2016/01/08

Lenovo vai deixar de usar o nome da Motorola


Depois de ter pertencido ao Google a Motorola Mobility foi comprada pela Lenovo; mas em breve este icónico nome que acompanhou a génese dos telemóveis poderá cair no esquecimento, pois a Lenovo prepara-se para unificar os seus produtos sob a marca Lenovo e deixar de fazer referência ao nome Motorola.

Tal como a Microsoft lá foi abandonando o nome Nokia dos seus smartphones Lumia, também a Lenovo se quer assumir como a marca principal e distanciar-se da associação com a memória da Motorola. O objectivo será agrupar todos os novos produtos sobre uma única marca - a Lenovo - mas mantendo uma segmentação distinta, com o nome "Moto" a ser usado para a gama superior de produtos e a "Vibe" a ficar reservada para os produtos mais económicos.

Este desaparecimento da Motorola começará a ser feito já este ano, com o surgimento de modelos que serão apresentados e promovidos como sendo "Moto by Lenovo", mas há também quem diga que é um erro a Lenovo desperdiçar todo o historial e peso que a Motorola ainda tem no segmento mobile e que em muitos mercados ainda será mais forte do que que o que se associa ao nome Lenovo.

Só o tempo dirá quem terá razão mas, como o passado já tem demonstrado, a nostalgia dos utilizadores rapidamente pode ser superada com a apresentação de novos produtos a preços interessantes, sendo que o nome ou logotipo que vem na caixa (e/ou smartphone) parece ir tendo cada vez menos importância.

2 comentários:

  1. Acredito que será um erro sobretudo com toda a "bad press" que a lenovo costuma ter com questões relacionadas com a privacidade. Creio que devem estar a seguir a mesma política que tiveram com os thinkpad da IBM

    ResponderEliminar
  2. Muitos anos antes de acompanhar a génese dos telemóveis, o icónico nome Motorola (e o seu não menos icónico logotipo em forma de asa de morcego) acompanhou a génese dos próprios microprocessadores. Nos anos 70 do século passado, a Motorola lançou o seu microprocessador 6800, de 8 bits, em concorrência direta com o 8080 e 8085 da Intel e com o Z80 da Zilog. Com tanto êxito o fez, que lançou, já nos anos 80, os microcontroladores 6802 e 6809, graças ao acrescentamento de memória e periféricos à chip do 6800. Estes novos dispositivos competiram diretamente com os microcontroladores 8051 e 8031 da Intel, tendo-os ultrapassado em números de vendas. Foi um tempo de uma feroz luta, taco a taco, entre a Intel e a Motorola, que continuou com o lançamento pela Motorola, também na década de 80, do microprocessador 68000, de 16 bits, em competição direta com o 8086 da Intel. Por fim, surgiu a IBM, que lançou os seus PCs equipados com derivados do 8086, com o sucesso que se sabe, e a Motorola entrou em decadência no que ao fabrico de chips VLSI (very large scale integration) diz respeito. Mesmo assim, a Motorola continuou por mais alguns anos a ser a líder indiscutível a nível mundial nos microcontroladores de 8 e de 16 bits, para aplicações industriais.

    ResponderEliminar

[pub]