2009/02/02

Internet a 1Gbps na Coreia em 2012

Enquanto por cá nos vão prometendo Internet a 100Mbits (sem no entanto cumprirem) na Coreia vão - como habitualmente - um bocadinho mais adiantados, estando já a preparar a infraestrutura para poderem disponibilizar Internet a 1Gbps em 2012.

A 1Gbps, poderão fazer downloads a cerca de 128MBytes por segundo - o que, mesmo que baixe para valores reais na ordem dos 70%, é ainda assim... muuuuita fruta!

Ora... qual era então a desculpa para que os conteúdos em alta-definição tivessem que ser obrigatoriamente em suporte físico (leia-se: blu-ray)?

Para não falar que, para transmitir vídeo em qualidade blu-ray, basta-nos uma fracção da velocidade deste 1Gbps... 100Mbits serão já mais que suficientes.

Só para referência:
A 1Gbps, os 50GB de um disco bluray podem ser transferidos (assumindo uma velocidade de 100MB/s em vez dos 128MB teóricos) em menos de 9 minutos - tempo esse que nem seria necessário aguardar para começar a disfrutar imediatamente do filme que se quisesse ver ou do jogo que se quisesse jogar.

4 comentários:

  1. Anónimo3/2/09 10:58

    Vamos é ver se as velocidades dos aparelhos e discos acompanham a velocidade das ligações à net :oP

    É que os discos já começam a não acompanhar a partir da barreira do Gb/s ;o)

    Hugz,
    Luís

    ResponderEliminar
  2. Pormenores... nada que 2 ou 4 Intel SSD em Raid 0 não resolvam. :)

    E... quando lá chegarmos... para quê ter discos no PC? Com essas velocidades, podemos aceder a tudo via Internet sem necessidade de discos locais - o importante passará a ser a ligação constante à net.

    ResponderEliminar
  3. Anónimo3/2/09 11:14

    n sao so promenores...
    mm q tds os teus dados estejam na "Cloud" como e' q vais debitar dados de forma continua a essa velocidade, se os sistemas de storage remotos n tiverem performence pra acompanhar?

    ResponderEliminar
  4. Um sistema de storage remoto pode consistir em milhões de hard drives, replicados e optimizados para acesso na área geográfica em questão - um pouco como o que o Google faz.

    Para não falar nos protocolos P2P/P4P, que tornam possível transferir conteúdos "partilháveis" de forma eficiente entre muitos clientes.

    ResponderEliminar

[pub]