clientes... e nesta coisas do envio de dados para "algures", convém que tudo fique devidamente explicado sem margens para dúvidas - e como se vê, nem custa nada.

3 comentários:

  1. conversa da treta, mais um equipamento que não pode ser usado pelas forças militares e policiais na Europa. A espionagem industrial e militar esta a passar por tempos dificeis... Começam agora se a descobrir as carecas.. Foi a DJI, foi a Kaspersky, enfim. Espero que isto sirva de incentivo as empresas Portuguesas para criar produtos. Existem cerca de 150 000 funcionários nas diversas forças de segurança que comprariam de bom agrado equipamentos Portugueses. Força empreendedores Portugues.

    ResponderEliminar
  2. Eu tenho pela primeira vez um equipamento da marca Chinesa Xiaomi MI A1 embora com uma rom Android one , estas noticias não me deixam nada tranquilo , sabendo que a China tem um programa muito agressivo de registo electrónico das actividades dos seus cidadãos e sabendo das suas ambições de se tornarem uma super potência militar e económica neste nosso Planeta fico quase paranóico com estas noticias que de facto não me convencem até porque este programa que falo atrás já está em prática e é oficial e largamente promovido pelo governo Chinês .

    A UE tem de repensar muito bem a sua total dependência de produtos tecnológicos que actualmente só têm uma origem a China , se calhar está na hora de incrementarmos , subsidiarmos até a produção de equipamentos feitos na Europa para nossa própria segurança e isto passa também pelos sistemas operativos .

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  3. Praticamente todos os sistemas operativos actuais para as plataformas móveis são feitos ou pelo menos compilados nos EUA... embora sejam desenvolvidos um pouco por toda a parte.
    Pelo menos o Android ainda pode ser analisado a fundo e modificado a gosto para uma maior segurança, que é de resto o que algumas empresas fazem.

    Quanto aos funcionários comprarem de bom grado equipamentos portugueses, só se fossem obrigados muitos deles é que os compravam, porque de certeza que muitos preferem produtos de marcas estrangeiras.

    Alguém que desenvolvesse um equipamento físico e um sistema operativo do zero tudo cá em Portugal certamente teria clientes em Portugal e no resto do mundo em especial se fosse de alta qualidade e com garantias alargadas tipo 10 anos de suporte e actualizações ou ainda mais. Mas seria sempre um mercado pequeno já que o Android, iOS e Windows Mobile dominam quase que por completo o mercado... mas se a empresa for pouco ambiciosa é perfeitamente realizável. Claro que teria de ter pelo menos todos os idiomas da União Europeia já que seria um mercado para o qual seria fácil de vender por não existirem alfândegas.

    ResponderEliminar

[pub]