2017/03/15

Sabias que estás a ser seguido quando entras num centro comercial?


Muitas pessoas já estão habituadas a ver o aviso de que poderão estar a ser filmadas quando entram em áreas comerciais; mas o que poderão não saber é que em muitos centros comerciais Portugueses, já estão a ser seguidas a partir do momento em que entram no recinto.

Algumas pessoas mais atentas já poderão ter reparado nuns curiosos módulos que estão posicionados por cima das portas e pontos de acesso nos centros comerciais, umas vezes de forma bem visível, outras vezes de forma mais dissimulada. Estes módulos permitem identificar e registar informação relativa aos smartphone que muitas pessoas carregam, no mínimo recolhendo coisas como o seu MAC address (no caso de terem o WiFi activado), mas podendo também recolher informação referente à rede GSM.

No fundo, trata-se de ter uma forma de identificar o smartphone/pessoa por diferentes técnicas, sendo que a partir daí é possível fazer análise de coisas como: quanto tempo passou no centro comercial, qual a frequência com que o visita, em que lojas ou áreas passa mais tempo, etc. etc. Um verdadeiro relatório analítico dos visitantes/clientes, ao estilo do que se poderia ter na web.

Claro que neste caso o serviço não sabe que "nós" somos "nós", tendo apenas informação de um dispositivo que poderá ser identificado de forma única mas não sabendo se pertence ao "Carlos" ou ao "Manuel", pelo que se trata de dados implicitamente anonimizados. Ainda assim, não será difícil criar perfis com base no tipo de lojas que visita, que acabarão por resultar em dados bastante interessantes e valiosos.

Deixo apenas no ar a pergunta se não seria recomendável a estes centros comerciais (e certas lojas que também utilizam esta tecnologia e outras equivalentes) adicionarem uma indicação de que, tal como os visitantes podem ser filmados, também estão sujeitos a serem seguidos e monitorizados electronicamente através dos seus smartphones.

... Caso não apreciem este tipo de coisa, a solução passa por activar o modo de avião enquanto visitam um centro comercial, pois assim não há forma do vosso smartphone ser "apanhado".

15 comentários:

  1. Por acaso não sabes o nome desses equipamentos?
    Obrigado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui há uns anos a Around Knowledge já fazia disso.
      http://abertoatedemadrugada.com/2011/06/tracking-de-pessoas-feito-em-portugal.html

      Actualmente imagino que haja muita mais "concorrência".

      Eliminar
    2. A Around Knowledge é agora Movvo.
      www.movvo.com

      Eliminar
  2. A solução pode ser uma app que envie informação aleatória

    ResponderEliminar
  3. Muito, muito interessante o aviso😉. Obrigado amigo Carlos. Aqueles que como eu julgamos que estamos ao tanto de tudo, agradecemos o aviso. Mas, já se sabe que no mundo em que estamos, isso é o mais normal. E creio que vamos ter de viver com as normas que há. Obrigado

    ResponderEliminar
  4. "Não têm uma barra para aceitar os cookies ????"

    ResponderEliminar
  5. As sociedades civis têm sido governadas por idiotas gananciosos que têm entregado de mão beijada a organização da vida aos privados.
    Esta é a prova de que está na hora de começarmos a pensar um pouco mais nos recursos públicos e em como todos ficaremos sempre a ganhar se não descurarmos o que é de todos nós, pago pelos nossos próprios impostos.
    As áreas comerciais não são exceção.
    (Já para não falar das escolas, dos hospitais, das estradas, dos estacionamentos, etc.

    ResponderEliminar
  6. No norteshopping tem lá aviso disso nas portas viradas para a praça de táxis.

    ResponderEliminar
  7. Quando entro num cc ativo a VPN de França, será que com isso fico livre deste tipo de abuso ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não.
      Só no modo de avião e com o Wi-FI e Bluetooth desligados. Porque deixa de emitir/ receber qualquer sinal rádio do dispositivo.
      Infelizmente os sistemas de transmissão rádios não estão desenhados para proporcionar privacidade e muitas vezes nem mesmo segurança.

      Mas podem continuar a fazer registos pelos sistemas de câmaras de video-vigilância através de sistemas de análise de imagem. Podem tentar utilizar chapéus, máscaras, roupa e calçado que reduza as possibilidades de vos identificar, mas eventualmente teriam outros problemas como seguranças a impedir a entrada e a policia a identificar-vos e por vezes a deter-vos... nem que seja só porque sim e depois logo se vê que os tribunais são o que são para quem têm dinheiro para lá andar.

      Eliminar
  8. Não vejo qualquer problema nesta situação, é apenas e só uma forma de dotar os lojistas de informação muito relevante para adaptarem o seu negócio ao cliente real e não ao imaginado.
    Quanto ao cliente, parece também interessante porque pode usufruir de wifi gratuito e encontrar produtos e serviços que vão de encontro às suas necessidades mais facilmente.
    É uma relação win-win.
    E, por favor, não metam o Estado nisto. Aliás, costumo dizer que temos que criar normas que evitem os abusos do estado para termos uma sociedade mais livre, mais criativa e mais dinâmica.

    ResponderEliminar
  9. E você? Já está afogado na desordem digital?
    https://www.kaspersky.com/about/press-releases/2017_poor-device-and-app-care-leaves-users-drowning-in-digital-clutter

    ResponderEliminar
  10. Dos que conheço todos usam wifi e/ou bluetooth com probing the MACs. No GSM ou outra tecnologia móvel só mesmo o operador poderia ter acesso a esta informação.

    O mais grave é que duvido muito a Comissão de Protecção de Dados ande atenta a estas instalações WiFi em shoppings.

    ResponderEliminar
  11. Já se faz um spammer e jammer com um esp8266 :P é por um há porta com bateria

    ResponderEliminar

[pub]