2015/09/29

Google anuncia o Pixel C com Android


Terá sido talvez a surpresa do dia do evento do Google, que nos deu a conhecer os novos Nexus 5X e 6P e os novos Chromecast: um novo tablet de 10.2" que vem substituir o velhinho Nexus 10, mas que agora fica posicionado na gama Pixel - o Pixel C.

O Pixel C é um tablet de 10.2" (com resolução de 2560x1800 - afinal, é um "pixel"!) e que conta com um dos mais potentes SoC mobile do momento, um X1 quad-core da Nvidia com GPU Maxwell e acompanhado por 3GB de RAM LPDDR4. Este Pixel tem qualidade de construção elevada, e acaba por ser a resposta do Google a produtos como o Surface e o iPad Pro, pois o "C" deste modelo refere-se a "Convertível". Ao contrário dos Pixels anteriores, aqui temos Android em vez de ChromeOS, mas não será difícil pensarem que estão perante um portátil tradicional se o colocarem na sua dock com teclado.

O encaixe com o teclado é magnético, mas a comunicação é feita usando Bluetooth. Há também alguns pormenores curiosos, como o facto do tablet recarregar o teclado por indução magnética. Falando de pormenores curiosos, este Pixel C mantém a barra de leds coloridos estreada nos Pixels.


Ao contrário dos Chromecasts, já disponíveis na Play Store em Portugal, e dos novos Nexus (que deverão chegar em breve), este Pixel C ainda não tem nada definida para ficar disponível. No entanto, o seu preço, que até seria interessante ($499/$599) deve sofrer precisamente do mesmo mal da conversão que está a ser feita para os Nexus, fazendo que por cá este tablet deva ter um preço base de 649 euros, a que se somam os $149 adicionais pelo teclado.

... Será a altura ideal para recorrerem aos muitos amigos e conhecidos que saíram de Portugal, para que vos tragam umas encomendas quando vierem visitar a terra Natal. ;P

3 comentários:

  1. Aparentemente apenas tem uma porta USB-C... É pena.

    ResponderEliminar
  2. Me lembra o Surface da Microsoft

    ResponderEliminar
  3. Este tablet é lindo e parece mesmo muito bom.
    Mas a Google tem que melhor muito a forma como o Android trabalha em modo tablet. Permitir multitasking em janela por exemplo.
    E também não ficava nada mal melhorar ainda mais os Google Docs (suportar .odf nativamente por exemplo).

    Claro que também convinha aos Chromebooks terem acesso á Play Store mas enfim.

    ResponderEliminar

[pub]