2017/11/02

Razer Phone chega com hardware de topo e ecrã de 120Hz


A compra da Nextbit já permitia antever que a Razer estava interessada em lançar um smartphone e aqui está ele: o Razer Phone, criado para os jogadores mas com argumentos para (tentar) convencer todos os que procurem um topo de gama.

O Razer Phone tem um design que não esconde as origens no Nextbit Robin, mas agora em ponto grande... bem grande. O Razer Phone vem equipado com um ecrã de 5.72" (2560x1440) a que se somam margens bastante generosas no topo e em baixo, contrariando a actual tendência dos ecrãs sem margens. No entanto aqui a opção foi deliberada, pois nessas áreas temos duas generosas colunas (cada uma alimentada por um amplificador separado) que dizem produzir o mais alto volume sonoro num smartphone... ideal, portanto, para quem tiver por hábito entrar em competição de volume com amigos para fazer ouvir a sua música favorita e "abafando" a concorrência.

Lá dentro temos um Snapdragon 835, acompanhado por um sistema de dissipação que promete conseguir mantê-lo em funcionamento à frequência máxima sem throttling, 8GB de RAM LPDDR4 1600MHz, 64GB de UFS, microSD até 2TB, câmara dupla traseira de 12MP com lentes diferenciadas, câmara frontal de 8MP, saída de som com qualidade THX (via dongle USB-C), e bateria de 4000mAh.


Mas, regressemos ao ecrã, pois é aí que temos uma estreia e um dos pontos diferenciadores deste Razer Phone. Este smartphone Android vem com um ecrã que pode funcionar a 120Hz, permitindo uma operação super-fluida tanto no sistema em geral como nos jogos que forem capazes de tirar partido disso (a Razer já tem alguns jogos que suportam esta frequência elevada, e está em negociações com developers e estúdios para os juntar a este grupo.) Se se pensasse que os Pixel a funcionar a 60Hz eram o exemplo perfeito da fluidez... agora terão que ficar relegados para trás, face a este Razer Phone - que no entanto, de origem vem configurado para funcionar a "apenas" 90Hz para poupar bateria (o utilizador pode escolher entre 60, 90 e 120Hz). A Apple já tinha aplicado ecrãs de 120Hz aos seus iPad Pro, pelo que a medida não é completamente "inovadora"... mas faltava fazê--lo nos smartphones, e parece ter sido a Razer a adiantar-se.

... Se isto justificará pagar-se 749 euros por um smartphone quando temos outros equipados com o mesmo CPU e 8GB (como o OnePlus 5, agora prestes a ser substituído pelo 5T) a menos de 500 euros... isso é o que falta saber.


Nota: afinal a "estreia" dos 120Hz num smartphone é relativa... A Sharp já tinha usado um ecrã de 120Hz num smartphone em 2016.

2 comentários:

  1. Carlos, o processador e RAM não é tudo e este smartphone parece ter tudo do bom e isso é de destacar, acho que se a qualidade geral for também elevada tem boas possibilidades de roubar muitos clientes a outras marcas, não é para a minha carteira mas se fosse acho uma boa opção.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que não, mas para se por as coisas em perspectiva, tens os Galaxy S8 já a 550 euros...

      Eliminar

[pub]