2017/03/14

Fabricante de vibrador "inteligente" vai ter que pagar 10 mil dólares a cada cliente por violação de privacidade


Neste mundo da Internet of Things nem sequer os vibradores escapam de estar ligados à internet e, pior ainda, há empresas que se lembram de recolher dados privados dos clientes sem o seu conhecimento - coisa que agora vale uma pesada factura aos fabricantes do We-Vibe.


O We-Vibe é um vibrador inteligente que tem uma app que permite a sua configuração e ajuste. O que ficou por dizer aos utilizadores foi que a app também enviava informação referente à temperatura e nível de intensidade, em tempo real, para a empresa, que obviamente ficava associada ao utilizador(a) em questão.

Sem dúvida que isto permitiria criar um perfil bastante "único" sobre cada utilizador, mas o problema é que estava a ser feito sem o conhecimento ou consentimento dos utilizadores, que eram apenas informados de que a app enviava "dados de diagnóstico" para a empresa. Neste sentido, bem que se pode agradecer aos hackers que descobriram este envio de dados, pelo serviço público... e que agora resultará num bónus interessante para todos os utilizadores destes vibradores.

O fabricante dos We-Vibe concordou em pagar $199 a todos os clientes que compraram um dos seus vibradores e, mais interessante, $10000 a todos os que também usaram a app We-Connect que transmitiu os seus dados. Ora, por muito que estes utilizadores e utilizadores valorizem a sua privacidade, acho que receber 10 mil dólares pela recolha indevida de dados acaba por ser um bom negócio.

Aliás, até fico mais tentado a usar serviços duvidosos que possam por em risco alguns dados privados, como forma de potencialmente vir a receber uma indemnização no futuro. Com um pouco de sorte, ainda nos podemos tornar profissionais das indemnizações dos abusos de dados.

1 comentário:

  1. São dois problemas:
    - A segurança do Bluetooth era fraca - quando o vibrador era utilizado alguém podia assumir o controlo e aumentar a vibração. Não sei quem é que se dava a esse parvoeira, que além do mais exigia proximidade e oportunidade, mas é isso que justifica que os que só compraram o vibrador tenham direito a uma indemnização de $199.
    - Já os que usaram a app terão direito a $10.000 porque recolhia informações de uso como intensidade de vibração, números de utilizações, bem como data e hora. Quando comecei a ler a notícia pensei que recolhia som e imagem, mas parece que não.

    ResponderEliminar

[pub]