2017/12/25

Estimativas da energia gasta pelo Bitcoin são pouco credíveis


Os relatos que alertam que a utilização de Bitcoins irá superar as necessidades energéticas de todo o planeta daqui por 2 ou 3 anos partem de uma única fonte cujos cálculos estão a ser postos em causa.

Por cada defensor do Bitcoin e restantes moedas descentralizadas há um ou mais oponentes que utilizam todo o tipo de tácticas para as tentar descredibilizar, e recentemente uma delas tem sido acusar os Bitcoins de um consumo energético excessivo e que tem aumentado exponencialmente, e que fará com que no final da década fosse necessária mais energia só para manter os Bitcoins do que toda a energia necessária para todo o resto do mundo. O problema é que essas contas podem não ter qualquer base real.

Todos esses cenários apocalípticos estão a usar como base os cálculos assumidos por um único site, cuja metodologia é considerada bastante duvidosa e que outros especialistas dizem não merecer qualquer credibilidade.

Embora ninguém dispute que a "mineração" de Bitcoins é ineficiente de um ponto de vista energético, é altamente discutível se a energia gasta nesta tarefa tem algum efeito "mensurável" à escala global. Acima de tudo, para o sabermos, seria necessário obter dados fidedignos junto dos "mineiros" de maior dimensão, e só então se poderiam fazer as devidas estimativas com valores minimamente aceitáveis - até que tal aconteça, dizer que os Bitcoins gastam metade da energia mundial ou outras coisas do género não passa de pura especulação.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]