2016/08/18

Xiaomi enfrenta queda nas vendas de 38% na China


A Xiaomi pode ter smartphones muito atractivos a preços altamente concorrenciais, mas parece estar com dificuldades em competir com os seus congéneres chineses, com uma redução nas vendas de 38% neste trimestre, face ao mesmo período no ano anterior.

A Xiaomi teve uma ascensão meteórica nos últimos anos, mas agora parece ter chegado o momento em que essa ascensão dá lugar a um declínio, talvez devido às restante marcas terem finalmente reagido e adaptado os seus produtos para poderem competir.

A Xiaomi cai ca primeira para a quarta posição segundo os dados da IDC, sendo superada pela Vivo, Oppo, e pela Huawei, que passa a ocupar a primeira posição. Na quinta posição temos a Apple, que também registou uma queda de quase 32%.


Embora a Huawei tenha mantido uma evolução saudável de 15%, maior destaque terá a Oppo, que mais que duplicou as vendas face ao ano anterior. Em 2015 tinha produzido 8 milhões de dispositivos no segundo trimestre, este ano produziu 18(!) milhões. A Vivo também conseguiu um aumento de 74.7%, chegando aos 14.7 milhões de unidades.

A Xiaomi já reagiu a estes números dizendo que as estimativas da IDC são penalizadoras e que outras empresas deram estimativas mais generosas, de 12 e 14 milhões de unidades - mas ainda assim, ficariam sempre aquém dos valores do ano anterior. Estará a táctica de copiar a Apple a resultar bem demais, acabando agora por também replicar a sua quebra nas vendas?

19 comentários:

  1. Tinha sido mais interessante fazeres este notícia sobre a quebra de vendas da Apple.
    Acho isso muito mais relevante que a quebra da Xiaomi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A xiaomi era a anterior líder, não a Apple. :)

      Eliminar
    2. Pois, mas a Apple é a líder mundial e uma quebra destas na China é bastante significante para eles.

      Eliminar
    3. A Apple não é a lider mundial... Pelo menos segundo os dados "fresquinhos" da Gartner: http://www.gartner.com/newsroom/id/3415117

      Eliminar
    4. @Rosmano explica lá essa desculpa do "é muito importante para eles"?

      Eles tiveram uma queda a nível mundial de 15% de unidades de iPhone face a 2015, dados oficiais! Achas que o Tim Cook vai perder o sono com isso, depois de em 2015 ter uma subida de 35%?

      Eliminar
    5. Que a China e Índia são mercados importantes "para qualquer um", disso não há dúvidas. Aliás, a China já tinha superado os EUA na venda de iPhones, pelo que qualquer redução será sempre dolorosa para a Apple (por algum motivo já foram testando as águas com o iPhone SE).

      A grande questão é saber como o mercado irá reagir ao iPhone 7... quando se sabe que o iPhone do próximo ano é que trará as grandes novidades.

      Eliminar
    6. Rui, acho porque vai obrigá-los a competir pelo preço. Isso esmaga margens de lucro e diminui os lucros trimestrais.

      Eliminar
    7. Outra coisa a apontar é que este declínio da Apple acontece quando a Samsung lançou o S7 e S7 Edge. Resta ver se o Note 7 também não causará o mesmo impacto, porque a Samsung deve ser a única empresa que ainda consegue diferenciar os seus smartphones do resto da matilha Android com os ecrãs curvos, com o Gear VR, etc.

      Eliminar
    8. @Carlos, vamos lá ver se é assim como dizes...

      Para a Apple a China é importante, não sei que fabricante é que a China não é importante, mas a Apple não é Chinodependente como alguns apontam, vende mais na Europa, que está pobre devido à desvalorização do dólar, e só agora está a entrar oficialmente na India.

      @Rosmano, competir pelo preço faz mais mal à concorrência que à Apple!

      Quando a Apple lança um smartphone por $399, começas a ver o mercado com outros olhos, e de repente, os Xiaomi e etc. já não são assim tão mais baratos que a referência.

      Por isso é que agora saem telemóveis como o Umi Super, que redifinem o "killer of flagship killers" para menos de 200€.

      Eliminar
    9. O iPhone SE não foi para testar mercado, foi uma resposta à falta de high-end, de ecrã pequeno.

      O teste de mercado foi o 5C, um iPhone mais rasca, menos premium, que rápidamente caiu no esquecimento.

      Eliminar
    10. Se fosse "só" isso, não teria sido o iPhone mais barato de sempre (nos EUA).

      Eliminar
    11. Vamos então ver se o iPhone 7 vai ser mais barato que o 6s... pela lógica...

      Eliminar
    12. Lá chegará o tempo do "iPhone 7 SE"... :)

      Eliminar
  2. Penso que estará tudo relacionado com o inflacionamento de preços dos novos modelos de ano.

    ResponderEliminar
  3. O mercado de smartphones amadureceu. É um fenómeno que acontece a todos os produtos e à medida que o tempo passa a fase de amadurecimento aparece cada vez mais rapidamente. Dizer que é um produto maduro significa que atingiu um nível de qualidade, fiabilidade e refinamento tal que todas as melhorias que lhes são introduzidas não passam de incrementos ao que já existe, sem contudo haver verdadeiras novidades. Ou seja, os smartphones que aparecem actualmente não trazem nada de realmente novo. Ora os consumidores reagem naturalmente a isto espaçando mais o ciclo de renovação dos seus equipamento e os fabricantes vão vendendo cada vez menos. Daqui para a frente o único caminho passa pela redução progressiva dos preços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, segundo a Gaertner, este último trimestre, venderam-se mais 14 milhões de smartphones em relação ao ano anterior. Teoria não pega.

      Eliminar
    2. Pega pega. O que ele se está a referir é a "commoditization". Os produtos equiparam-se tanto que o preço começa a ser o único facctor diferenciador. tal como aconteceu aos PCs e mais recentemente aos tablets.

      É o que acontece no campo Android e a Apple tem estado relativamente imnune a isso. Mas esta quebra na China demonstra que também pode estar a começar a afectá-los.

      Eliminar
  4. Afinal os Xiaomi vendiam-se não era por serem Xiaomi, mas por serem baratos.

    Com a entrada de novas marcas com preços mais baixos e melhores especificações, fugiram os clientes.

    A vida é lixada quando não temos mais nada que os outros...

    ResponderEliminar
  5. Eu tenho um Bq. Funciona. Antes desse tinha um Samsung. Funcionava (até ao dia em que ficou com o ecrã partido). Honestamente acho que se perde demasiado tempo a discutir marcas e características e modas quando no fundo, no fundo, os smartphones são todos iguais. Este tem um processador assim ou assado, aquele tem esta ou aquela memória, permitem ou não colocar um cartão SD... mas todos lá vão correndo as aplicações que lhes colocamos, permitem fazer e receber chamadas telefónicas e ver umas coisas na net.

    ResponderEliminar

[pub]