2017/02/05

Simuladores como alternativa aos super-carros?


Ter um carro super-desportivo é um dos objectivos de sonho de muitas pessoas, mas parece haver um número ainda maior de pessoas que, em vez disso, tem optado por investir em simuladores - e o resultado pode ser melhor que a realidade.

O problema de ter um carro de sonho não são as experiência de sonho que ele proporciona, mas sim os pesadelos de o tentar compatibilizar com o mundo real. Para além do preço, que torna super-carros como Ferraris, Lamborghinis, e outros, inacessíveis para 99.9% da população, há todas as questões de ordem prática do dia a dia: teriam coragem de deixar um carro de 500 mil euros estacionado no parque de um centro comercial, onde alguém mais distraído o poderia riscar ao abrir a porta; isto para não falar de alguém que propositadamente lhe deixasse um risco de ponta a ponta... só por que sim?


E que dizer das nossas estradas? Um destes carros arriscar-se-ia a ser acompanhado de uma factura de vários milhares de euros por cada passeio, por conta de cada buraco, lomba, ou tampa de saneamento levantada em que se acertasse. E por fim, aqueles inconvenientes limites de velocidade - e o trânsito - que impediriam levar estes carros para rotações acima do ralenti a não ser que se levem para um circuito de corridas.

Mas há alternativas...

Que vos parece a ideia de terem um carro de competição, ou melhor dizendo, qualquer carro de competição, sempre à mão; com a possibilidade de correrem em praticamente qualquer pista do mundo, e poderem fazê-lo sem sair de casa?

É isso que se torna possível com simuladores de corridas que tentam replicar a experiência de condução, incluindo os solavancos de cada depressão na pista, inclinação nas curvas, e forças de aceleração e travagem.


Se muitos já poderão ter investido num volante e pedais, importa dizer que aqui estamos perante material "de outro campeonato", que deixam para trás até volantes de 400 e 500 euros que se considerariam de "luxo". Bastará dizer que nos pedais temos sistema hidráulicos que obrigam a fazer precisamente a mesma pressão que se teria que fazer num carro de competição - não sendo de estranhar que este tipo de simuladores tenha sucesso entre os pilotos profissionais, que assim podem treinar em suas casas sempre que quiserem.



O único problema é que sistemas como estes podem custar algo como 50 mil dólares, o que faz com que acabem por ser acessíveis para exactamente o mesmo público alvo que poderia comprar um super-carro de 500 mil dólares. ;P

3 comentários:

  1. Há cá algum simulador destes que se possa experimentar? Sei de alguns autódromos virtuais, mas são com as tecnologias mais convencionais.

    Acaba por valer a pena ir fazer o gostinho aos pés no Estoril e dar umas voltas com uma máquina das boas - mesmo que só seja nossa por meia hora.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Porto tens a G's Competizione na Boavista (não confundir com a GT Competizione, que fica a uma centena de metros mais abaixo. :)

      Eliminar
  2. Boas, os melhores simuladores em portugal com movimento sem dúvida o da simology! Um produto 100% português! Dá 20 a 0 ao da G's competitizione

    ResponderEliminar

[pub]