2016/09/08

Preços do iPhone 7 em Portugal

O novo iPhone 7 está aí, e desta vez Portugal tem honras de figurar entre os países de lançamento, o que permitirá aos interessados comprá-lo já a 16 de Setembro (e reservá-lo já a partir de amanhã, dia 9).

O iPhone 7 vem com um conjunto de melhoramentos interessantes, continuando a evolução que tem tido nos últimos anos e com alguns pontos de destaque, como a adopção de um sistema de câmara dupla no iPhone 7 Plus, o abandono da ficha dos headphones, e a passagem do home button para um botão solid-state sensível à pressão. Também importante, o facto de a Apple ter finalmente abandonado as versões de 16GB, duplicando a memória para os 32, 128 e 256GB.

E quanto aos preços no nosso país, já com taxa SPA incluída:
  • iPhone 7 de 32GB: 779 euros
  • iPhone 7 de 128GB: 889 euros
  • iPhone 7 de 256GB:  999 euros

  • iPhone 7 Plus de 32GB: 919 euros
  • iPhone 7 Plus de 128GB: 1029 euros
  • iPhone 7 Plus de 256GB: 1139 euros
Na caixa encontramos, para além do iPhone, o adaptador de corrente de 5W (ficha USB), o cabo USB-Lightning para carregamento, auriculares EarPods com ficha lightning, e um adaptador lightning-ficha de headphones de 3.5mm. (O abandono da ficha dos headphones é muito bonita... até ao momento em que quiserem recarregar o iPhone enquanto usam os auriculares. ;P)


Continuam a estar disponíveis os iPhone SE (16GB e 64GB por 499 e 559 euros respectivamente) e os iPhone 6S e 6S Plus (nas versões de 32GB e 128GB), com preços a começar nos 669 e 779 euros.

6 comentários:

  1. Sempre a pouca vergonha de preços em Portugal. Estamos a ficar como no Brazil !
    As operadoras nao seguem os precos com a evolucao do mercado !

    ResponderEliminar
  2. Sempre a pouca vergonha de preços em Portugal. Estamos a ficar como no Brazil !
    As operadoras nao seguem os precos com a evolucao do mercado !

    ResponderEliminar
  3. São dispendiosos? Sem dúvidas. São caros? Depende. Para quem (como eu) que utiliza um iPhone por pelo menos 3 anos, recebe actualizações frequentes e tem um produto que nunca engasga ou reinicia, é um bom investimento, ainda mais quando seu custo é diluído na actividade profissional. Para quem tais coisas não são importantes ou não são possíveis, há alternativas no mercado. O que é escusado são o "fiscais de compras alheias" se arrogarem no direito de dizer o que eu ou qualquer outra pessoas deve ou não adquirir.

    ResponderEliminar
  4. Cada um adquire o que quiser, até se pode comprar um smartphone cravado a diamantes por 90000€, e para alguém com certeza que é justificável. Já usei iOS, Android e WP. Se falarmos em funcionalidade, "engasganços" ou qualidade de construção, no presente, temos a mesma qualidade noutras plataformas por metade ou 1/3 do preço e ainda a vantagem de termos escolha. Portanto o iphone é dispendioso, é caro e torna-se muito difícil justiciar o seu preço face às alternativas existentes.
    De resto preferencias pessoais não se discutem, mas quando toca a avaliar um produto friamente não podemos ser parciais e colocar a nossa opinião pessoal como justificativo.

    ResponderEliminar
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  6. As coisas são sempre relativas.
    Por exemplo, no meu caso pessoal, desde o Nexus 5 que não me imaginaria a gastar mais de 300-400 euros num smartphone; mas no entanto o Galaxy S7 Edge deixou-me a "fazer contas" e a pensar seriamente na loucura de comprar um (viesse ele com Android 7.0 sem TouchWiz... e não tinha resistido).

    Com o iPhone passou-se algo idêntico. Não consigo justificar dar 800 ou 900 euros por um iPhone... mas o iPhone SE veio trazer a maioria das vantagens do 6S a um preço que já me pareceu razoável (e ainda mais o seria se por cá se tivesse o preço que tem nos EUA.)


    Isto não invalida que não se fique excelentemente servido com modelos que custam 100 ou 200 euros e oferecem mais do que se poderia imaginar nesse patamar de preços.

    ResponderEliminar

[pub]