2017/01/05

Polaroid Pop regressa às origens com fotos instantâneas


A Polaroid (tal como a Kodak) está hoje muito longe dos seus tempos de glória, mas agora regressa num curioso gadget que poderá apelar aos mais nostálgicos e dar a conhecer o prazer das fotos físicas às gerações para quem as fotos só existem nos ecrãs dos seus smartphones.

Ainda me recordo perfeitamente do momento em que, pela primeira vez, olhava curioso e espantado para um pequeno pedaço de papel onde lentamente se ia materializando a foto tirada momentos antes. Para uma criança na década de 70, a ideia das fotos instantâneas era algo que se aproximava da ficção científica, numa época em que as fotos eram cuidadosamente captadas a conta-gotas, muitas das quais só iriam ser vistas semanas ou meses mais tarde, quando se fosse revelar os negativos. E ter em conta que não estou a falar de as ir revelar a um centro-comercial ou centro de revelações, mas a um estúdio fotográfico de algum fotógrafo que prestasse esse serviço.

São tempos que parecerão "pré-históricos" para quem actualmente está habituado a tirar dezenas ou centenas de fotos em poucos minutos, e quase instantaneamente partilhá-las com todo o resto do mundo (e já agora, deixando que seja o Google Photos a tratar da sua organização em álbuns automáticos).

Mas ainda pode haver vida para as fotos em papel, ou pelo menos assim espera a Polaroid com a sua nova câmara Polaroid Pop.



A Polaroid Pop é uma câmara de 20MP que tem uma impressora integrada, criando fotos de 3"x4" que servirão como lembranças perfeitas e com maior valor sentimental/emocial que uma centena de fotos digitais algures na cloud.

Ainda assim, a Pop não se esquece de outros atributos para fazer valer as suas competências, contando com flash dual-led, vídeo Full HD, um touchscreen de 3.94" na traseira, Bluetooth e WiFi. Podemos até usá-la apenas como impressora, para imprimir fotos enviadas do nosso smartphone ou tablet.

O único problema é que a Polaroid Pop só vai ficar disponível no final de 2017, pelo que a sua apresentação no CES 2017 será certamente apenas uma forma de avaliar o interesse do público. Por mim, fico interessado... mas com a condição de que o preço terá que ser convidativo. Caso contrário, a magia da nostalgia rapidamente se dissipa face ao baixo custo e comodidade das fotografias puramente digitais.

2 comentários:

  1. Tenho uma polaroid snap touch com ecran touch e posso dizer que é incrivel, imprime en 30 segundos e da para modificarmos as fotos na propria camera (recortar, meter filtros, texto e icones)e como tem bluetoot podemos mesmo imprimir na maquina fotos que temos no telemovel... os 2 grandes problemas são: o software que volta e meia buga. e a bateria como é interna, logo quando buga e não desliga ou começa a imprimir sem parar só la vai mesmo com o reset. tenho que andar sempre com um alfinete no bolso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo tem um preço. Quanto custa cada foto tirada pela sua polaroid?? eu tenho uma de 1992 e 10 fotos custavam 3 contos (15€ )

      Eliminar

[pub]