2017/05/25

Cartão programável Fuse quer ter sucesso onde outros falharam


A ideia de combinar múltiplos cartões bancários (e não só) num único cartão programável é algo que tem sido tentado sem resultados satisfatórios. Agora surge um novo cartão, o Fuse, que diz estar pronto para o conseguir fazer.

O Fuse é um cartão programável com muito bom aspecto, com mini ecrã e-paper, e capacidade para memorizar até 30 cartões. Existirá em duas versões: uma para cartões magnéticos, e outra que conta com chip e que supostamente terá capacidade para copiar os cartões mais modernos como os que por cá usamos (mas que estará dependente de parcerias com os bancos - pelo que fica no ar a pergunta se alguma vez funcionará por cá... e isto assumindo que o projecto consegue efectivamente criar este cartão.) Supostamente, também permitirá copiar cartões wireless com NFC ou Bluetooth.

O cartão será recarregável e terá autonomia para mais de 30 dias, sendo também acompanhado por um carregador portátil com bateria integrada, para evitar as situações em que a bateria se esgotasse num momento crítico. Poderemos também contar com os alertas anti-esquecimento/roubo que nos avisam se nos distanciarmos demasiado dele, e funcionalidades como a possibilidade de o bloquear para apenas uma operação, para situações em que seja necessário cedê-lo a um funcionário para fazer um qualquer pagamento.

O Fuze sem chip custará $79 e tem entrega prometida para Julho, a versão com chip custará $119 e chega em Janeiro de 2018. Existe ainda um pack com ambos os cartões por $169.

... Bem que desejo que este Fuze Card se torne realidade... mas continua a parecer-me "demasiado bom para ser verdade". Saberemos já em Julho, se/quando estes cartões começarem a chegar aos apoiantes... ou não.


1 comentário:

  1. Vantagem: compatível com os actuais sistemas, reduz o número de cartões com que tem de se andar.
    Desvantagens: a maioria dos bancos nunca permitirá este sistema, muitas pessoas querem/ fazem mesmo questão de ter dezenas de cartões.
    Além disso não resolve nenhum dos problemas de segurança e acrescenta novos problemas como ter vários cartões num dispositivo que claramente parece inseguro mesmo com aquele pseudo código de protecção.
    Vai obviamente vender se for colocado no mercado, mas não vai ser nenhum sucesso dadas as limitações e pelo facto de não acrescentar nada em termos de melhorar de facto a segurança... por exemplo tem o NFC activado permitindo um furto à distância dos dados de forma confortável por parte da malandragem.

    ResponderEliminar

[pub]