2012/06/19

Microsoft Apresenta o Surface Tablet


A Microsoft apresentou ontem os seus primeiros tablets: o Surface. Um tablet que mostra que a MS não está disposta a adiar mais a concretização de um tablet de alta qualidade que seja capaz de conquistar o público que deseje ter um Windows "portátil" que possa levar para todo o lado, e que surge em duas versões: uma com CPU ARM que correrará o Windows 8 RT; e outra com um CPU Intel que oferecerá a experiência "total" do Windows que todos conhecemos.




A nível de design, ambos os modelos são virtualmente idênticos, com ecrãs de 10.6", variando apenas na espessura de 9.3mm vs 13.5mm - e dão uso a uma caixa em magnésio com um tratamento especial de "VaporMg" que a MS diz ser imune a riscos e arranhadelas (depois dos touchscreens anti-riscos, já era tempo do resto do material acompanhar.)

Emboras as especificações exactas não sejam conhecidas, a versão ARM contará com um chip da Nvidia (um Tegra 3 ou seu derivado?) e um ecrã HD (720), sendo que a versão Intel contará com um Intel Ivy Bridge, ecrã FullHD, USB 3.0, etc. Em ambos, poderemos contar com excelente desempenho WiFi graças a antenas duplas MIMO - aparentemente uma estreia neste segmento.

Mas este tablet Windows Surface vem também acompanhado de algumas características curiosas, como é o caso do seu "kickstand" integrado, e que com um simples toque lhe permite ser pousado numa mesa ficando num ângulo de 22º (nesta posição, a câmara traseira fica orientada na horizontal, para poder captar imagens convenientemente.) Este suporte integrado teve direito a exposição demorada durante a apresentação, com os responsáveis pela sua concepção e materialização a dizer que tiveram cuidado extra para que este sistema tive o "feeling" do bater das portas de automóvel de luxo.


Igualmente interessante, as "smart covers" deste Surface Tablet, que não só são magnéticas como também integram uma extra original e bastante prático: um teclado! Ou melhor dizendo... dois.

Há duas variantes. A capa mais fina - a Touch Cover -  com apenas 3mm de espessura, integra um teclado multitouch e trackpad, teclado esse que é capaz de medir a pressão sobre a sua superfície e assim distinguir o pressionar das teclas do simples apoiar das mãos. Para quem não abdicar de teclas físicas, existe uma versão ligeiramente mais grossa - a Type Cover - com teclas móveis ao estilo tradicional.

Os teclado integram também sensores (falaram de giroscópios, mas penso que seria mais lógico serem simples sensores magnéticos) que detectam quando o teclado está "virado para trás" do tablet, para que fiquem desactivados automaticamente.


Nem tudo correu bem na apresentação. O evento começou com quase 40 minutos de atraso, e a meio da apresentação um dos tablets Surface decidiu não cooperar obrigando a uma imediata substituição por um tablet "backup". Para além disso, os dois factores mais decisivos e que importaria saber ficaram também ausentes: quando é que estes Surface chegam ao mercado; e a que preço?

Perguntas que por agora permanecem vagas, com a MS a dizer que o Surface ARM chegará por altura do lançamento do Windows 8, e o outro alguns meses depois. Quando aos preços, que serão "concorrenciais" com o preço dos tablets Android equivalentes, e ao dos ultrabooks no caso da variante Intel.


Sim... é inegável que o sucesso destes Tablets Surface irá depender bastante do seu preço, que permanece uma incógnita. Mas, ainda assim penso que terá sido um ponto de viragem para a Microsoft, que assim demonstra estar disposta a tornar-se numa companhia igualmente capaz de oferecer os equipamentos que acompanhem com a qualidade em hardware a dos seus produtos em software.

Mesmo que esta primeira geração de "Surfaces" chegue ao mercado com preços demasiado caros, poderá acontecer aquilo que aconteceu com o primeiro MacBook Air da Apple: caro, com "sucesso" duvidoso, mas que marcou a orientação para o futuro e o que estava para vir (veja-se toda a linha de portáteis Apple actual, e onde foram buscar a sua inspiração). Da mesma forma, penso que estes Surface mostram claramente qual o futuro dos computadores Windows. Daqui por uns anos será "natural" pensar num computador que no fundo é um tablet, e ao qual facilmente se encaixa magneticamente um teclado, e que pode ser ligado a um monitor externo se necessário (aí talvez a MS pudesse ter ido mais longe, implementando desde já um sistema wireless de transmissão de vídeo.)


Para mim, um destes Surface com Intel seria a máquina ideal para as minhas necessidades actuais. Com um iPad, estou limitado às apps existentes - que por muita qualidade que tenham, ainda não permitem substituir inteiramente um "desktop". Com um tablet Android, o mesmo se aplica. Com um Surface Windows 8 Pro, temos um tablet que é ao mesmo tempo um PC completo, capaz de correr tudo e mais alguma coisa - de um Autocad a um Photoshop, a um Chrome "completo" -  num formato compacto, facilmente transportável, e também facilmente "transformável" em portátil sempre que seja necessário. Enfim... parece ser a a concretização efectiva do "tudo-em-um" que há muito se deseja, mas cujas tentativas de implementação até à data sempre têm deixado algo a desejar.


Microsoft Surface... uns tablets cujo percurso se deverá seguir atentamente.


14 comentários:

  1. Fantastica maquina! Tem tudo para resultar! O meu ipad ja esta com medo lol

    Duas questoes:
    Qualquer programa do windows tradicional corre nestes tablets?
    Quem constroi estes surface? Samsung? Acer?

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No Surface Intel, sim... será um PC "normal" com Windows 8 total; no outro será o Windows RT (para ARM) e à partida apenas correrá as novas Apps Metro.

      Quanto ao fabricante... não se sabe, mas o mais certo é vir de um "assemblador" tipo a Foxconn, Asustek, Compal (não a nossa das frutas! :) ou outro... como os que as maiorias das marcas recorrem.

      Eliminar
    2. Já faltou mais, mas estamos quase lá. Só mais um aninho e inventamos o portátil :)

      Eliminar
  2. To late.

    Vai ser um novo fail como foi o Zune.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nao acredito... no Zune nem eles acreditavam, o conceito era absurdamente parecido com o que ja se fazia e o marketing daquilo era péssimo, para alem de que nem eles sabiam bem como definir aquilo... aqui é outro nivel, juntas o melhor do design e utilizacao de tablet com o everyday que é um pc... o meu ipad já treme ;)

      Eliminar
    2. Sem falar que nunca vi um Zune à venda do lado de cá do Atlântico!

      Eliminar
  3. (Pedro, só vou buscar as frases porque me parece que a Microsoft criou a confusão de propósito)

    "Fantastica maquina! Tem tudo para resultar! O meu ipad ja esta com medo"

    "Qualquer programa do windows tradicional corre nestes tablets ?"

    Só um deles, o tablet com Windows RT, concorre com o iPad e os tablets Android. Não vai correr as aplicaçõs tradicionais para Windows. Vai correr app para tablets como as do Windows Phone. É provável que saia também um "Office Mobile" que provavelmente não será só para a plataforma Windows 8 RT.

    O outro é um PC com ecrã touch que corre as aplicações habituais para Windows.

    Um interface gráfico comum - Metro - não altera o facto de um ser um tablet e outro um PC. Agora, não deixo de estar curioso em conhecer os dois ... e os preços, que devem ser bem diferentes.

    Cumps.

    ResponderEliminar
  4. Para além de preços gostaria sobretudo saber de autonomia, que ainda não vi em lado nenhum. Mas parece-me que estamos perante um novo paradigma no mundo dos tablets.

    ResponderEliminar
  5. Eu sou um Apple Fan Boy (tenho de admitir), mas dou os parabéns à Microsoft por finalmente nos por um verdadeiro computador/tablet, estava à espera disto à anos

    Esqueçam o Ipad, isto é muito melhor (falando da versão Pro, porque a a normal é só um Ipad da Microsoft).

    Estou ansioso pelo futuro, pq qualquer dia deixamos de utilizar o rato, se é que me percebem...

    ResponderEliminar
  6. Não se esqueçam, em 2002 a Microsoft apresentou o chamado "Tablet PC" que foi o primeiro tablet de sempre... Ninguém viu nada nisso (talvez tenha sido apresentado demasiado cedo para as tecnologias disponíveis na altura)
    Em 2010 a Apple apresenta o iPad e tudo ficou parvo!

    Isto como muita gente não sabe, não se trata de uma "cópia" por parte da Microsoft da Apple

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que possibilitou que o iPad fosse um sucesso foram dois aspectos: 1) força da marca, que tinha lançado o iPhone e o iPod e estava com muito hype, e 2) a abertura do mercado das aplicações a todos. Agora a MS aprendeu a lição e está a tentar não perder mais caminho... por vezes quando as empresas sao grandes de mais demoram muito tempo a reagir

      Eliminar
  7. "Yesterday morning there was a rumor that Steve Ballmer was going to steal Apple’s thunder by announcing Microsoft’s very own tablet PC during his CES keynote.

    Ballmer didn’t just unveil one tablet, but three of them from competing vendors calling them Slate PCs. He focused on the HP Slate PC calling it, “a beautiful little product”,

    Encontram textos destes em janeiro de 2010 com títulos como "Steve Ballmer shows off Windows 7 tablet PCs at CES".

    O que é que vocês querem ... lembro-me disso como se fosse hoje. Subitamente a Microsoft descobriu um slate que reúne as características de um PC e de um tablet ? Não me refiro a não ter teclas, mas sim à agilidade e versatilidade de um tablet como o iPad. Desculpem lá mas só vendo é que acredito.

    ResponderEliminar
  8. O problema que vejo nos Surfaces é que o RT não é nada mais que um iPad da Microsoft (como um colega já disse acima), a correr um SO que nem é o Windows Phone nem o Windows 8, portanto precisará de apps e um Market Place adaptados. O pior custará o mesmo que os competidores que estão há muito no mercado.
    Já o Surface Pro é um PC touch sem teclado, que poderá ser uma boa alternativa aos ultrabooks, o que não deve ter agradado aos parceiros da Microsoft, que apostam fortemente neste segmento na trilha do sucesso do MacBook Air. O preço aqui não será concorrencial com o iPad, pois deverá custar pelo menos € 300 mais caro que o iPad mais potente.
    De qualquer forma o Surface Pro pode criar um sub-segmento, desta vez entre os portáteis e os tablets. Se o iPad e o Samsung Galaxy Note já o conseguiram criar nichos de mercado por que o tablet de Ballmer não conseguirá? :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo perfeitamente, falo por experiencia própria, existe muita gente à espera de um tablet que substitua um pc portátil para as tarefas de dia-a-dia

      Eliminar

[pub]