2017/01/19

O lucrativo negócio das notícias falsas na internet


As eleições presidenciais norte-americanas vieram reacender o debate sobre a facilidade com que se criam e espalham notícias falsas na internet. Só que não será fácil combater algo que, para além de todo o potencial para manipulação das opiniões, pode render milhares de dólares por poucos minutos de trabalho.

Que o diga Cameron Harris, responsável pelo site ChristianTimesNewspaper, e cuja especialidade é precisamente a criação de notícias falsas. Normalmente, já ganharia bastantes milhares de dólares à custa da publicidade conseguida graças a artigos como "Bill Clinton envolvido em sexo com menores", "Hillary Clinton divorcia-se de Bill", "Manifestantes anti-Trump espancam veterano sem-abrigo"; mas a sua obra-prima surgiu quando escreveu uma notícia falsa a dizer que uma pessoa tinha descoberto milhares de boletins de voto pré-preenchidos com votos em Hillary Clinton,

Foi uma notícia que depressa se tornou viral entre os apoiantes de Trump, chegando a cerca de 6 milhões de pessoas... e acabando por render cerca de 5000 dólares em publicidade a Cameron - nada mau para cerca de 15 minutos de trabalho, onde não faltou a criação do personagem que teria feito a descoberta, e a respectiva ilustração: uma imagem procurada no Google, e que na verdade dizia respeito a eleições no Reino Unido.

Mas nada disso interessa numa área onde, segundo o próprio, se pode ganhar cerca de $1000 por hora. No período das eleições Cameron ganhou cerca de 20 mil dólares em publicidade no seu site, um valor simpático para as 20h de trabalho investidas a escrever as notícias falsas, e um domínio usado que comprou por meros 5 dólares. E o negócio poderia ter sido ainda mais rentável pois, no auge da notícia viral o seu site chegou a estar avaliado em mais de 100 mil dólares. Uma oportunidade que infelizmente ele não aproveitou... mal sabendo que em breve a Google lhe cortaria o rendimento, quando anunciou que deixaria de permitir a exibição de publicidade da sua rede em sites de notícias falsas.

Curiosamente, é o próprio Cameron Harris que confessa ficar surpreendido com a facilidade com que as pessoas acreditam em tudo o que lêem na internet, sem se darem ao trabalho de avaliarem a sua credibilidade. É que, tal como existem sites dedicados a notícias falsas, existem sites que se dedicam a desmascará-los, como o snopes.com (que inclusivamente desmascara várias notícias de Cameron Harris). Mas é fácil perceber que, entre grupos de pessoas "fervorosas" (e isto não é algo que se limite a questões políticas) muitos serão aqueles a quem só interessa ler um título que confirme as suas suspeitas ou desejos... pouco se importando se aquilo é falso e só foi escrito para atrair mais uns visitantes e uns cliques.


Com excepção dos casos em que temos notícias falsas com objectivo de manipular a opinião pública, podemos considerar que em grande parte dos casos o único interesse por trás delas é o de amealhar mais uns euros fáceis - podendo ser consideradas como a evolução natural do click-baiting, onde já se utilizavam títulos sensacionalistas para atrair clicks; ou dos screenshots completamente falsos usados como imagens do YouTube que visam atrair espectadores, sendo que o vídeo na realidade nem sequer tem nada a ver com a imagem inicial.

Enquanto este tipo de actividade continuar a dar dinheiro é lógico assumir que não vá parar... muito pelo contrário: com a perspectiva de poderem ganhar milhares de dólares por poucas horas de trabalho a escrever notícias falsas, é de imaginar que muitas mais pessoas se sintam tentadas por este mundo, obrigando a ter cada vez mais cuidado naquilo que se acredita... só porque apareceu na internet (e o mesmo é igualmente válido para os jornais, revistas, livros, rádio e televisão.)

2 comentários:

  1. Este tipo de actividades deviam ser consideradas criminosas e serem devidamente responsabilizados as pessoas envolvidas.. Porque na verdade estao a gerir sites que se baseam em mentira e a lucrar c isso.
    Tambem me supreende e' como muitas pessoas principalmente jovens acreditam em determinadas noticias que claramente se nota que sao falsas...

    ResponderEliminar
  2. Ganhou dinheiro no curto prazo, porque entretanto foi despedido do seu emprego e ganhou uma reputação que lhe pode vir a correr mal.

    ResponderEliminar

[pub]