2013/10/07

Afinal o Kinect "espia" ou não os utilizadores?


Ainda hoje espreitamos como funcionava o novo Kinect da Xbox One, e eis que novamente são postas em causa as questões da privacidade que ultimamente têm estado no topo das preocupações. Se hoje em dia não podemos assumir que os emails que enviamos não são interceptados sabe-se lá por quem; e há cada vez mais casos de pessoas que têm os seus computadores infectados com malware que permitem aos atacantes ver o que se passa usando as webcams... nem todos estarão descansados ao ter uma câmara HD como a do Kinect apontada na sua direcção (que ainda por cima é capaz de ver no escuro... e em 3D).

Depois de inicialmente ter anunciado as vantagens de um Kinect sempre à escuta e pronto a reagir a todos os nossos comandos, a Microsoft rapidamente se apressou a dizer que essa funcionalidade poderia ser desligada e que nenhuns dados de som ou imagem eram enviados para fora da consola.

Mas se por um lado há quem diga que o Kinect não está a ser utilizado para anúncios e publicidade, por outro lado há quem diga que a Microsoft planeia usar o Kinect para fazer exactamente o tipo de coisa que muitos receavam. Que vos parece uma Xbox e um Kinect que avalia as vossas reacções a tudo o que vêem no ecrã? (Não esquecer que com a nova Xbox One, a ideia é fazer passar "a televisão" pela Xbox, para que possa ser controlada via Xbox.)

Com as novas capacidades do Kinect, a MS poderá analisar a reacção a filmes, séries e publicidade, e ficar com aquele tipo de informação que por agora se tem limitado aos "cookies" e "tracking" do que fazemos pela internet, e que não era facilmente feita na realidade. Que tal poder dizer aos anunciantes que o seu anúncio mantém as pessoas de olhos no ecrã; ou que pelo contrário, faz as pessoas desviarem o olhar passados poucos segundos? Ou que tal um filme de terror que faz literalmente as pessoas encolherem-se no sofá e darem um salto nas cenas mais aterradora?

Poderá parecer ficção, mas é algo tecnicamente possível de se fazer, e que - mais assustador - há quem diga que é mesmo isso que a MS se prepara para fazer.

A mim, parece-me o tipo de coisa que a MS não se arriscaria a fazer sem informar os seus utilizadores, sob pena de levar com um processo em cima e levar uma enorme machadada na sua reputação, fazendo com que potencialmente a Xbox One passasse para a lista de consolas a evitar para o resto da via. Por outro lado, é o tipo de coisa que poderá estar escondida em linguagem pouco clara, escondida no parágrafo 9278 entre 748 páginas de termos de serviços e condições que temos que aceitar para a usar.

A ver vamos... mas por via das dúvidas, resta sempre a possibilidade de desligarem o Kinect da Xbox One quando não o estão a usar (ou de o virarem para a parede!)

1 comentário:

  1. "que ainda por cima é capaz de vez no escuro... e em 3D)."

    acho que querias dizer ver

    ResponderEliminar

[pub]