2017/04/18

Análise ao portátil HP OMEN

A HP tem apostado em força no segmento de gaming, e hoje o nosso Luis Costa fala-nos de um dos seus portáteis OMEN.


O mercado do gaming é nesta altura um dos sectores que vai escapando à estagnação dos "PCs", movimentando milhões por esse mundo fora. Não é por isso de estranhar que também as grande marcas apostem este segmento, procurando garantir uma fatia deste negócio milionário. A HP, um dos gigantes mundiais, regressou recentemente ao mercado do gaming tendo para isso recuperado a marca OMEN, que actualmente se estende a desktops, portáteis e respectivos acessórios.


Os HP Omen



No que diz respeito aos portáteis, a HP optou por colocar no mercado versões com duas dimensões de ecrã, 15.6" e 17.3" com resolução FHD (1920x1080) ou UHD 4K (3840x2160), equipados com processadores Intel Core i3/i5/i7 de 6ª geração, memória entre os 4GB e os 16GB DDR4 e gráfica GeForce GTX 950M/960M/965M com até 4GB de memória dedicada.

O armazenamento tem diversas opções, com discos rígidos de 5400/7200rpm, SSD M2, discos rígidos híbridos ou armazenamento duplo, com um disco e um SSD. Fica assim garantida uma elevada flexibilidade, podendo o utilizador escolher a que melhor servir o seu tipo de utilização. A bateria de iões de lítio de 3 células tem uma capacidade de 61.5 Wh e suporta carregamento rápido, conseguindo atingir os 90% em 90 minutos. Em termos de autonomia, nos testes de desempenho Windows 10 / MobileMark 2014 consegue até 11 horas autonomia.

A versão por nós testada tinha um processador Intel Core i7-6700HQ, gráfica GeForce GTX 965M com 4GB, disco SATA com 1TB 7200 rpm e SSD M.2 com 128GB, 16GB de RAM e ecrã de 15,6" com resolução Full HD. As colunas Bang & Olufsen têm um desempenho interessante para jogar, mas o melhor mesmo será utilizarem uns headphones.


Em termos de conectividade, este portátil tem duas portas USB 3.0, uma USB 2.0, porta ethernet RJ45, HDMI, jack de 3,5mm, Wi-Fi Intel 802.11ac e Bluetooth 4.2.

Em funcionamento



Esta é uma máquina pensada para jogar, pelo que só poderia ser testada com um jogo que estivesse à altura da exigência deste hardware. Para isso, resolvi recorre ao mais recente dos Call of Duty, um dos meus jogo de eleição.


Estas foram as definições utilizadas durante o teste com o Call of Duty: Infinite Warfare. Para registar o desempenho no jogo, utilizei o velhinho mas sempre útil FRAPS.


A média nos dois registos ficou próximo das 60 frames por segundo, com o mínimo sempre acima das 30fps, valores que não batem recordes, mas são suficientes para jogar sem sobressaltos.


No 3DMARK, teste Time Spy, este HP obteve 1870 pontos, valor que fica distante do obtido por um desktop.


O SSD de 128GB demonstrou ter uma boa velocidade de leitura, mas em escrita está longe de ser uma opção interessante, razão pelo que a nossa sugestão passa pela escolha de um SSD M.2.


Não poderia deixar de referir o teclado retro-iluminado, onde o tom vermelho rapidamente conquista a nossa atenção. É inegável que cria logo um ambiente propício para umas boas jogatanas.


Apreciação final



Escolher um portátil para jogar obriga naturalmente a algumas concessões, logo a começar no desempenho, que (quase) nunca poderá ser semelhante ao que se poderá obter com um desktop. Este HP Omen não é excepção, pelo que não é de admirar o nível de desempenho que apresenta. É um equipamento que permite jogar os jogos mais exigentes, mas obriga a algumas concessões no domínio gráfico, por forma a que a jogabilidade não seja afectada. No caso do Call of Duty: Infinite Warfare, um título recente, não tive grandes problemas ao jogar, havendo apenas alguma "lentidão" numa ou outra zona com maior exigência em termos gráficos.

Se tivermos em conta que se trata de um portátil, e que por isso mesmo permite jogar onde bem entendermos, as limitações acima referidas acabam por ser facilmente compensadas, devendo no entanto o utilizador fazer-se acompanhar do carregador, pois a jogar este tipo de jogos mais intensivos, a bateria não vai dar para mais que 3 horas de autonomia. Uma palavra ainda para o peso, que surpreendeu pela positiva.

A nossa sugestão passa por adquirirem um modelo com armazenamento duplo (SSD M.2 e disco rígido) e a gráfica mais recente. Estas opções irão pesar na carteira (a versão testada custa 999€, mínimo) mas verão isso reflectir-se directamente no desempenho do equipamento de toda e cada vez que o utilizarem.

Este HP Omen é um portátil interessante para quem procura uma máquina que permita jogar em mobilidade. Consegue um desempenho sem muitos compromissos, sendo por isso merecedor de um prestigiado "Quente"


HP Omen
Quente

Prós

  • Mobilidade
  • Design
  • Peso

Contras

  • Preço/desempenho
  • Autonomia
  • Não permite puxar pelas definições gráficas


Por: Luis Costa

2 comentários:

  1. Isto para PP vídeo é bastante jeitoso, ou é melhor ir ao outro lado da rua?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É certo que temos um gpu dedicado, processador (até) i7, SSD, mas nunca será a mesma coisa que um desktop. Faz, mas mais devagar. Se este devagar for suficientemente rápido para o utilizador...

      Eliminar

[pub]