2017/09/03

Sinais de trânsito manipulados podem enganar carros autónomos


Relembrando que os sistemas de inteligência artificial não vêem o mundo como nós, pequenas alterações subtis nos sinais de trânsito podem baralhá-los ao ponto de pensarem que são sinais completamente diferentes.

Para um condutor humano, um sinal de stop é um sinal de stop, independentemente de estar em perfeitas condições ou estar sujo, vandalizado, ou coberto de autocolantes; mas para um sistema de reconhecimento via inteligência artificial, algumas alterações deliberadas podem fazer com que um sinal de stop seja reconhecido como sendo um sinal de circular a 70km/h.

O estudo é válido no sentido de chamar a atenção para o problema, mas é também irrealista ao assumir que os sistemas dos carros autónomos dependeria de forma exclusiva num sistema de inteligência artificial - como o que criaram para o efeito desta demonstração - para identificar os sinais. Considerando o número relativamente reduzido de sinais de trânsito, a sua detecção até pode ser feita, ou reforçada, usando diferentes sistemas de reconhecimento que validem o resultado, por forma a que um sistema comercial não fosse tão facilmente enganado - e isto sem referir que a maioria dos carros autónomos dispõe de mapas de "alta-definição" que também já incluem todo o tipo de sinais de trânsito e informação previamente recolhida, e que lhes permitiriam circular mesmo que os sinais de trânsito tivessem sido roubados ou removidos....

Ainda assim, será importante relembrar que um carro autónomo terá que lidar com este tipo de situações, de sinais que possam ter sido deliberadamente manipulados para os tentar baralhar...

1 comentário:

  1. O sinal STOP tem a mesma forma em octógono em todos os países, logo não existe esse problema com os sinais STOP, o problema são todos os outros sinais quanto muito.

    ResponderEliminar

[pub]