2021/12/15

Reino Unido prepara processo contra App Store e Play Store

O fim do domínio da Apple e Google sobre as suas lojas de apps parece estar a chegar ao fim.

O Reino Unido pode ter assistido a uma fuga de empresas tecnológicas com o Brexit, mas parece estar a preparar a sua "vingança". A entidade reguladora está a dar sinais de que prepara um processo anti-monopólio contra a Apple e Google, por considerar o domínio excessivo que detêm com as suas App Store e Google Play Store, no iOS e Android respectivamente.

Uma vez que no Android existe a possibilidade de se instalarem app stores alternativas e apps directamente (algo que ainda não é possível no iOS), leva a pensar que o caso se poderá centrar nas exigências que ambas as empresas fazem às apps que sejam submetidas, como a impossibilidade de apresentarem métodos de pagamento alternativos que escapem às comissões.

Será apenas mais um processo que se irá juntar aos outros que estão a decorrer ou se avizinham, e que parece fazer com que seja inevitável que essas regras tenham que ser afrouxadas. E o mais ridículo é que, com todo o mediatismo, a Apple e Google ficam com muito mais a perder, face a simplesmente permitirem o que é pedido pelos developers: pois seria lógico que a maioria dos utilizadores continuaria a preferir usar as lojas oficiais e as formas de pagamento que são muito mais imediatas que as alternativas.

6 comentários:

  1. Está mal. Está mesmo muito mal.
    Onde é que já se viu meter a Apple e a Google no mesmo saco?!
    Devia ser um processo contra a Apple e a Apple Store! Obrigá-la a aplicar as regras que existem para Android, mesmo que os utilizadores não queiram (... por serem estúpidos armados ao pingarelho).
    Assim, parece-me que o número de comentários vai ser fraco.

    ResponderEliminar
  2. Tens um supermercado no qual qualquer empresa pode expor os seus produtos e pagam uma comissão. Agora não querem pagar a comissão mas querem continuar a ter os seus produtos a ocuparem espaço nas prateleiras. Como é que reagias?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É diferente.

      A Apple obriga as empresas que ganham dinheiro de alguma maneira através do pagamento directo do utilizador a terem de o fazer pela sua plataforma ou expulsa-os, e não há forma de instalar os programas manualmente e/ ou através de outras lojas virtuais que a pessoa possa instalar.

      Na Apple é como dizer que se vive em Portugal pode vender qualquer produto mas tem de ser obrigatoriamente no Supermercado Continente, e não pode fazê-lo em mais lado nenhum. Ah! E se depois de vender o produto ainda cobrar por serviços associados a esse produto os clientes têm de ir ao Continente pagar esses serviços... tudo para segurança e conveniência dos clientes claro... não é para o Continente ficar podre de rico com as comissões exclusivas... de toda a gente que só pode ir lá... ou ir viver para outro país.

      No Android é diferente porque a pessoa pode instalar lojas virtuais de terceiros e os aplicativos directamente.
      O regulador pode dizer é que a loja de aplicações da Google têm uma predominância tal no mercado que isso configura alguma espécie de abuso de posição dominante através de forçar os fabricantes a meter a sua loja e não incluir a de terceiros, por exemplo... o que naturalmente distorce a concorrência.

      É como viver em Portugal e só ter supermercados Continente dentro das localidades, mas pode ir a outros supermercados e lojas especializadas... só que na maior parte dos casos estão longe das localidades, tem de ir por caminho de terra batida e com avisos de estrada perigosa, e eventualmente sem indicações de onde se encontram esses outros supermercados e lojas especializadas. Eles existem, se procurar muito vai encontrá-los, mas não são exactamente a coisas mais conveniente.

      Eliminar
    2. Fantástica forma de colocar as coisas.
      👍👍

      Eliminar
  3. O iOS cresceu e vingou como ecossistema fechado, foram esses temos que para o bem e para o mal, criaram os incentivos para a alta qualidade das apps feitas pelos devs, reputação entre os consumidores e qualquer pessoa que queira sideloading sabe que has Android e que o iOS é hostil. Obrigar a Apple a transformar o ecossistema mobile num pseudo-android que corre em iPhone, é alienar a empresa, alienar os consumidores da plataforma que escolheram, aclamada pelo mercado, provavelmente a razão mais importante das apps mobile terem a ubiquity e o net-worth que têm hoje, para um business case que ninguém ainda conhece e provavelmente não deseja. O que ganhariam os users Android? E os os iOS?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa desculpa do "isto ficou bom porque é fechado" é completamente ridícula. O OSX ficou bom e não é fechado. Até a porcaria do Windows tornou-se bastante estável nos últimos 15 anos, e não é fechado.

      Não foi preciso possibilitar o sideload que fez com que a qualidade das apps tenha baixado nos últimos anos. Basta para isso ver a quantidade de apps com ads e sreenshots duvidosos que por aí andam. Alias, algumas delas seriam suficientes para serem retiradas, mas a Apple só aponta o dedo a quem pouco ou nenhum dinheiro faz em compras diretamente na app.

      Depois tens os "preferidos" da Apple. O Zoom com acesso a APIs que não são para todos. Já a NetFlix, que ameaçou terminar com as compras na app, levou a Apple a oferecer destaques na App Store, estatísticas, bundle da App na Apple TV, aparecer em desta quando o dispositivo está em demo mode na Apple Store e mais não sei o quê. E casos como estes há mais.

      Uma abertura a outras trás mais transparência, é sempre facultativo, permite que um developer possa ter a sua App sem pagar 100€ ano, deixam de haver preferidos, etc.

      Eliminar

[pub]