2018/08/31

O lado "negro" da iluminação LED


As muitas vantagens da iluminação LED podem ser bem-vindas, mas há que estar também consciente dos efeitos secundários adversos que a sua utilização pode ter.

Um professor e astrofísico português, Raul Cerveira Lima, quer alertar as pessoas para as consequências indesejadas e exageros que têm sido cometidos a propósito da transição para a iluminação LED. Desde os efeitos nocivos da luz branca na saúde de pessoas, animais e plantas; ao excesso de iluminação (sem qualquer controlo) nas nossas vilas e cidades, que contribui para uma intensa poluição luminosa no nosso país.

As antigas lâmpadas incandescentes que se usava em casa eram bastante mais gastadoras, mas emitiam uma luz amarelada que não afectava os nossos ciclos de dormir. Quando se muda para uma lâmpada LED "branca", o efeito é bem diferente (sendo que ainda por cima poderíamos dizer que é complementado pelo facto de muitas pessoas utilizarem o smartphone e tablet mesmo antes de irem dormir - especialmente se não derem uso aos modos de iluminação nocturna, caso estejam disponíveis).

Não é propriamente novidade; há cerca de um ano já se falava precisamente desta questão, sendo que o mais preocupante é descobrir que desde então nada tem sido feito para lidar com este assunto. De frisar que o verdadeiro problema não é a iluminação LED em si, mas sim o mau uso - ou uso abusivo - que se tem feito dela.

Felizmente, no que diz respeito à iluminação que podemos controlar, em nossa casa, o número de lâmpadas ditas "inteligentes" que permitem ajustar a temperatura da cor branca (ou até mudar a cor) tem aumentado, e com isso chega também a facilidade de compensar os referidos efeitos. Já no que diz respeito à iluminação pública no exterior... isso é algo que as autarquias e demais entidades responsáveis deveriam ter em consideração, antes que o problema se agrave ainda mais.

7 comentários:

  1. eu aqui em casa tenho tudo led mas na sala e nos quartos amarela e na cozinha é branca.

    ResponderEliminar
  2. O básico sobre o LED:
    - Uma lâmpada LED gasta 10% de uma incandescente. Mas a iluminação pesa pouco na fatura da luz. Não vale a pena ir a correr trocar lâmpadas incandescentes, de halogéneo e muito menos economizadoras para baixar a conta da luz. Mas como se vão fundindo, obviamente trocam-se por LED.
    - A correspondência entre os Watts de uma lâmpada LED e uma incandescente é de 1:10 - 5 Watts LED são 50 Watts incandescente, 10 W LED são 100 W incandescente. Coma as de halogéneo é 1:8,3 - 6 W LED são 50W halogéneo, 12 W LED são 100 W halogéneo
    Agora, há outra variável que é preciso dominar - a temperatura da cor, medida em graus Kelvin. 2700K é uma cor está próxima da cor branca quente (amarela) das lâmpadas incandescentes/halogéneo que se tem em casa. 4000K já é branco frio e vai ficando cada vez mais branca e fria até ao 7000K. Para casa, exceto cozinha, o melhor é comprar, 2700K.
    O professor diz que não se deve comprar lâmpadas LED brancas, mas sim âmbar ou alaranjadas.

    Quanto à iluminação pública achei graça à frase: "Em Berlim, na Alemanha, ainda se vê a Via Láctea". É verdade, é memo "mal iluminada". Pensei que era para poupar na conta da luz, mas pode ser intencional, para reduzir os malefícios do excesso de iluminação :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo tirando essa "correspondência". Aos dias de hoje uma lâmpada que gaste 10/11 Watts emite sensilvelmente 900 a 1000 lm, e esse valor é 1/4 mais baixo que os tais 1:10. Só fazendo uma "conversao" entre lm e Whatts das incandescentes é que temos uma aproximação mais real. Até porque até à bem pouco tempo, tinhamos leds a 13W que emitiam 1000lm e hoje já temos esses mesmos 1000lm a gastar 11W. Portanto, Whatts diferentes lm iguais.

      Eliminar
    2. O melhor é experimentar para ver se um LED de 5W de qualidade média substitui uma incandescente de 50W.

      Então temos:
      - a potência da lâmpada em Watts (W)
      - a intensidade luminosa em lumens (lm)
      - a eficiência luminosa em lm/W

      Então, se:
      - uma lâmpada incandescente tem uma eficiência de 15lm/W, uma de 50 W corresponde a 750 lm
      - uma lâmpada LED normal tem uma eficiência de 90lm/W, por isso uma de 5 W corresponde a 450 lm
      Ou seja. para se obter os 750 lm eram precisos 8,3 W LED.
      Agora, vais encontrar muita gente a dizer que uma LED de 5W substitui uma 50 W incandescente, ou seja 1:10. Eu tenho-me regulado por isso e tenho-me dado bem :)

      Eliminar
    3. Por acaso é curioso que a primeira vez que cheguei à Alemanha, ao sair do metro deparei-me com uma quase total escuridão, não conseguia ver um palmo à frente dos olhos. Essa situação sempre me intrigou também. :-)

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Pode-se fazer variar ao mesmo tempo a intensidade e a temperatura da cor usando:
    - candeeiros inteligentes: https://www.gearbest.com/table-lamps/pp_363779.html?wid=1640583
    - ou lâmpadas: https://abertoatedemadrugada.com/2018/07/lampada-inteligente-xiaomi-philips-8.html
    Controlam-se com uma app (no candeeiro é desnecessário, rodando o botão controla se a intensidade, pressionando e rodando, a temperatura).
    O candeeiro ou a lâmpada criam uma rede Wi-Fi. Pode não ser muito fácil de "apanhar" da primeira vez. O reset faz-se pressionando 5 vezes no fundo do candeeiro e na lâmpada acendendo-a 5 vezes sucessivas.

    ResponderEliminar

[pub]