2016/09/13

Análise ao Alcatel Idol 4S

O Idol 4S é um dos mais recentes modelos da Alcatel, e que vem com óculos VR que permitem mergulhar no mundo da realidade virtual. O nosso Luis Costa já teve oportunidade de o experimentar e partilha as suas impressões.


A Alcatel está a viver uma segunda vida depois de ter passado para as mãos da TCL. A aposta nos Idol 3 obteve bons resultados, tendo levado a marca a reforçar a sua aposta na gama idol; que nos chega agora com dois novos smartphones, o idol 4 (VR) e o idol 4S, modelo que tivemos oportunidade de analisar em detalhe ao longo das últimas semanas.

O Alcatel Idol 4S




A Alcatel fez uma aposta muito bem conseguida, ao apresentar o idol 4S com uns óculos de realidade virtual, acrescentando valor ao conjunto e aproveitando a enorme curiosidade que esta tecnologia tem gerado junto do público.


A caixa foi pensada para fornecer ao cliente um resumo das especificações técnicas, com a Alcatel a não descurar a oportunidade para destacar aqueles que na sua opinião são os pontos fortes deste smartphone.


Ao abrir a caixa, deparamos-nos com a documentação de referência. Sobre este, o bloco que aloja o restante conteúdo.


O smartphone encontra-se alojado no local destinado à visualização de conteúdos com os óculos VR.


Os acessórios encontram-se na caixa, compreendendo o carregador, cabo USB, uma capa de protecção, uma película para o ecrã e os auriculares.


Confesso que por norma este é um acessório que não utilizo. A qualidade do artigo que as marcas disponibilizam é francamente insuficiente para uma utilização continuada, especialmente para ouvir música. Felizmente, os auriculares JBL que a Alcatel fornece com os seus smartphone idol são uma honrosa excepção, com uma qualidade bastante boa. Quando comparados com os auriculares Sennheiser que utilizo diariamente, estes JBL não ficam nada envergonhados.


O carregador vem preparado para um carregamento rápido suportando 5V/2A e 9V/1.67A. Tendo em conta a forma como os equipamentos são utilizados hoje em dia, a possibilidade de executar curtos períodos de carga de forma mais rápida é sempre bem-vinda.


Os óculos VR que acompanham o conjunto constituem-se numa boa proposta para introdução à realidade virtual. Não apresentam a qualidade e funcionalidades de equipamentos mais caros, mas fornecem uma experiência de utilização agradável para visualização de vídeos e imagens.

Para algo mais complexo, a Alcatel já tem outro sistema que tivemos oportunidade de experimentar a quando da visita à IFA, e só vos posso dizer que a coisa promete.



O Alcatel idol 4S tem um corpo em metal com traseira em vidro. A toda a volta encontramos um anel metálico com as arestas maquinadas para maior conforto em utilização. O vidro do ecrã tem um acabamento 2,5D, mas mantém o anel de protecção que encontrámos no idol 3.


Na traseira, o elemento em destaque é a câmara, logo por cima do logótipo da marca. Seria nesta zona que deveríamos encontrar o sensor de impressão digital, algo que hoje é comum encontrar nos smartphones, mesmo nos de gama média e alguns de gama baixa.

A opção da Alcatel foi noutro sentido e o sensor de impressão digital acabou por cair. Se à data do desenho do equipamento este aspecto poderia ser compreensível, o demorado time-to-market acaba por fazê-lo chegar ao mercado numa altura em que a falta desse sensor já se torna mais complicada de justificar.


Em termos de design, a Alcatel não modificou muito as linhas que o idol 3 apresentou, tendo optando antes por refinar as mesmas, melhorando a qualidade dos acabamentos. O anel metálico do corpo, além de bonito, dá estrutura ao equipamento.

Na lateral esquerda encontramos o botão de power e por baixo deste, o slot para os cartões SIM/micro SD. No caso de uma utilização dual SIM, terão de prescindir do cartão de memória. Na lateral superior, o jack 3.5mm e um microfone, na inferior, a porta microUSB e outro microfone.


Na lateral direita, encontramos os botões de volume e sensivelmente a meio, a Boom Key, uma das novidades do idol 4S. Esta tecla dá acesso directo a algumas funcionalidades:
  • Boom my camera: duplo toque para tirar uma foto, toque longo activa o modo burst;
  • Boom my gallery: reorganiza as imagens, criando colagens de forma automática;
  • Boom my videos: cria efeitos nos vídeos e permite stream enquanto se filma;
  • Boom my music: optimização do som surround;
  • Boom my game: possibilidade de utilizar a tecla nos jogos para acções especiais;
  • Boom my view: efeitos 3D na previsão do tempo no ecrã principal;
Em termos de utilidade, se for bem explorada, esta tecla pode representar uma mais valia, no entanto a sua posição assemelha-se muito ao que habitualmente está reservado para o botão de power, pelo que obriga a uma adaptação por parte do utlizador.


A câmara



A câmara traseira tem 16MP, led flash e abertura f/2.0. É capaz de muito bons resultados, mesmo em condições com pouca luminosidade. Não há contudo milagres, sem luz, a qualidade da imagem vai diminuir drasticamente. A câmara frontal de 8MP é auxiliada por um led flash, ideal para as selfies nocturnas.

Onde há uma limitação é nas fotos a curta distância, obrigando a câmara a que nos distanciemos cerca de uma mão travessa do objecto a fotografar. O modo manual consegue fornecer melhores resultados que ao automático neste campo.


 Em termos de interface, temos um conjunto de opções bastante completo, com vários modos de captura de imagem. Cada opção tem um curto texto explicativo sobre a mesma. Os mais profissionais, podem sempre optar pelo modo manual para ajustar os diversos parâmetros a seu gosto.


Em utilização


Este idol 4S vem equipado com um Snapdragon 652, 3GB de RAM e 32GB para armazenamento. O grande destaque vai para o ecrã AMOLED de 5,5" com resolução QHD - 1440x2560 pixels.

A quando da sua apresentação no MWC, ficou a dúvida no ar: estaria o Snapdragon 652 à altura das exigências de um ecrã com esta resolução. Pois bem, ao fim destas semanas de utilização, o que posso dizer é que o processador passa no teste com distinção. Não temos um fórmula 1, mas temos um turismo com grande conforto de utilização.


A leitura de conteúdos é muito agradável, com o detalhe do texto e das imagens a sobressaírem.

O ecrã reversível torna a experiência de utilização mais cómoda, permitindo que se agarre no equipamento sem a preocupação se ele está na orientação correcta. Será interessante verificar se a adopção de um sensor de impressão digital terá alguma influência na manutenção desta funcionalidade em novos modelos.



Em termos de autonomia, tendo em conta o hardware que equipa o idol 4S, temos uma prestação bastante interessante. No entanto, tudo vai depender do tipo de utilização. Numa utilização normal, o smartphone chega com facilidade ao fim do dia ainda com bateria, mas se puxarem muito pelo equipamento, terão que o carregar a meio, fazendo uso do sistema de carregamento rápido.


Os testes de desempenho não batem nenhum recorde, mas tendo em conta a relação processador/resolução do ecrã, não é nada que já não fosse expectável. Há que mais uma vez recordar que estes resultados em nada comprometem a experiência de utilização.

Apenas a lamentar o excessivo aquecimento do terminal quando puxamos pelo hardware. O calor gerado é de tal forma elevado que se torna desconfortável a utilização. A capa pode ajudar a minimizar este factor, mas está longe de uma solução optimizada.


No ecrã de bloqueio temos a possibilidade de configurar quatro ícones para acesso rápido às aplicações e funções que mais utilizamos.

A Alcatel continua a apostar numa interface muito próxima do Android "puro", apresentando muito poucas alterações, opção que se saúda. Este facto, aliado à certificação Daydream que a Alcatel obteve para o idol 4S deverão permitir a actualização mais célere para o novo Android 7.0 Nougat.


Apreciação final


A Alcatel conseguiu obter um enorme sucesso com o idol 3, ao apresentar-se na gama média com dois terminais muito equilibrados e com um preço competitivo face ao que a concorrência oferecia. Com o idol 4, a Alcatel optou por redefinir a sua estratégia, passando a apostar na gama média alta, olhando com o 4S para o mercado dos topo de gama. Este idol 4S é um equipamento com vários pontos fortes, com o design, acabamentos e ecrã a merecem destaque.

A resolução QHD é um valor acrescentado num equipamento topo de gama. Apesar de ainda subsistirem algumas marcas a resistir a esta evolução, é notória a diferença de qualidade do FullHD para o QHD, especialmente das 5,5" para cima. A escolha do processador Snapdragon 652 acabou por se revelar acertada, sendo o mesmo capaz de alimentar o smartphone em todas as tarefas, inclusive as mais complexas.

A lamentar apenas o excessivo aquecimento do terminal e a ausência de um sensor de impressão digital, algo que já é comum em smartphones de gama média. Estes dois pontos são o que afasta o idol 4S do tão desejado selo Escaldante, ficando-se o mesmo com um prestigiado Quente.

Este idol 4S está disponível no mercado por 450€, um valor superior ao que foi praticado no idol 3 5.5". Há que contar com as melhorias nos acabamentos e principalmente no ecrã, com uma sempre interessante resolução QHD, ao que se junta a obrigatória actualização do processador e da memória RAM, que passa a 3GB. Os óculos VR vem completar o pacote final, acrescentando valor ao produto.



Alcatel idol 4S
Quente


Prós
  • Design e acabamentos
  • Ecrã QHD
  • Android com poucas modificações

Contras
  • Excessivo aquecimento
  • Ausência de sensor de impressão digital


Por: Luis Costa

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]