2013/09/29

A-10 Thunderbolt "Warthog" vai deixar de voar


Para os fãs dos aviões militares há muitos aviões que ficam gravados na memórias. Temos os clássicos caças da Segunda Guerra Mundial, temos os primeiros caças a jato, temos os icónicos F14/F15/F16 (e não vou falar dos Tornado, ou dos imponentes "monstros" soviéticos do auge da Guerra Fria). Mas lá pelo meio penso que há um que poderemos considera o "patinho feio" da família... mas que nem por isso deixava de ser apreciado por muitos: o A-10 Thunderbolt II, mais conhecido por "Warthog", um avião cuja função principal era "mastigar" tanques de guerra ou qualquer outra coisa que lhe aparecesse pela frente.

Pensar nele como um mero avião será um engano. Na verdade este A-10 é um potente canhão rotativo ao qual foram adicionadas asas e blindagem suficiente para fazer desesperar todos os que o tentasse abater.

[GAU-8 Avenger - o canhão montado no A-10]

O seu canhão é o maior alguma vez montado num avião de combate, pesando quase duas toneladas e com mais de 5m de comprimento, e capaz de disparar a mais de 4000 balas/segundo. Os seus projécteis de 30mm são tão potentes que destroem por completo qualquer veículo supostamente blindado, e têm a particularidade de nem sequer serem ouvidos pelo inimigo até que seja tarde demais - já que viajam a velocidade superior à do som.

Como este avião se tornava no alvo preferido das defesas anti-aéreas, também foi dada enorme importância à blindagem (mais de 500Kg em redor do cockpit e controlos críticos) e sistemas redundantes (triplos), permitindo-lhe continuar a voar mesmo depois de ser violentamente atacado e danificado. O A-10 foi concebido para conseguir voar apenas com um dos seus dois motores, metade da cauda, e sem metade de uma das asas.

Embora preferisse que vivêssemos num mundo onde o dinheiro investido no desenvolvimento e fabrico destas máquinas fosse aplicado para fins mais produtivos e pacíficos, não consigo deixar de ficar fascinado com estas autênticas maravilhas aéreas. Agora o A-10 parece estar prestes a deixar de cruzar os ares, cedendo a lugar a aviões mais modernos... mas também muito menos apaixonantes que este "tank-buster".

1 comentário:

  1. um dos melhores equipamentos de close air support. Fala-se que poderá vir a ser adquirido pela US Navy. Ao que parece o poço F-35 já fez a sua primeira vitima

    ResponderEliminar

[pub]