2017/09/13

Automóveis eléctricos vão dominar o mercado mais cedo do que se pensa?


Depois de décadas a ouvir promessas de que os carros eléctricos estavam a chegar, sem qualquer efeito prático, parece que agora estamos finalmente perante um momento de transformação - e que pode acontecer de forma mais rápida do que se imagina.

Lembro-me de, já no distante ano de 1999, se falar que a aposta nos carros eléctricos estava a ser feita em força... e que uma década depois continuava a não se ver nenhuma alteração no panorama automóvel (a não ser a grande aposta nos diesel teoricamente "mais limpos que nunca"). Mas agora arriscamos-nos a estar a entrar numa década em que essa transformação possa acontecer de forma equivalente à revolução causada pelos iPhones.

Há uma década atrás seria impensável que a Nokia não tivesse assegurada a sua permanência como líder no mercado dos smartphones "para sempre", ou que a BlackBerry tivesse que se preocupar com a sua liderança no sector empresarial. Mas um pequeno dispositivo, criado por uma empresa que nem sequer fabricava telemóveis veio mostrar que isso não passava de uma ilusão... e basta olhar para o estado em que estão hoje, dez anos passados.

Os fabricantes automóveis têm a vantagem de não estarem a ser tão arrogantes face a empresas como a Tesla, que também entraram no sector com o objectivo de o revolucionar - e o que é certo é que, depois de anos relegada para um nicho de mercado (os que podem pagar os preços dos Model S e X), o anúncio e chegada do Model 3 tem, sem qualquer dúvida, feito acelerar as coisas.

Muitos são os fabricantes que se apressam a dizer que já em 2020 todos os seus veículos serão eléctricos ou híbridos, e outros a dizerem que para 2030 já só terão veículos 100% eléctricos.

Isto faz imaginar que a meta de 2040 que alguns países têm definido para a proibição de vendas de veículos a combustão, poderá nem sequer chegar a ser necessária, pois o mercado evoluirá para veículos eléctricos muito antes disso. (E a avaliar pelo interesse das pessoas, tenho verificado que grande parte delas já nem equaciona que o seu próximo carro não seja 100% eléctrico.)

Por outro lado, é também necessário ter em conta que isto não fará com que os muitos milhões de veículos a combustão desaparecerão de um dia para ao outro, continuando a circular por muitas  décadas... mas muito seguramente contando com restrições crescentes quanto aos locais em que deixarão de poder circular (centros de cidades, etc.) Mas, parece-me inevitável que daqui por uma década, as conversas de que é difícil encontrar um posto de carregamento já se terão transformado em algo do género: "Mas tu ainda tens paciência para ir ao posto de gasolina abastecer? Eu carrego o carro em casa, no trabalho, no centro comercial, ou onde quer que pare..."

18 comentários:

  1. Mmmmmm..... Não sei se não fica muita variável por considerar nessa conclusão. Será que o preço da electricidade não irá disparar perante esse cenário? E para satisfazer as necessidades de tanto consumo de electricidade como farão? E o estado que deixa de ter as chorudas receitas dos impostos da venda de combustível? Não irão eles arranjar alternativa? E no trabalho? Teremos autorização da entidade patronal para carregar os nossos veículos suportando eles esse custo? E numa fábrica com dezenas de trabalhadores? Como carregar? Enfim,muitas outras perguntas se levantam que só no futuro obteremos resposta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Actualmente já tens casos em que há excesso de produção de energia durante o dia (algo que só terá tendência a aumentar com mais parques solares, e "telhados solares")... pelo que o problema, actual e futuro, é mais no sentido de: onde guardar essa energia para quando é precisa.

      Nessa vertente, os carros eléctricos podem ser vistos como baterias sobre rodas, em que, estando ligados à rede, podem absorver essa energia durante o dia, e disponibilizá-la durante a noite (ou vice-versa, consoante as necessidades)...

      Que vai ser uma grande revolução isso vai (no sentido de acabar com a dependência dos combustíveis fósseis e toda a gigantesca que os suporta, exploração, transporte, refinação, distribuição, etc.)

      Eliminar
    2. Obviamente que vai fazer disparar o preço do kWh. Mesmo que as pessoas carreguem os carros durante a noite (quando há claramente "excesso de produção" em Portugal) a EDP vai continuar a cobrar cada vez mais.

      Eliminar
    3. A Tesla, principal responsável por esta revolução, está também a apostar em tornar as casas autossustentáveis em eletricidade.

      Eliminar
  2. 5800000 carros a circular em Portugal vezes 40kwh , capacidade das baterias (média) , da na casa de 210.000 MWh só para carregar estás baterias.... Não sei se fiz bem as contas e também não consegui,numa breve pesquisa, encontrar informações quanta energia elétrica se produz em Portugal por dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso seriam contas completamente exageradas, do estilo de assumires que esses 5.8 milhões de carros também vão encher o depósito todos os dias. :)

      Assumo que grande parte desses 5.8 milhões faça trajectos de poucas dezenas de quilómetros por dia, pelo que só teriam que carregar 10-20-30% da sua capacidade... E, como é certo e sabido, não é de um dia para o outro que se retiram os carros actuais da rua e se metem 5.8 milhões de carros eléctricos na rede - isto é algo que será gradual, ao longo de várias décadas, dando perfeitamente tempo para que a rede e produção se vá ajustando às necessidades.

      O único valor que encontrei foi o de consumo médio anual, que foi de 50000GWh em 2016.
      Mesmo que atirasses todos esses 5.8 milhões de carros, estaríamos a falar de mais 2300GWh... o que não me parece que seja um valor excessivo face ao consumo actual - e considerando que já o ano passado tivemos vários dias consecutivos apenas com fontes renováveis... não é descabido imaginar que facilmente esse aumento de consumo pudesse ser facilmente "digerido".

      Eliminar
  3. Ó Carlos, vai-me desculpar. Em relação ao que escreveu:

    "Mas tu ainda tens paciência para ir ao posto de gasolina abastecer? Eu carrego o carro em casa, no trabalho, no centro comercial, ou onde quer que pare..."

    O carregamento na bomba de gasolina leva poucos minutos. Ao passo que o carregamento de uma tomada - mesmo que seja "super charger" - leva horas. Eu pergunto-me como é que as pessoas terão paciência para os carregamentos eléctricos ? E como é que a pessoa carregará o carro no trabalho ? Estaciona ao lado da secretária ? Ou vai haver tomadas espalhadas pelas ruas ?
    Isto da electricidade automóvel é tudo uma fantasia que só funcionou há uns anos atrás para meia-dúzia de privilegiados que tiveram dinheiro (e subsídios a ajudar) para comprar "pópós a pilhas".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para 99% das pessoas, bastará carregar uma vez por dia (ou nem tanto), o que poderá ser feito em casa.

      Por outro lado é muito - mas muito - mais fácil fazer chegar uma tomada a cada local de estacionamento (ou a número significativo deles)... Basta lembrar que a electricidade, ao contrário da gasolina/gasóleo, está em todo o lado.

      Achas assim tão descabido que empresas (e outros) se limitem a trocar os toldos nos parques por paineis solares, e oferecerem-se para carregar os carros dos clientes "de borla" enquanto vão às compras, ou os funcionarios trabalhem? Aos preços a que os paineis solares e baterias começam a ficar, não me parece difícil que aconteça...

      Mas certamente haveria quem dissesse o mesmo em relação à gasolina, quando os poucos privilegiados que tinham carro tinham que andar com a gasolina às costas por não haverem postos de abastecimento... :)

      É coisa que só poderemos analisar daqui por 10 ou 20 anos... Mas também se pode dar o caso que nessa altura as pessoas já achem que isso era "perfeitamente natural" - tal como hoje em dia acham natural gestos como o pinch to zoom ou slide to unlock nos smartphones... esquecendo-se que há uma década atrás a Nokia dominava o mundo, e o iPhone era algo que alguns ridicularizavam e condenavam ao insucesso...

      Nos carros electricos, o impacto será bem maior (a nivel ambiental) e indispensável... pelo que espero que venham a ter sucesso idêntico ao dos smartphones. :)

      Eliminar
  4. Ha pouco mais de 1 mes, portanto antes da abertura do quiosque do Corte Ingles, vi um Tesla no parque de estacionamento do Colombo ligado a uma tomada. Teria autorização ou não? Isso não sei.
    Mas basta pensarmos um pouco: numa normal ida às compras num centro comercial não gastamos menos de uma hora.
    Se formos ver um filme esse tempo sobre para, pelo menos, duas horas. Nesse tempo é possivel carregar o suficiente para os restantes gastos do dia.
    Fica (será que fica) por resolver a autonomia das grandes viagens. Um Tesla, mesmo carregado e com o ar condicionado ligado poderá fazer pelo menos 250 kms, se nao excedermos os limites de velocidade.
    Num "SuperCharger" poderá carregar 80% da capacidade maxima enquanto se toma um café e se desentorpecem as pernas.

    ResponderEliminar
  5. Há dias vi a notícia que a China planeia a implementação total de veículos elétricos nas estradas chinesas.
    Isso fez-me pensar que a pressão sobre as marcas automóveis vai aumentar enormemente.

    Mas o que mais me fez pensar, foi a questão das baterias, pois antevejo um mercado global de produção-manutenção-substituição-reciclagem de baterias.
    As próprias baterias vão evoluir muito, com maiores capacidades de autonomia e menores tempos de carregamento.
    Já imaginaram a quantidade de fábricas e trabalho que isso vai dar?
    É o futuro da indústria, que não irá fugir desta ideia da energia elétrica (e eventualmente outras fontes de energia, como o hidrogénio).

    ResponderEliminar
  6. Depende do preço do veiculo e das condições dadas aos utilizadores para poderem carregar o carro . Falar em carros electricos é fácil e que será o futuro mas quando e a que custo ? A realidade que existe é que um veiculo utilitário eléctrico custa apartir de 30000 eur exemplo Renault Zoe e um equivalente a gasolina custa metade . Com estes preços actuais este mercado dos eléctricos vai continuar como nicho de mercado.

    ResponderEliminar
  7. Isto vai ser um tema quente nos próximos anos, ainda vamos também falar na correcta reciclagem das baterias para não se tornarem elas num problema ambiental.

    ResponderEliminar
  8. Tenho um dos primeiros veículos elétricos a ser vendido em Portugal e continua a ter todas as peças e de origem (nas revisões não trocou nada) no mês passado foi à inspeção dos 6 anos e passou sem qq defeito. Em relação ao tempo que demora a carregar, na prática o que interessa é o tempo que disponho para esse fim que é cerca de 30 segundos por semana - que é o tempo que demoro a ligar a ficha a tomada quando o ponho a carga (cerca de 1 vez por semana) e depois só pago quando chegar a conta da eletricidade da casa. Se fosse a uma bomba de gasolina com um carro de combustão provavelmente iria de 3 em 3 semanas mas tinha de me deslocar lá, esperar a minha vez pagar e voltar (tinha que gastar combustível e tempo para ir abastecer) e ficava-me cerca de 4 ou 5x mais caro o custo por km percorrido.
    Além dos inconvenientes dos carros a combustão não tem comparação a condução de um carro elétrico. Carregar no acelerador de um carro a combustão é o mesmo que abrir uma torneira (barulhenta) que esbanja água pelo chão para fazer andar um barquinho de papel. Carregar no acelerador de um carro elétrico é como se o pé estivesse a empurrar diretamente nas nossas costas sem qualquer atraso inicial à espera de rotacões ou roncos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miguel Silva posso saber qual é o uso que dá ao carro? É que para uso que dou ao meu a combustão não dá para usar elétrico (limitados ). Tenho dias que sim,mas a maior parte dos dias nem pensar.... Para além dos preços praticados(muito caros),que até se percebe porque,por enquanto, o meu problema até não é capacidade das baterias,e mais o tempo de carga. Por exemplo: se o tempo de carga das baterias fosse de 5 minutos eu não tenho nenhum problema que autonomia do carro fosse de 250-300 km. Como gosto de fazer viagens de carro para fora das fronteiras (1500 e até 4000km) não é viável para mim,e espero bem que por enquanto,os carros elétricos atuais.
      P.s cerca de 3 semanas atrás falei com um importador BMW noutro país da Europa,e aquilo que ele me disse é que a marca alemã vê como futuro a troca das baterias nas bombas. Tipo já tás a ficar sem carga, entras numa bomba e trocas a tua bateria descarregada com outra carregada e pagas o carregamento...
      P.S2 axo que o futuro vai passar a ser carsharing... Alguém já experimentou o serviço da Hertz e BMW I3 em Lisboa?

      Eliminar
    2. Sim, o carro apenas faz cerca de 20km por dia e raramente sai de Lisboa, mas certamente muitos outros carros circulam em Lisboa nesta situação.
      Em relação a viagens longas apesar de nos termos habituado a essa comodidade, talvez o carro não seja a melhor opção em termos de sustentabilidade. O comboio tb é um veiculo eletrico, mas o Hyperloop deverá oferecer um misto de comboio com avião sem impacto ambiental ;)
      Eu tb gostava muito de fazer umas viagens por outros sistemas planetários, para conhecer outras culturas realmente diferentes. Aqui na terra tb se pode visitar muitos locais com o Street view no Google Maps sem sair de casa ;)

      Eliminar
  9. tudo muito bonito sim.. e matéria prima para tanta bateria? existe?

    ResponderEliminar
  10. É curioso ver o a decorrer salão de Frankfurt. Todas mas mesmo todas as grandes novidades são eléctricas (com excepção do BMW série 8). Mercedes, BMW, Audi, Mini, Porsche, todas apresentam novidades nessa área.

    ResponderEliminar
  11. https://www.engadget.com/amp/2017/09/14/daimler-fast-charging-storedot-investment/

    ResponderEliminar

[pub]