2017/12/28

Análise ao Asus ZenFone 4

A família ZenFone da Asus é uma nossa velha conhecida, e agora é altura de ver se o mais recente membro da família - o ZenFone 4 - está à altura dos seus antecessores.



A Asus tem uma relação particular com os grandes eventos de tecnologia, pelo menos nos que são realizados na Europa, preferindo não participar directamente nos mesmos. A sua opção tem passado pela utilização de um espaço exterior às feiras, onde apresenta os seus produtos. O facto de o ZenFone 4 não ter sido apresentado na IFA, acabou assim por não ser propriamente uma surpresa, com a marca de Taiwan a preferir realizar um evento em Roma, algumas semanas mais tarde, onde com toda a pompa e circunstância, nos deu a conhecer a nova família ZenFone 4.

Esta, como já é habitual, desdobra-se por vários modelos. Temos o ZenFone 4 Pro, ZenFone 4, ZenFone 4 Selfie Pro, ZenFone 4 Selfie e ZenFone 4 Max; garantindo assim a Assus, que há um ZenFone 4 para todos os gostos (e carteiras). O smartphone em análise é o ZenFone 4, ou o ZenFone 4 "normal", como eu gosto de lhe chamar, para o diferenciar do modelo Pro.

O Asus ZenFone 4



Este modelo tem desde logo uma particularidade interessante, estando disponível em duas versões, que diferem apenas no processador. O Zenfone 4 está disponível em duas versões, uma com o Snapdragon 660 e outra com o Snapdragon 630, tendo sido esta última a escolhida pela Asus para ser comercializada em Portugal.

O ecrã Super IPS+ tem 5,5" tem resolução Full HD e apresenta 600nits de brilho, o que garante uma boa visualização, mesmo em ambientes com muita luz solar directa. As margens laterais são reduzidas, mas o mesmo não se pode dizer da zona superior e inferior, com a Asus a adiar a sua aposta num ecrã FullView. Pela positiva, a presença de um filtro de luz azul, para maior cuidado com a visão.

O ZenFone 4 tem 4GB de RAM LPDDR4, bateria de 3300mAh com carregamento 5V/2A (10W) e uma câmara frontal com 8MP e abertura f/2.0. Na traseira apresenta uma dupla de câmaras com um sensor Sony IMX362 de 12MP com 1.4 µm de tamanho do pixel, abertura f/1.8, 83º de campo de visão e estabilização óptica de imagem com 4 eixos, e um sensor secundário Omnivision de 8MP com abertura f/2.2 e uma grande angular com 120º, que permite um campo de visão bastante mais alargado.


Um dos aspectos onde a Asus mais tem evoluído é no design e qualidade de acabamentos. Houve uma grande alteração no design do ZenFone 2 para o ZenFone 3, mas o mesmo já não passa com este ZenFone 4, onde a Asus optou por se limitar a refinar as linhas do anterior modelo. O corpo monobloco em alumínio apresenta um nível de acabamento exemplar e o vidro Corning Gorilla Glass 2.5D na frente e traseira, confere ao equipamento uma imagem a que o consumidor dificilmente passará indiferente.



A frente do equipamento é dominada pelas reduzidas margens laterais, câmara e auricular em cima, sensor de impressão digital em baixo. Na traseira, temos a dupla câmara e respctivo flash, mas é o logo da Asus que brilha quando a luz incide nesta zona, dando origem a efeitos bastante bonitos.


À direita, os botões de power e volume. Do lado esquerdo, apenas o slot para os cartões SIM e microSD. É um dual SIM 4G, que permite apenas um cartão ligado ao serviço 4G de cada vez.



Em cima, um microfone, em baixo outro, ambos com tecnologia ASUS Noise Reduction. Na zona inferior, encontramos ainda uma coluna e a saída de som 3,5mm. O som, apesar de estéreo, continua a não deslumbrar, pois a coluna que também é utiliza nas chamadas, não está ao mesmo nível da que se encontra na zona inferior do smartphone.


Em utilização



Falar de ZenFone, é falar de ZenUI, a interface que a Asus disponibiliza nos seus equipamentos Android. A ZenUI está agora numa quarta versão, bastante mais amadurecida, se bem que ainda longe do que se pode e deve exigir a uma interface no Android.

Em boa hora a Asus optou por deixar cair um conjunto de aplicações que não eram mais que clones daquilo que a Google disponibiliza no Android. O consumidor ficou a ganhar duplamente, primeiro com a drástica redução do bloatware, e depois com o facto de a marca não ter de alocar recursos a esta tarefa, podendo assim disponibilizar os mesmos para outros fins bem mais úteis.




A versão do Android é ainda a 7.1.1 Nougat, mas a Asus na apresentação deste ZenFone 4 assegurou a actualização de todos os modelos desta série e ainda da série ZenFone 3.

A Asus, como é seu apanágio, tem disponibilizado actualizações para corrigir algumas falhas, mas infelizmente não tem aproveitado esta oportunidade para actualizar o patch de segurança, que permanece com data de Agosto. Outro aspecto a melhorar é a informação relativa às actualizações. É admissível que o utilizador seja encaminhado para o Fórum Zentalk para consultar esta informação, mas obrigar a que seja este a decifrar qual o tópico que corresponde à actualização que está a instalar, não é simples e intuitivo, como se deseja nestas situações.




A galeria apresenta um conjunto alargado de funcionalidades, que por certo vão ser do agrado de quem utiliza o smartphone como máquina fotográfica. Além do modo normal para visualização, a Galeria disponibiliza ainda um modo de exploração, que embora não seja novidade, é sempre uma funcionalidade bastante interessante e útil.

Nesta secção, as imagens podem ser organizadas por pessoas (automaticamente), locais, favoritos e colecções. Esta última opção funciona com base em etiquetas atribuídas manualmente pelo utilizador, pelo que se pretenderem tirar partido da funcionalidade, terão de efectuar previamente a classificação das imagens. Seria bastante mais interessante se a catalogação das imagens fosse feita automaticamente como no caso das pessoas, com o smartphone a atribuir as etiquetas às imagens.






O Génio dos Jogos é outra das funcionalidades disponibilizadas pela ZenUi. Tal como o nome pode deixar antever, tem tanto de útil, como de "venda de banha da cobra". O supostos "amplificador de velocidade", não faz mais que limpar as aplicações a correr em segundo plano, já o modo directo e gravação é bem mais interessante, permitindo a gravar toda a acção que está a decorrer no ecrã. A possibilidade de emitir ao vivo o jogo (para Youtube e Twitch) é muito interessante, principalmente para quem pretende partilhar os seus conteúdos online com amigos ou fãs.




O gestor do telemóvel é o centro de operações da ZenUI, concentrando as operações mais importantes, como o controlo da bateria e o consumo dos dados. Nota muito positiva neste aspecto para a Asus, que permite assim ao utilizador definir quais as aplicações que podem consumir dados móveis e WiFi, evitando dessa forma surpresas desagradáveis na factura das comunicações.





O Launcher da ZenUI está cada vez mais simples em termos de design, ao mesmo tempo que vai recebendo novas funcionalidades. O feed da Google é uma das boas novidades, assim como os atalhos rápidos nos ícones. A ZenUI tem imensos temas disponíveis, pagos e grátis, com opções para todos os gostos, mas caso procurem algo próximo daquilo que a Google apresenta, vão ter alguns problemas, pois as soluções existentes são bastante limitadas. Se os ícones não forem um problema, então vão ter inúmeras propostas para configurar a ZenUI ao vosso gosto.




O Snapdragon 630 é o exemplo ideal dum compromisso entre o desempenho, autonomia e preço, constituindo-se como uma opção difícil de bater. Não é de estranhar por isso, o elevado número de marcas e respectivos smartphones, que apresentam este processador.

O ZenFone 4 é permite um desempenho despreocupado, sem lugar a atrasos ou bloqueios. Curiosamente, este conjunto acaba por apresentar um desempenho notoriamente superior ao que unidades com o Snapdragon 625/626 disponibilizam, mostrando-se bastante mais ágil e responsivo.


A câmara



A Asus apostou forte na questão da fotografia, tendo este sido um dos pontos em grande destaque na apresentação do smartphone. O próprio site da marca dá continuidade a esta aposta, apresentando as câmaras em primeiro plano.

A interface está dentro do que é habitual neste tipo de equipamento. À esquerda os botões para controlo do flahs, temporizador, modo retrato, formato da imagem, HDR e o acesso às definições. À direita, o atalho para as fotografias, alternar entre a câmara frontal e traseira, botão de disparo, gravação de vídeo e modo pro, o ideal para quem gosta de configurar todos os parâmetros da fotografia.


A dupla traseira é bastante versátil, mas há que ter em atenção que apenas podem utilizar uma câmara da cada vez. Para alternar entre câmaras, basta pressionar os ícones logo por cima do botão de disparo.



A grande angular alarga o campo de visão, pelo que poderá ser útil em situações em que a área a fotografar não se enquadre na câmara de 12MP, como será o caso dos monumentos. Os resultados sendo interessantes, pecam apresentar menor qualidade, pelo que será sempre uma questão de compromisso a ter em conta, na altura de fotografar.


Em zonas com boa iluminação, os 12MP do sensor Sony IMX362 são capaz de apresentar resultados de excelente qualidade. De noite, ou em zonas pouco iluminadas, a qualidade baixa bastante, com o ruído nas imagens a fazer-se notar.


Apreciação final



A Asus apostou bastante forte com este ZenFone 4, começando desde logo com uma apresentação europeia num mega evento em Roma. Este é um smartphone com um excelente design e qualidade de acabamentos, com o vidro na traseira a dar um toque de elevado requinte ao equipamento. Claro que uma capa é mais do que recomendada, para prevenir possíveis acidentes.

Estamos na presença de uma gama média, com um desempenho superior aos seus pares, o que só abona em favor deste ZenFone 4. As câmaras permitem resultados bastante interessantes, mas estão sempre dependentes do tipo de iluminação na altura da fotografia, algo que é perfeitamente aceitável no segmento em que este terminal se enquadra.

O ponto menos positivo deste smartphone é o seu preço, com os 499€ com que se apresentou na chegada ao mercado (449€ actualmente), a colocarem-no numa posição muito delicada face aos seus concorrentes neste segmento de preço. Pelo mesmo valor, é possível adquirir equipamentos com um desempenho superior e para o mesmo nível de hardware, estão disponíveis propostas bastante mais em conta. Por esta razão, o ZenFone 4 fica "limitado" a um prestigiante Quente, com o preço a penalizar a avaliação do conjunto.



Asus ZenFone 4
Quente


Prós

  • Desempenho superior à média do segmento
  • Qualidade de acabamentos
  • ZenUI com cada vez menos bloatware

Contras

  • Preço
  • ao que se junta o preço
  • e ainda o, preço


1 comentário:

  1. "se bem que ainda longe do que se pode e deve exigir a uma interface no Android."

    Para mim é o melhor launcher

    ResponderEliminar

[pub]