2016/01/08

Editores alemães querem que o Google pague... seja pelo que for


Se pensavam que as editoras alemãs já tinham aprendido a lição, eis que ao melhor estilo dos Monty Python voltam a avançar com um processo a exigir que o Google lhes pague por lhe estar a enviar visitantes de borla.

Os grupos noticiosos alemães já tinham entrado em confronto com o Google a exigir que o mesmo lhes pagasse por estar a apresentar excertos das notícias nos resultados das pesquisas. Quando o Google reagiu, optando por remover esses excertos em vez de pagar, a sua resposta foi avançar com outro processo dizendo que o Google estava a fazer chantagem e que os estava a prejudicar nas pesquisas ao não apresentar os tais excertos. Saltando para o fim, ficou demonstrado que os sites noticiosos só tinham a perder se não fossem apresentados nos resultados do Google, tendo acabado por dar permissão ao Google para isso.

... Poderia ter ficado por aqui, não era? Era, mas isso seria num mundo onde certos grupos não estivessem em desespero e quisessem manter as coisas como eram no século passado, tentando adiar o inevitável se não se adaptarem às alterações do mundo moderno. E como tal, voltamos a ter novo processo dos editores alemães contra o Google.

Ainda não se sabe muito bem qual é a "desculpa" que vão usar desta vez - mas o que se sabe é que estes editores só irão ficar satisfeitos quando arranjarem forma de lhes entrar dinheiro nos bolsos, seja lá por for. Se calhar, é melhor pedirem umas recomendações à SPA, de forma a conseguirem receber uma taxa sobre todos as memórias digitais, que eventualmente poderão ser usadas para guardar uma qualquer notícia deles; ou, melhor ainda, uma taxa sobre todo os dados que circulam na internet! Afinal, esses dados estão a incluir notícias dos seus sites, certo?!?

17 comentários:

  1. Estou numa de "desvinculação" com os serviços da Google que uso (Gmail, Chrome, Mapas... exceto o Youtube e Google Earth), dado que pelas suas tentativa de monopolismo a isso me vejo obrigado.

    Tentem por exemplo escrever "Windows 10" no motor/na página de busca da Google e observem as sugestões que normalmente, "apareceriam" à frente... Disse bem, "apareceriam".*

    *efetuando a pesquisa com o histórico do Chrome (e não só) eliminado é na certa que assim seja e é sabido que de facto, montaram um "bloqueador" (na apresentação de sugestões e também alguns resultados) anti-Microsoft, logo, anti-neutralidade da Internet.

    Fora essa discussão, dou toda a razão à Google a propósito desta tentativa de extorsão por parte dos média, ou melhor, nem se trata de dar razão à Google, mas sim repudiar a visão dessa gente (não só os média Alemães) que "não vê ou não quer ver o futuro (que é bem presente por sinal)".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei o que te aparece mas aqui aparecem-me sugestões perfeitamente naturais: download, review, ISO, media creation tool, update... tanto em modo incógnito como em modo normal. Não me parece que estejam a fazer nada anti-MS (e nos resultados da pesquisa vem tudo com links microsoft nos primeiros 6 ou 7 resultados e sem "intromissões" ou desvios para concorrências...

      Eliminar
    2. Falo nas sugestões propriamente ditas, aquelas que vão surgindo à medida que vamos escrevendo o que pretendemos procurar. Nos resultados depois do "enter" tudo ok.

      Se escrever "Windows XP, 7, 8" não se faz notar qualquer anomalia, mas se colocar "Windows 10" ou "Windows 10 mobile" não aparece absolutamente nada como sugestão.

      Já tenho visto diversos apontamentos nesse sentido em vários sites (principalmente dos E.U.A e Brasil) e foi a partir daí que de facto pude comprovar que "cá", no meu computador, sucede exatamente o mesmo.

      Tenho feito essa simulação em outros dispositivos "que não são meus" e feito a sugestão para outras pessoas o fazerem e maioritariamente surge o tal espanto.

      Isto ocorre sobretudo quando se fala do Windows 10 mobile... e diga-se que há um motivo lógico para tal.

      Eliminar
    3. Pois, eu estou a falar precisamente dessas sugestões, e aqui aparece-me (num Chrome).

      Podes ver aqui um screenshot para o Windows 10 mobile (também com todas as sugestões a serem perfeitamente lógicas e naturais.)

      http://1.bp.blogspot.com/-TwsxJXgv7Rg/VpBeYa3H7_I/AAAAAAADvdY/QNJkC1L1dpM/s1600/win10suggestions.jpg

      Eliminar
    4. Por aqui aparece apenas "um ficheiro/link" que baixei umas semanas atrás. Quanto a sugestões nada:

      http://www.ezimba.com/work/160109C/ezimba11989740440804.png

      Eliminar
    5. Parece-me que o mais certo é que isso esteja a ser bloqueado pelo próprio windows 10, devido às suas novas "pancas" de bloquear todo o tipo de acessos e comunicações e sei lá que mais (tive N problemas com programas de comunicações no Windows 10, alguns dos quais não encontrei forma de resolver.)

      No Windows 7, com Chrome, as sugestões aparecem sem chatices como demonstrei...

      Eliminar
    6. Isso já não sei. Poderá eventualmente ser uma questão de guerrilhas internas (e também poderia referir o facto da Microsoft impingir a Cortana e o Bing em certa medida).

      Ainda assim, ficam aqui mais 4 print's (desta vez a partir da página Google sob o browser Edge). Pode-se observar o sucedido nos resultados apresentados quando colocado Windows 7/8 vs Windows 10/Mobile:

      http://www.ezimba.com/work/160109C/ezimba11989747796804.png

      http://www.ezimba.com/work/160109C/ezimba11989714820904.png

      http://www.ezimba.com/work/160109C/ezimba11989781017404.png

      http://www.ezimba.com/work/160109C/ezimba11989793258104.png

      Eliminar
    7. Tentativas de monopolismo? Por não haver autocomplete no teu Windows 10?
      Olha no meu Windows 7 dá perfeitamente.

      E tens que me explicar como faz monopolismo quando podes mudar o endereço de motor de busca no browser tão fácilmente. Ou quando tens milhentas alternativas exactamente iguais/superiores a produtos Google.

      Porque não te desvinculas da Microsoft que tem um monopólio de facto?
      Que diminui o armazenamento no One Drive dos 15GB para 5 GB por exemplo?
      Ou que tornou dificílimo mudar o browser predefinido no Windows 10? Ou que não te deixa escolher outro assistente além da Cortana no Windows 10?
      Ou que em vez de usar standards abertos no Office mete os seus formatos de ficheiro proprietários para dificultar o surgimento de alternativas?

      Adoro o pessoal que tem dois pesos e duas medidas e que nem sequer aplica a retórica que pregam em todos os casos.

      Eliminar
    8. Eu não tive qualquer dificuldade em definir um browser predefinido no Windows 10. Atualmente ainda está com o Chrome (dado o Edge ainda não suportar extensões). No Windows 10 mobile que uso (que é uma versão de teste ainda - Build 10.0.10586.63) é verdade que abre diretamente com o Bing e não encontrei opção de troca.

      Felizmente a Microsoft recuou nessa do OneDrive, é sinal que demonstra que está atenta ás solicitações dos utilizadores.

      "Monopolismo" é uma uma palavra forte e pode ter transparecido que que sou um fanboy da Microsoft e "anti-Google", mas não sou de todo. Quis alertar para o facto da Google não fazer as coisas por acaso e é bem sabido que tem interesses para isso. A mim pouco me interessa pois não é isso que vai definir as minhas escolhas, mas torna-se preocupante quando está em causa a tal "neutralidade da Internet", seja em relação à Microsoft, seja em relação as outras "áreas".

      A Google tem a sua própria "loja de artigos" (uma espécie de Amazon) em regime de parcerias, tal como aquela que tem com a Toys"R"us, por exemplo. Nunca ouviram falar do modo como eles manipulam e apresentam os resultados ao utilizador por forma a encaminha-los para o seu negócio (neste caso para a sua parceira Toys"R"us).
      Será legitimo eles fazerem essa manipulação acima de todas as regras que determinam a ordenação de resultados do motor de busca?. Foi tema que passou de forma bastante aprofundado no programa Capital da M6 uns bons meses atrás e não só...

      Reitero, pouco me importa estas "guerrilas" internas (Google/Microsoft/Apple), pois como tinha feito alusão, a Microsoft também não é imaculada, mas que de facto é preocupante é, isto por deriva do peso que o motor de busca da Google tem em todo o tráfego da Internet.

      Não é por acaso que a Microsoft está a distribuir/disponibilizar todos os seus serviços/app's para as plataformas concorrentes. É um plano a médio/longo prazo que daqui por uns tempos poder-me-á fazer criticar a Microsoft no mesmo sentido se por exemplo a Cortana vier a ser a referência absoluta no setor dos assistentes virtuais, mas uma coisa é certa, pessoalmente, confio mais na Microsoft do que na Google em termos de privacidade, se me faço entender.

      Por fim, estive a ler entretanto sobre essa tal dos resultados no Google e sim, afinal não é só no Windows 10 que acontece. Felizmente a Google não "censurou" as páginas onde relatos semelhantes apontam o mesmo problema... que passando talvez despercebido não é de todo aquilo que todos desejamos ver devolvido da Intenet.

      Eliminar
    9. Só para confirmar o que disse acima (a propósito da loja Google, que entrega a gestão a companhias/empresas com espaços físicos e que possuem logística global), notem os resultados apresentados para um produto lançado ao acaso:

      http://www.ezimba.com/work/160110C/ezimba11989766164604.png

      Acho que é evidente o sentido da coisa. Que uma empresa pague para ocupar os link's cimeiros na apresentação de resultados posso compreender. Ser a própria gestora do motor de busca a fazê-lo para beneficio claro do seu próprio negócio sub-concessionado é muito mais gravoso.

      Mas tudo bem, ninguém está obrigado a usar este ou aquele serviço. Pena que o utilizador final dificilmente saiba alguma vez da tamanha manipulação a que está sujeito no mundo da Web.

      Eliminar
    10. Não é por nada, mas os resultados do Google são muito mais relevantes do que os do Bing para um português

      http://i.imgur.com/wpD0NeU.jpg

      Eliminar
    11. Também considero que sim. Isso mostra não só a maior maturidade do motor de busca da Google como também adaptabilidade.
      O facto de apenas apresentar Toys"r"us nas sugestões enquanto browser's "sediados/configurados" em/para Portugal, dá-nos uma ideia de pesquisa não influenciada e mais orientada ás nossas pretensões (o que até resulta). No entanto, se estivéssemos "ligados" em Espanha, por exemplo, lá ia aparecer a mesma coisa, com redireccionamento para a Toys"R"us Espanhola e assim sucessivamente em todos os mercados onde essa Multinacional opera.

      Eliminar
    12. Usando um separador privado no Firefox e com o ZenMate a apontar para um servidor na Alemanha, a Toys"R"Us está presente nesse mercado:
      http://i.imgur.com/E8dxlku.png

      Será que a Toys"R"Us não comprou as pesquisas para este mercado?

      Quando um serviço é gratuito, nós somos o produto e não é por aparecer quase sempre a Toys"R"Us no topo das pesquisas de brinquedos que me faria lá comprar o brinquedo desejado.

      Myketek por essa ordem de ideias, desculpa-me Carlos, mas se calhar também deverias deixar de ler o AadM, tendo em conta a quantidade de posts a publicitar produtos da Gearbest que, a não ser que me tenha escapado alguma coisa, nem é apoiante semanal ou parceiro do Clube AadM (nada contra isto Carlos). :P

      Eliminar
  2. "anti-Microsoft, logo, anti-neutralidade da Internet"

    Acho que não sabes o que é a neutralidade da Internet.

    Mas não tem nada a ver com o conteúdo, senão, o "Record" e o "A Bola" tinham de fechar as portas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu até me esqueci de colocar neutralidade da Internet entre aspas (""), dado que no seu verdadeiro sentido tem a ver com "políticas sob o tráfego web" impostas pelos operadores. Essa é outra forma de "não neutralidade", mas boa parte da imprensa portuguesa peca em aspetos ainda muito mais gravosos...

      Eliminar
    2. A imprensa portuguesa é muito infantil, mas a estrangeira não é pior.

      Porque vende provocar.

      Eliminar
  3. Os alemães em nada ficam atrás dos amiguinhos da SPA em termos de parasitismo.
    Não só também têm taxa de cópia privada sobre o armazenamento digital como é das mais elevadas na Europa.

    ResponderEliminar

[pub]