2015/12/19

WebTorrent quer aplicar eficiência dos torrents à web e já atraiu a atenção da Netflix


Os torrents são imediatamente associados à partilha de conteúdos ilegais, mas isso é apenas um efeito secundário de serem um sistema altamente eficiente para a transferência de dados. Um sistema que poderá em breve ser aplicado à própria web com este WebTorrent.

A grande maioria dos serviços na internet continua a funcionar de uma forma que assenta na estrutura tradicional de ter grandes servidores para lidar com os pedidos dos computadores dos utilizadores, e fazendo com que sejam necessários mais e mais servidores, com ligações potentes, à medida que se aumenta o número de utilizadores. É algo que pode funcionar bem para um Google ou Facebook, com a sua infraestrutura gigantes e múltiplos data centers espalhados pelo mundo, mas que complica a vida a um simples utilizador ou pequena empresa que desejasse fazer chegar algo a "biliões" de pessoas a partir do seu computar de casa ou um pequeno servidor.

... No entanto, é isso que fazem os piratas, de forma bastante eficiente, usando os torrents.

O BitTorrent é um sistema incrivelmente eficiente que assenta no pressuposto de tudo se torna mais fácil se todos contribuírem entre si. Se eu quisesse fazer chegar uma foto de 1MB a um milhão de pessoas, a forma tradicional significaria que eu teria que enviar um total de 1TB de dados usando a minha ligação; mas usando torrents, isso poderia ser feito mesmo que só enviasse 1MB... pois todos esses milhões de utilizadores iriam também transferir pedaços de informação entre si e da forma mais eficiente possível (um utilizador que morasse num país distante poderia ir buscar os pedaços de dados que lhe faltam a outro utilizador que esteja mais perto de si.)

É um sistema tão eficiente que agora há quem o esteja a aplicar à web usando o WebRTC com este WebTorrent.

Este WebTorrent não é (ainda) compatível com os torrents tradicionais, mas o princípio de funcionamento é exactamente o mesmo, e uma vez que funciona sobre WebRTC, significa que funciona nos browsers mais modernos sem necessidade de qualquer plugin.

Percebe-se por isso o interesse de todo o tipo de empresas e serviços que gastem grande quantidade de dados, como é o caso da Netflix. Usando este sistema, os streams do Netflix poderiam ser muito mais distribuídos e implicar uma enorme poupança de dados (e também poupar no congestionamento das redes dos operadores). Adicionalmente, teríamos também uma maior descentralização da web, significando que mesmo que um servidor (ou vários) estivessem inacessíveis por qualquer motivo, os serviços poderiam continuar a funcionar desde que existisse pelo menos um qualquer outro utilizador com o pedaço da informação que se deseja...


Vamos lá ver quanto mais tempo irá demorar até que Netflix e outros adoptem estes WebTorrents, pois parece-me que será mesmo apenas uma questão de quando é que o farão, e não de se.

2 comentários:

  1. O principio até é compreensível para conteúdo "gratuito" mas para estas empresas interessadas no conceito o objectivo é minimizar custos e aumentar lucros.
    Dando como exemplo o Netflix se com a partilha dos dados vier uma ligeira redução da mensalidade até o devo fazer, agora partilhar por partilhar dados dados não o faço.

    ResponderEliminar
  2. Sem esquecer que esses Teras de dados são passados para o lado do cliente. Um filme de 2GB, nesse modelo vai consumir muitos gigas adicionais ao consumidaro final. As ligações fixas por norma são ilimitadas, mas alguem que queira ver um episodio em net móvel fica prejudicado.

    ResponderEliminar

[pub]