2017/08/08

Navegação por rádio terrestre regressa como backup do GPS


A tecnologia de rádio-faróis foi considerada obsoleta com a chegada do GPS, mas agora há quem a queira recuperar por ser bastante mais robusta e resistente a interferências, em caso de ataques deliberados ao GPS.

Antes de se sonhar com constelações de satélites que permitem calcular a nossa posição no globo com uma precisão de poucos metros, os sistemas de navegação, concebidos para navegação aérea e marítima, recorriam a um sistema de rádio-faróis utilizando o mesmo princípio de triangulação. A precisão era inicialmente bastante reduzida, na ordem das centenas de metros, mas os sistemas mais recentes como o Loran-C já permitiam uma precisão de cerca de 80 metros - sendo possível melhorar essa precisão se se utilizasse tecnologia mais moderna.

É nisso que volta a haver interesse, devido à facilidade com que se pode interferir com os sinais GPS. Algo que na Europa já tinha sido contemplado, com a conclusão de que o sistema de navegação por rádio terrestre deveria ser mantido (e evoluído) como forma de backup aos sistemas via satélite, mas cujas intenções foram derrubadas pelo facto de tanto a França como a Noruega, seguido do Reino Unido, anunciarem que desligariam os seus rádio-faróis (em 2015).

Talvez com o anúncio de que os EUA irão reactivar e melhorar este sistema, para não ficarem dependentes do GPS, também a Europa volte a relembrar-se das vantagens de manter um sistema que tinha provas dadas há várias décadas... E, embora não seja um sistema adequado para ser utilizado em dispositivos móveis devido à necessidade de antenas relativamente grandes, até poderá vir a ser vantajoso para melhorar a localização dos veículos autónomos - já que os estes sinais têm mais de 1 milhão de vezes mais força que os sinais enviados pelos satélites GPS.

... Um dia destes ainda assistimos ao ressurgimento dos telefones com fio, por serem imunes às interferências wireless... :)

1 comentário:

  1. A tecnologia certamente que pode ser bastante melhorada. Mas com a rede de satélites Europeia Galileu fará mesmo sentido? Eu acho que faz, redundância, em especial para possíveis casos de vida ou morte, parece fazer muito sentido.

    ResponderEliminar

[pub]