2022/05/21

Kit de reparação self-service da Apple é feito para assustar

A Apple começou a disponibilizar um kit para reparações self-service de iPhones, mas na verdade serve apenas para desincentivar as reparações feitas pelos clientes.

Se pensavam que a Apple parecer ter uma abertura para facilitar as reparações self-service, nas quais se incluem as coisas tão simples e indispensáveis quanto trocar uma bateria, era demasiado bom para ser verdade, tinham razão.

É de louvar que a Apple se lembre da necessidade dos clientes poderem tratar de operações comuns de fazer nos iPhones (e smartphones em geral), como trocar uma bateria ou ecrã. No entanto, o seu programa para reparações self-service acaba por ser apenas mera propaganda, com o principal propósito de fazer com que as pessoas continuem a recorrer aos serviços de assistência técnica oficial. E este relato explica porquê.

Quem optar por este sistema para trocar uma bateria de um iPhone será surpreendido por receber, não um pequeno envelope com um conjunto de ferramentas e a bateria, mas sim duas malas gigantecas que ocuparão toda uma mesa de trabalho.
Além do mais, até mesmo a utilização das máquinas enviadas pela Apple poderá fazer surgir mensagens de erro que não são referidas em qualquer um dos manuais, tem simplificam de forma significativa os métodos de abertura "artesanal" que os utilizadores já iriam fazer se optassem por uma reparação não oficial.

Mas a principal questão é que nada disto faz qualquer sentido - bastando olhar para os preços. Usando este programa self-service, os interessados têm que pagar:
  • $49 pelo aluguer das ferramentas por uma semana
  • $1200 de crédito cativado pelas ferramentas, no caso de não serem devolvidas no prazo de 7 dias
  • $69 pela bateria
Sendo que a parte importante é que os $69 cobrados pela bateria é precisamente o mesmo valor que a Apple cobra pela substituição da bateria na assistência oficial da marca, sem que o cliente tenha qualquer trabalho adicional.

E para cúmulo, mesmo quem fizesse todo o trabalho de trocar a bateria usando o sistema self-service, chegaria ao fim e continuaria a deparar-se com o aviso de que o seu iPhone está a utilizar uma bateria não oficial(!) - obrigando a ligar o iPhone a um computador, em modo de diagnóstico, e a dar acesso remoto à Apple para que "autentique" a nova bateria.

Em suma, o direito à reparação em versão Apple traduz-se, na prática, pelo direito a fazer tudo o que é possível para desmotivar os consumidores de usufruirem desse direito.

7 comentários:

[pub]