2018/07/23

Qualcomm miniaturiza 5G para caber nos smartphones


A partir do próximo ano começaremos a ver as primeiras gerações de smartphones 5G, e a Qualcomm já tem um novo chip que permite levar mais 5G aos dispositivos móveis.

À semelhança do que acontece com o WiFi (que se expandiu dos 2.4GHz para os 5GHz), também o 5G consiste em tecnologias que operam em diferentes frequências. A Qualcomm já tinha o seu chip X50 5G para permitir comunicações 5G nos smartphones, mas este novo módulo permite adicionar-lhes a capacidade de utilizarem também as frequências "millimeter wave" e as sub-6GHz.

As frequências "millimeter wave" prometem velocidades teóricas de 5Gbps - que em utilização real se deverão situar perto dos 1.4Gbps - enquanto que as sub-6GHz deverão possibilitar velocidades de 400 a 500Mbps. Empresas como a Qualcomm e os operadores de telecomunicações depositam grandes esperanças nas frequências "millimeter wave", situadas nos 24GHz, graças ao seu potencial para permitir velocidades ultra-elevadas mesmo em zonas bastante congestionadas. Por outro lado, as comunicações nestas frequências obrigam a que exista uma linha praticamente desobstruída entre o emissor e o smartphone, pelo que não será apropriada para todas as situações (poderá ser uma boa alternativa à utilização de fibra para levar internet de alta-velocidade às casas em zonas onde não haja infraestrutura no terreno - e eventualmente poderemos começar a ver routers WiFi com estes chips, que permitam tirar partido destas velocidades dentro de casa).


O problema é que a utilização destas frequências era considerada impraticável para ser utilizada em dispositivos de tamanho tão reduzido quanto smartphones, onde a simples colocação da mão poderia cobrir a antena e impedir a recepção destes sinais. Mas este novo módulo da Qualcomm de tamanho reduzido permite que possam ser instalados vários num smartphone, permitindo que o smartphone possa receber sempre sinal de um dos módulos mesmo que os outros estejam a ser tapados pela mão ou outros obstáculos. Com sorte, não teremos que passar por outros episódios do "you're holding it wrong".

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]