2016/08/25

Microsoft revela detalhes do HPU do HoloLens


O HoloLens da Microsoft quer ser a sua porta de entrada para o mundo da realidade aumentada/virtual, e agora ficamos a conhecer mais detalhes sobre o seu HPU - o Holographic Processing Unit - que o torna possível.

As exigências para lidar com realidade virtual/aumentada são bastante elevadas, pois não só se necessita de criar as imagens virtuais, como as mesmas têm que reagir instantaneamente a todos os movimentos do utilizador. Qualquer demora ou hesitação no seu tempo de resposta destruirá a ilusão por completo e poderá também contribuir para a sensação de enjoo que alguns sentem ao experimentar estes equipamentos.

O caso do HoloLens torna-se mais interessante por se tratar de uma unidade que funciona de forma completamente independente e sem necessidade de dispositivos exteriores adicionais; e embora o seu CPU principal seja um modesto Intel Atom Cherry Trail com 1GB de RAM, a magia do que acontece torna-se possível graças à utilização daquilo que a Microsoft chama de Holographic Processing Unit, ou HPU.


Este chip foi concebido especificamente para esta função de acelerar os cálculos necessários para actividades holográficas, e conta com 24 DSPs, 8MB de SRAM (memória de acesso ultra-rápido) e 1GB de memória DDR3. Foi esta a solução escolhida pela MS depois de considerar a utilização do CPU para estes cálculos, ou de utilizar o GPU. Segundo eles, só um chip dedicado consegue oferecer o desempenho necessário para esta função especializada, e ao mesmo tempo mantendo um consumo de energia reduzido.

Usando este HPU, é possível correr as rotinas necessárias de forma 200x mais rápida do que se estivessem a ser feitas pelo CPU; e em jeito de preparação para o futuro, a MS certificou-se também que para os requisitos actuais o chip não ultrapasse os 50% da sua capacidade, o que deixa margem suficiente para processamento bastante mais complexo no futuro que possa ser aplicada a este chip sem ficar limitado pelo hardware logo à partida.

A MS promete fazer chegar um interface holográfico ao Windows 10 já no próximo ano, pelo que depois só ficam a faltar os óculos VR/AR a preços decentes. (De qualquer forma temos que começar por algum lado... se se disponibilizarem os óculos sem que se tenha software para tirar partido deles, também ninguém os comprará.)

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]