2016/12/10

Cientista ucrâniano diz ter criado bateria que dura 12 anos


Avanços revolucionários nas baterias é aquilo que mais gostaríamos de ver concretizado, e agora temos um cientista ucrâniano que diz tê-lo conseguido, com uma nova bateria de trítio capaz de gerar energia durante 12 anos.

A ideia parece ser um pouco idêntica à das baterias radioactivas que duram milénios, sendo que aqui se usa o trítio, material radioactivo mas de risco reduzido para os humanos (é o material usado nos relógios para fazer as marcas e ponteiros que brilham no escuro) como fonte de energia.

O conceito não é novo, e já existem empresas que usam o trítio - que emite fotões - rodeado por células solares que os convertem em electricidade. Só que estas baterias geram uma quantidade de energia muito reduzida, sendo por isso destinadas a produtos bastante específicos, como pacemakers e sensores que tenham consumos reduzidos e necessitem de uma autonomia ultra longa.

A diferença é Vladislav Kiselev, professor na Academia Nacional de Ciências da Ucrânia e investigador sénior num Instituto de Kiev, diz ter conseguido aumentar a eficiência deste sistema cerca de 1000 vezes, o que potencia a utilização destas baterias para alimentar smartphones, portáteis, e até automóveis eléctricos - e que só necessitariam ser trocadas após mais de uma década.


Como sempre, dita a razão que será melhor ter uma dose saudável de cepticismo* sempre que se ouvem promessas de avanços revolucionários. Mas simultaneamente, bem que esperamos que a invenção deste senhor seja tudo aquilo que ele diz que é, e que rapidamente chegue ao mercado... Mal posso imaginar o que será poder andar com um smartphone que poderia passar anos sem nos preocuparmos com o nível da bateria!


* - Será particularmente suspeito que para um cientista da área, não seja feita qualquer referência às voltagens e potência que a sua bateria poderá produzir...

4 comentários:

  1. Essas baterias já são conhecidas há muitos anos. Pena é que continuemos com o problema dos custos. Porque acsegurança está assegurada. Aguardemos.

    ResponderEliminar
  2. Essas baterias já são conhecidas há muitos anos. Pena é que continuemos com o problema dos custos. Porque acsegurança está assegurada. Aguardemos.

    ResponderEliminar
  3. As baterias são duráveis mais tem de carregar como as outras voce não tem que substituir por desgaste

    ResponderEliminar
  4. O cientista deve-se ter inspirado na sua própria vida , a bateria dele dura , duraaa e duraaa , pela idade né

    ResponderEliminar

[pub]