2017/03/16

iPhone X idealizado por designer mostra-nos um iPhone de sonho


Ainda faltam muitos meses para ficarmos a conhecer o iPhone que marcará o 10º aniversário deste smartphone que mudou o mundo, mas isso não impede algumas pessoas de irem partilhando aquilo que gostariam que ele fosse.

Gabor Balogh é um artista digital que levou à letra a expectativa de que o novo iPhone tenha um ecrã que ocupe praticamente toda a área frontal. O resultado é simplesmente apaixonante, dando aquele pequeno "passo extra" face à evolução que tanto o LG G6 e o Galaxy S8 fizeram neste campo.

Não menos interessante é a idealização de que o próximo iPhone pudesse adicionar a capacidade de visão à Siri, permitindo-lhe não só escutar os nossos comandos como também ver o mundo à nossa volta e apresentar informação em realidade aumentada. Por exemplo, apontar a câmara para um monumento poderia apresentar informação sobre o mesmo; podendo também servir para navegação em interiores, ou até apresentar uma análise sobre as expressões faciais das pessoas.


Claro que tudo isto não passam de conjecturas e "desejos" que não são constrangidos pelas dificuldades ou limitações do mundo real, mas bem que seria tempo da Apple nos trazer um iPhone que superasse todas as expectativas, relembrando os bons velhos tempos de quando cada novo iPhone vinha com algo novo (e por vezes inesperado), como foi o caso do primeiro iPhone com "retina display" que duplicou a resolução do ecrã numa altura em que se dizia que a tecnologia para isso ainda não estava pronta.

Se o iPhone X for minimamente parecido com este iPhone imaginado por Gabor Balogh, é fácil imaginar que seria um sucesso, mesmo custando 1000 euros.

1 comentário:

  1. Bom, sobre a realidade aumentada tem havido bastantes rumores.
    Os bosses da Apple já vieram dizer que estavam a dar-lhe bastante atenção e, como não costumam falar de uma nova tecnologia quando não têm nada para apresentar, é muito provável que apareça alguma coisa. Agora, fala-se também de uns óculos, mas também pode ser o iPhone X, ou uma integração óculos + iPhone, abrangendo os modelos "antigos". Não há dúvida que o Pokemon Go veio trazer outra visibilidade à realidade aumentada.
    Quanto a utilizar a parte "negra", sobretudo em baixo, também como ecrã de funções/atalhos/símbolos de apps, tem-se falado nisso. A questão é saber se o desenvolvimento de apps distintas para os iPhones anteriores e para o X se justifica. A Apple tem-se preocupado muito com o factor continuidade, o que leva muita gente a considerar que sacrifica a inovação, entendida como alteração radical.

    ResponderEliminar

[pub]