2017/01/24

China aperta o cerco às VPNs


A utilização de uma VPN é prática comum na China, como forma de contornar a censura, mas em breve poderá tonar-se ainda mais complicado furar a "grande firewall da China".

A China pode ser a fábrica do mundo e um dos maiores pólos de desenvolvimento da actualidade, mas é fácil esquecermos que por lá as coisas são bastante diferentes do resto do mundo, a começar pela (falta de) liberdade no acesso à internet. Se por cá já achamos ridículo o bloqueio de sites como o Uber e outros que sejam acusados de pirataria (que podem ser bloqueados sem sequer passarem pelos tribunais), imaginem só como seria a vossa vida se não pudessem aceder a sites como o Google, Facebook, YouTube ou Twitter - sites que estão bloqueados na China, assim como centenas de outros.

Por isso mesmo a utilização de uma VPN tornou-se numa necessidade para grande parte dos chineses que queiram ter uma melhor ideia do que se passa no resto do mundo; e é isso que volta a estar na mira das autoridades, com uma nova exigência de que todos os serviços de VPN que operem no país tenham que se registar, e considerando ilegais todos os que não o fizerem.

Não deixa de ser caricato, e entristecedor, que tanto a leste como a oeste o foco vá para a criação de muros e muralhas. De um lado com barreiras físicas, do outro com barreiras virtuais. Seria tempo de revisitar episódios passados da nossa História, para relembrar que todos os muros estão condenados ao insucesso, sendo apenas uma questão de tempo até serem derrubados. No caso dos governantes disso se esquecerem, esperemos que os cidadãos façam questão disso lhes recordar.

Espero apenas que, daqui por uns tempos, não estejamos a recordar com enormes saudades os tempos em que a nossa internet em Portugal era discriminada entre tráfego nacional e internacional...

3 comentários:

  1. Boa noite Carlos
    Lamento informar mas a história parece ter sido esquecida.
    Já tivemos barreiras fisicas antes e já tivemos censura. (Portugal é um desses casos.E se for a ver sobre a história recente de Portugal como os descobrimentos, colonizacao ,PIDE, politicos e rendimentos antes e depois de entrarem na politica, vai ver que temos bastante censura. Sugiro que leia os livros de René Pelissier sobre a colonizacao portuguesa em Africa, procure também um livro de um capitão ingles do seculo 18 ou 19 sobre a escravatura em África e já agora sobre o envolvimento de Empresas Norte Americanas na politica alemã dos anos 30 do seculo passado)
    Não podemos esquecer o contexto das situações.
    Vejamos o caso dos Estados Unidos.
    Criar uma barreira na fronteira com o México implicará que muitas pessoas não possam passar clandestinamente para os Estados Unidos.
    Como Estado que quer diminuir o seu défice e diminuir o desemprego no país como deveria fazer?
    Fazendo isto obrigará o México a ser mais eficiente e dar melhores condições de vida para a sua população e diminuir o seu défice.
    Quanto a censura que a China faz não esquecemos que há países supostamente democrático que espia mais do que a China.
    Dando como exemplo Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e Rússia.
    Como se pode saber disto?
    Basta ver nos orçamentos de cada um desses países o que sobra para a segurança cibernética e quantos informáticos existem para o total da população.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Obama parece que se estava a sair bem na redução do desemprego (de 10% em 2010 para menos de 5% no final de 2016): https://data.bls.gov/timeseries/LNS14000000

      Haverá muitas formas de se fazerem as coisas... e tudo o que envolva muros ou censura parece-me que contribuirá mais para o problema do que para a solução.

      Eliminar
  2. "Seria tempo de revisitar episódios passados da nossa História, para relembrar que todos os muros estão condenados ao insucesso, sendo apenas uma questão de tempo até serem derrubados."

    Eles sabem mas também sabem que se não o fizerem a China irá acordar ainda mais depressa!

    ResponderEliminar

[pub]