2016/08/04

Entidades anti-pirataria querem que Windows bloqueie downloads ilegais e software pirateado


Para além de atacarem pela vertente dos operadores de internet no sentido de bloquearem o acesso a sites pirata, há também quem já vá recomendando que o próprio sistema operativo deveria impedir o acesso a conteúdos considerados ilegais.

A recomendação parte de associações que combatem o comércio ilegal, e que pretendem que a verificação dos conteúdos ilegais passe a ser feita ao nível do próprio sistema operativo. Ou seja, para além de já contarmos com ferramentas que tentam detectar conteúdos maliciosos, essas mesmas ferramentas veriam o seu uso expandido para detectar todo o tipo de downloads ilegais, como músicas, filmes, jogos e demais software.

É um pedido que volta a reacender memórias recentes, de quando uma alteração nos termos de utilização do Windows 10 veio lançar o pânico de que o mesmo deixaria de correr jogos pirateados - mas que a MS se apressou a clarificar que era uma alteração que pretendia apenas garantir a segurança e validade dos jogos comprados através da Windows Store/Xbox Store.

A questão é que parece ser inevitável que se esteja a seguir nesse sentido, e que tais medidas restritivas venham a ser aplicadas a médio ou longo prazo na maioria dos sistemas operativos - um pouco ao estilo do que já acontece no iOS, onde oficialmente só se pode instalar software oriunda da sua App Store. Por outro lado, é também certo e sabido que mesmo nesses sistemas mais restritivos, é inevitável o surgimento de sistemas que permitam contornar essas restrições (como o jailbreak no iOS, ou os hacks e cracks nas consolas de jogos) - e seria mais que certo que o mesmo aconteceria no Windows que, relembre-se, é ele próprio vítima de cracks que vão resistindo ao longo dos anos.

No entanto temos também que nos lembrar que as medidas anti-pirataria não precisam ser 100% eficientes para funcionarem, mas serem apenas "suficientemente chatas" ao ponto de tornarem as opções legais convidativas. Conheço várias pessoas que recorriam frequentemente aos downloads de sites pirata; mas que hoje em dia já se renderam a serviços como o Steam, Netflix, e outros, por serem mais cómodos e "sem chatices". Sendo que nunca será possível erradicar completamente a pirataria (haverá sempre que ache que todas as chatices compensam o trabalho), resta esperar que os distribuidores não penalizem ainda mais os clientes pagadores pelo acesso aos conteúdos legítimos. (Bastará relembrar casos como o das pessoas que tinham centenas de horas de vídeo gravado nas suas boxes, e que quando estas avariam não têm forma de aceder ou recuperar essas gravações!)

9 comentários:

  1. Eu pessoalmente penso que é uma questão de tempo até a Microsoft obrigar os utilizadores do Windows 10 Home a usar a Loja Windows, ou pelo menos os compradores de novas licenças.

    ResponderEliminar
  2. Eu começo a achar preocupante a vontade de controlo por parte desses senhores. Até onde irá a imaginação deles???

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até considerarem a exposição solar e paisagem para o cálculo do IMI... oh wait

      Eliminar
  3. Eu por acaso até concordo! E até acho que deveriam começar a aplicar mais a Inteligência Artificial, para além do controlo dos ISPs e dos Sistemas Operativos e limitar o acesso a: sites que não interessam, com erros factuais e/ou de ortografia, redes sociais só para dizer mal, trolls e afins, websites cheios de publicidade, websites que violam os direitos de privacidade, mau gosto, que não sirvam para educar. Impedir o acesso a websites e programas quando a meteorologia indicar que o melhor é estar ao ar livre ou quando a Internet das Coisas (IOT) indicar que há algo melhor/mais útil para ser feito... aliás o melhor mesmo é fechar a internet... porque no mundo real não há pirataria, nem abusos, nem violações de privacidade, nem crimes! Sinceramente esta mania de uns super-iluminados (ISP, "reguladores do mercado", "associações de defesa disto ou daquilo",... a coberto do politicamente correto acharem que não é sobranceria decidirem o que é melhor para os utilizadores assusta-me!

    ResponderEliminar
  4. Espero que isto nunca se torne realidade: https://www.gnu.org/philosophy/right-to-read.en.html

    ResponderEliminar
  5. Com serviços como o Netflix, Spotify, Steam e com o boom de jogos free-to-play ou onde a componente multiplayer é essencial a pirataria desses conteúdos deixa de ser cada vez menos atractiva.

    Mas se esta medida for em frente salto para Linux certamente.

    ResponderEliminar
  6. Do ponto de vista técnico é interessante analisar a solução da DENUVO para evitar a pirataria de jogos. Durante décadas não houve nada que conseguisse evitar que qualquer jogo fosse pirateado. Com mais ou menos trabalho, todos os sistemas acabavam por cair.
    A DENUVO conseguiu parar a pirataria por completo. É um marco histórico na minha opinião.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Conseguiu?

      http://www.dsogaming.com/news/denuvo-has-been-defeated-first-doom-crack-is-now-available/

      Se há forma de trancar, há sempre forma de destrancar, é simples.

      Eliminar

[pub]