2016/09/23

Fabricantes de TVs acusados de enganar testes de eficiência energética


Depois do escândalo das emissões poluentes da VW é agora vez de também os fabricantes de televisores serem acusados de manipularem os testes de forma a obterem consumos de energia mais reduzidos nos seus produtos, que depois não se reflectem em utilização real.

Muitas pessoas poderão não ligar ao consumo dos seus televisores, mas esse é um aspecto que não deve ser descurado. Os televisores LCD e OLED são muito mais eficientes que os antigos plasma e CRTs, mas ainda assim há necessidade de ser o mais poupado possível para obter as desejadas classificações de "produto eficiente" - só que há um grupo ambiental norte-americano que vem acusar os fabricantes de estarem a manipular esses testes, e que o consumo real dos seus televisores acaba por ser o dobro do que é anunciado aos consumidores.

Segundo o grupo, televisores de marcas como a Samsung, LG, e Vizio recorrem a sistemas de ajuste automático da luminosidade que tiram partido do facto do vídeo usado para os testes de consumo energético consistir na apresentação de 260 cenas de curta duração em sequência. Nestas circunstâncias o televisor mantém uma luminosidade mais reduzida do que teria caso se estivesse a ver cenas mais longas, como acontece na maioria dos conteúdos televisivos.

As marcas defendem-se dizendo que não estão a fazer nada de errado, pois esses modos vêm activados de fábrica e permitem poupar energia em diversas condições; e que os utilizadores podem sempre desactivá-los se assim o entenderem. Mas, sem dúvida que é pertinente perguntar se este sistema de poupança não terá sido "afinado" especificamente para o teste em questão.


... O que é certo, é que tal como acontece com os consumos médios dos automóveis, já chegamos a um ponto em que se considera perfeitamente normal que os produtos consumam mais que o anunciado, o que destrói por completo o propósito de ter a indicação do consumo (para os consumidores que se preocupam com esses detalhes.)

2 comentários:

  1. Os testes deveriam ser sempre com o brilho no maximo e performance, dado que é a única forma justa de comparar, e também como a maior parte das pessoas usam, os sistemas de detecção de luz são muito maus ainda nas tvs

    ResponderEliminar
  2. Para título de exemplo tenho uma TV LED Sangung já com alguns anos em que no brilho máximo consome perto dos 250W, no entanto no brilho mínimo esse valor cai para os 120W, o que resulta numa poupança anual de 190kWh, ou seja 38€/ano (considerando que a TV é ligada uma média de 4 horas/dia). Este valor em electricidade dá bem para pagar 1 mês do serviço de TV&Internet!
    Agora não tenho possibilidades mas quando chegar a oportunidade arranjo uma TV que não consuma mais do que 60-80W no brilho máximo.
    Recomendo terem à mão um medidor de consumo/potência para medirem os consumos dos vossos electrodomésticos.

    ResponderEliminar

[pub]