2016/12/02

A (in)sustentabilidade da Uber?


A Uber tem conseguido criar uma imagem de serviço de alta-qualidade (que qualquer utilizador poderá comprovar), mas nos bastidores são muitas as preocupações sobre a sua sustentabilidade a longo prazo.

O facto de sermos fãs da Uber não nos tem impedido de referir, já por várias vezes, de que se trata de uma empresa que tem por missão fazer dinheiro, e que já tem demonstrado isso em várias cidades. A táctica passa por entrar no mercado com preços reduzidos com o objectivo de eliminar a concorrência, e depois subir os preços e reduzir o valor pago aos motoristas (ter em conta que por cá isto não se faz sentir de forma tão proeminente porque, ao contrário do que acontece noutros países, não temos a componente de "qualquer pessoa" poder ser motorista Uber a qualquer momento).

É isso que ajuda a explicar o motivo pelo qual a Uber, neste momento, estar a gastar milhares de milhões de dólares por ano... coisa que, obviamente, não será sustentável indefinidamente. E é precisamente a sustentabilidade do modelo de negócio da Uber que está em causa.

A Uber tem tido sucesso por prestar um serviço de luxo a um preço atractivo; mas se esse preço só pode ser mantido a dar prejuízo para a empresa, não poderá durar. Por outro lado, se os preços aumentassem significativamente para dar lucro, muitos clientes actuais voltariam a recorrer a outros serviços de transporte... e então a Uber deixaria de ter clientes.

As contas poderão fazer sentido se assumirmos que num futuro não muito distante o serviço poderá dispensar completamente os condutores humanos e recorrer apenas a automóveis autónomos. Mas, isso é algo que ainda estará a muitos anos de distância para ter impacto significativo (mais que uns poucos programas piloto nalgumas cidades) - sendo também necessário relembrar que a Uber não será a única a ter essa ideia: até a Tesla já dá a entender que os seus automóveis poderão ir ganhar dinheiro sozinhos depois de deixarem o dono em casa ou no trabalho...

Acima de tudo, e independentemente do nome que se quiser utilizar, para que haja uma revolução nos transportes será necessário que a mesma seja economicamente sustentável; e isso significa que o custo do serviço terá que ser barato... mas que chegue para manter o serviço em funcionamento e dar lucro. E neste momento, a Uber está longe de estar nessa posição.

1 comentário:

  1. Há não ser que! Os motoristas coloquem o nome uber em seus carros e começam pegar os passageiros na rua aí a deus 25% kkkk

    ResponderEliminar

[pub]