2015/03/11

Como contornar os bloqueios dos ISPs ao PirateBay e outros serviços


Recentemente, foi com profundo desagrado que vimos os operadores nacionais entrarem pelo absurdo e ineficaz caminho de tentarem restringir o acesso a conteúdos indesejados por via da censura a sites como o Pirate Bay. Felizmente, o método de bloqueio é fácil de ultrapassar, e mesmo que não o fosse... haveria outras soluções.

Não faltam exemplos que demonstram que a solução para tornar a pirataria desnecessária não passa pela tentativa de a dificultar (quase sempre sem sucesso) mas sim pela facilitação do acesso a conteúdos legais. No entanto, por cá, aqueles que deveriam saber isso continuam com a cabeça enterrada na areia, e a considerar grandes vitórias coisas como o bloqueio do Pirate Bay em Portugal.

Alterar servidores de DNS



Ora vejamos... se um dia destes deixarem de ter acesso ao Pirate Bay, tudo o que terão a fazer é mudar o vossos servidores de DNS para outros, como os do Google ou do OpenDNS. Isto é algo que poderão fazer nas configurações dos vossos computadores, ou então no router - neste caso ficando automaticamente aplicados a toda a vossa rede doméstica. (Têm guias passo a passo no site do OpenDNS, para os diferentes dispositivos - mas ter atenção e mudar também os DNS no IPv6 para além do IPv4, se for caso disso.)

Assim, em vez de terem uma ligação que pede permissão ao vosso IP para saber onde se encontra determinado servidor e ficar sujeito à sua censura, continuarão a poder aceder a todos os sites sem restrições. (Actualização: aliado com o Cloudflare e o https, isto parece ser suficiente para a maioria dos casos.)


Até ao momento, tem sido esta a forma de bloqueio implementada pelos operadores - que como se vê, não tem qualquer dificuldade em ser ultrapassada. Mas mesmo que no futuro venha a ser implementada outra forma de bloqueio para além dos DNS, mesmo assim há solução... que passa pela utilização de uma VPN.


Utilizar uma VPN


As VPNs são serviços que nos permitem aceder a outras redes de forma segura, sendo habitualmente utilizadas para acesso seguro a redes empresariais, mas que também são usadas em ambiente doméstico para inúmeros fins, como contornar este tipo de bloqueios e censura, como também para escapar às fronteiras geográficas, permitindo aceder a serviços que tradicionalmente não estariam acessíveis na nossa região. Podem também ser usadas para escapar a tentativas deliberadas de filtragem ou redução de velocidade de certos tipos de tráfego, como streaming ou torrents.


Existem muitas e variadas VPNs à escolha, desde o popular Hide my Ass, ao simples ZenMate ou Hola (actualização: atenção que este último usa a ligação dos utilizadores gratuitos para servir de VPN para outros); e que ultrapassam os mais avançados tipos de bloqueio que qualquer operador possa pensar em implementar (para todos os efeitos, o vosso tráfego de dados ficará completamente encriptado, sem que o ISP possa determinar que páginas estão a visitar ou sequer se estão a visitar páginas ou a fazer streaming.)

A maioria dos VPNs decentes é pago... mas quando se chega a este ponto, muitos dos utilizadores nem se importará de pagar essa mensalidade apenas como forma de "contrariar" a censura imposta pelos seus ISPs.

19 comentários:

  1. Acho mais simples editar o ficheiro hosts do que mudar os DNS, mas isso é porque costumo criar alias para todos os servidores e já me acostumei a isso. De qualquer da formas, se houvesse mais sites para partilha de torrents legais não era preciso usar o único que é desaconselhado.

    ResponderEliminar
  2. não sei porque ainda continuam a bater no velhinho pirate bay

    ResponderEliminar
  3. E porque não usar o tor só para sacar os magnets?

    ResponderEliminar
  4. Atenção que não foramos operadores que decidiram bloquear os sites.
    O bloqueio resulta de uma sentença emitida por um tribunal que ordenou que os operadores bloqueassem uma lista de sites. Os operadores limitaram-se a cumprir o que lhes foi ordenado.

    ResponderEliminar
  5. Mais simples utilizar o browser Opera com o modo Opera Turbo activado.
    Fica-se a utilizar o proxy da própria Opera house que é da Noruega presumo e não tem essa restrição.

    ResponderEliminar
  6. Outra (simples) alternativa é usar o google translate para "traduzir" o site thepiratebay.se ; -)

    ResponderEliminar
  7. Pergunta de quem está totalmente a leste disto: os routers fornecidos pelos operadores permitem alterar os servidores de DNS? Isso não estará barrado?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase todos continuam a dar acesso, procurando-se pelas passwords de administração. Senão, é uma questão de usares o aparelho deles apenas como "modem" e usares um router próprio.

      Eliminar
  8. " Até ao momento, tem sido esta a forma de bloqueio implementada pelos operadores - que como se vê, não tem qualquer dificuldade em ser ultrapassada. Mas mesmo que no futuro venha a ser implementada outra forma de bloqueio para além dos DNS, mesmo assim há solução... que passa pela utilização de uma VPN."

    Um ISP (não digo qual :P) usa outro método que só com VPN

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Redireccionam todos os pedidos de DNS, mesmo feitos para a Google e outros para o seu próprio servidor de DNS... isso não é segredo nenhum. Não é preciso VPN para ultrapassar esse método.

      Eliminar
  9. A medida tal como está já é eficaz para uns 50% dos utilizadores, porque os outros 50% simplesmente nem se darão ao trabalho de mudar DNSs. Se a implementarem ao nível dos backbones que fornecem a net a Portugal então ficam para aí uns 80% barrados, porque pouquíssima gente sabe e/ou vai dar-se ao trabalho de se ligar por VPN, até porque as VPNs gratuitas são fraquinhas e as boas pagam-se.

    ResponderEliminar
  10. Pelo menos um ISP não faz bloqueio a nivel empresarial, somente domestico.
    A meo no inicio usava simples bloqueio de dns, agora parece usar proxy transparente com bloqueio de urls. Nada que o tor não resolva.
    Alias, so precisam de vpn para browsing e download dos ficheiros torrent.
    Sem usar vpns, bloquear as transferencias p2p propriamente ditas é possivel recorrendo a resets de inicio de sessões torrent.
    Isto é relativamente facil e possivel em pequena escala (dezenas ou centenas de utilizadores). Impossivel em larga escala, pois não existe firewall no mundo capaz de analisar todo o trafego do tipico isp portugues, identificar sessoes torrent e destrui-las. E volto a dizer, sem usar vpns claro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A MEO não usa proxy transparente de bloqueio, o que faz é colocar o seu servidor de DNS sempre em primeiro lugar, mesmo que configure no modem deles outros... se ligar-se por wireless ou por cabo ao modem deles e se usar os parâmetros indicados pelo modem então irá usar o modem deles em primeiro lugar e por isso fica bloqueado.
      Tem duas soluções:
      - Muda os parâmetros de DNS manualmente nos aparelhos que acedem à Internet;
      - Utiliza um segundo router ligado ao modem da MEO e configura os servidores de DNS nesse segundo modem. Sugiro que adquira um router onde possa colocar um firmware mais avançado como o DD-WRT.

      Eliminar
  11. talvez o mais fácil seja mesmo escrever:
    thepiratebay.la

    et voilá

    ResponderEliminar
  12. Basta ir ao google para se encontrara facilmente vários mirrors para o piratebay. Adeus.

    ResponderEliminar
  13. Já que estamos nesta conversa, há uma dúvida que tenho à muito tempo:
    A MEO oferece trafego gratuito para a MEO Cloud, Music e Drive. Há alguma forma de fazer com que a MEO pense que eu estou sempre a utilizar os serviços mencionados para eu não gastar o trafego? Como é que eles conseguem saber se eu estou a usar a MEO Cloud, Music ou Drive?

    Obrigado desde já. ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eles sabem porque sabem qual o IP de destino a que se está a ligar... e que são serviços aos quais eles permitem que se ligue sem contabilizar, ou com uma contabilização diferente.

      Eliminar
    2. Ou seja, não há forma de contornar isto, pois nao?

      Eliminar

[pub]