2018/01/06

Chrome está a tornar-se no novo IE?


Muitos veteranos ainda se lembrarão dos tempos da internet "feita" para o Internet Explorer da Microsoft, e há quem alerte para que a mesma situação esteja a acontecer... com o Chrome da Google.

Hoje em dia poderá custar aos mais novos acreditar que em tempos o Internet Explorer era o browser que dominava a Internet, conseguindo deter mais de 90% do mercado (por culpa de estar integrado no Windows e ser o browser que consequentemente ficava disponível de forma mais imediata para os utilizadores).

Isso não seria problema se o IE fosse um browser que seguisse os standards, mas infelizmente não era o caso. A MS insistia em interpretar os standards à sua forma (ou ignorá-los completamente), fazendo com que fosse necessário ter cuidado especial em criar um site de forma a que funcionasse como era suposto no IE - e uma vez que 90% dos utilizadores o utilizavam, isso acabava por ser obrigatório. A consequência era a de que esses mesmos sites, criados para o IE (muitos exibiam orgulhosamente um carimbo a dizer isso mesmo!) surgiam depois distorcidos noutros browsers que seguiam os standards da forma correcta, como por exemplo, o Firefox.


Isto tornava-se ainda mais problemático em sites que oferecessem qualquer tipo de funcionalidade mais avançada, como sites interactivos ou lojas online - perdi a conta aos emails que enviei a lojas online, dizendo que o seu site não permitia fazer compras usando o Firefox, naquilo que na altura parecia uma batalha impossível de ganhar...

Acelere-se pelos anos, e o Chrome lá acabou por destronar o IE e ajudar a trazer-nos para uma web mais standard... mas infelizmente agora chegamos a um ponto em que é a Google a começar a abusar do seu domínio, criando sites que apenas funcionam no Chrome.

Tentem aceder a sites como o Google Allo ou Google Earth no Edge ou Firefox... e em vez de verem as páginas esperadas serão convidados a descarregar o Chrome e utilizá-lo. Ora... considerando que tanto o Firefox como o Edge até se comportam bastante bem em termos de suporte das tecnologias web standard, torna-se difícil justificar porque motivo a Google não disponibiliza esses seus serviços nesses browsers. Pior ainda é que começam a surgir também alguns sites de grandes empresas que também já só funcionam correctamente no Chrome, fazendo recear o regresso a um panorama idêntico aos dos tempos em que o IE dominava.

Esperemos que não seja o caso e que a Google reafirme o seu compromisso em disponibilizar os seus serviços para todos os browsers modernos que sigam os standards (em vez de os limitarem ao Chrome)...

15 comentários:

  1. Se bem que em termos de qualidade... o IE era um "lodo".

    ResponderEliminar
  2. Pelo menos o Google suporta e mantem atualizado o Chrome no Linux.

    ResponderEliminar
  3. A google está a promover os internautas a fazerem uso do seu browser ao codificar determinados sites para trabalharem melhor com o engine do chrome. São exemplo disso o Youtube, que é mais rapido no chrome, e esses sites acima referidos que são de uso exclusivo no chrome (ou derivados, como o browser vivaldi)
    Claro que quem quer estar na vangarda da performance/segurança/estabilidade deverá usar o chrome
    Eu nao lhe acho muita piada porque, tendo um laptop, consome bastante RAM = maior consumo de bateria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dizer que para estar na vanguarda da performance/segurança/estabilidade é preciso ter um chrome, para mim não podia estar mais longe da realidade, ainda para mais com a ultima versão do firefox.

      Eliminar
    2. Na verdade o chrome nao consome assim tanta RAM comparado com os outros browsers, na verdade todos consomem muita ram é o preçl a pagar por uma internet avançada e é também o browser que consome menos bateria.

      Eliminar
  4. Aqui esta mais uma vez os anjos da google a mostrarem que só querem saber da esmola, se fosse a microsoft a fazer algo deste genero era um ai jesus, mas como é a google temos só um esperemos que mudem de ideias.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palhaçada. Se são produtos deles é bem que forcem o uso do browser deres, controlam melhor performance, segurança e integração. O Allo e os Maps dão webapps que até são usadas nos Chromebooks e no Android go.

      Posto isto comparar a Google à lixosoft. Ahah comédia.

      Também não jogas jogos de PS4 fora da consola, ou usas ios noutra porcaria que não um iPhone. É simples.

      Além disso o Chrome é um browser top, se os PCs onde o usam são fracos o problema não é do browser. Para quem usa o ecossistema da Google para trabalhar e/ou lazer não há melhor em termos de integração.

      O resto é conversa.

      Eliminar
  5. Quem quiser usar o FaceTime compre um iPhone, quem quiser jogar Horizon Zero Down compre um PS4, quem quiser jogar Super Mario Odissey compre um Switch, quem quiser usar o Allo ou o Earth faca-o através do Chrome. Há que entender que empresas não são ONGs e não fazem nada por caridade. Fazem-no por dinheiro e ao darmos nossas informações privadas e quota de mercado ao Chrome estamos pagando ao Google. Tão simples quanto isso.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos mal se começamos a equiparar a web, que deveria usar tecnologias standard, a sistemas proprietários.
      Senão, um destes dias até acharão normal que para visitar sites e serviços da Google se seja obrigado a usar o Chrome; para visitar a loja da Apple se tenha que usar o Safari; e para visitar sites Microsoft se tenha que usar o Edge...

      Eliminar
    2. Nós encaminhamos para isso. Hoje há cada vez mais serviços dedicados a plataformas específicas. Como falei acima embora seja muito bonito o discurso da internet livre, gratuita e altruísta, a verdade é que tudo isso tem um custo que é pago de qualquer forma, seja diretamente pelo utilizador seja através de publicidade. Não existe almoços grátis. O Google não criou um browser para o bem dos internautas, criou para recolher o máximo de informações possíveis e a partir daí refinar a publicidade direcionada. Que quiser utilizar os serviços gratuitos do Google que o faça através do seu browser e pague-o através de seus dados. Se não quer usar o Chrome tem toda a liberdade de procurar um outro serviço de um concorrente.
      Ha uma distância muito grande entre o sonho de internet livre que alguns têm e a realidade, dominada pelas grandes empresas, que estão aí para ganhar dinheiro e não para serem boazinhas.

      Eliminar
  6. Excelente alerta. Passei horrores com o IE, principalmente com sites do Estado e nem quero imaginar esse cenário de novo num futuro próximo ou longínquo.
    Batalhar por uma web universal deveria ser desígnio de qualquer ser humano minimamente informado.
    Tem que existir um compromisso geral entre lucradores (empresas) e geradores de lucro (nós) para que possa sempre existir a possibilidade de escolha sem termos que ficar dependentes de um único lucrador.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No discurso é muito bonito, mas sabes a anedota do ovo e da pedra?
      Jogas uma pedra no ovo, partes o ovo.
      Jogas um ovo na pedra, partes o ovo.
      ¯\_(ツ)_/¯

      Eliminar
  7. Boa noite eu estou com o Carlos a Google está a abusar e não existem argumentos nenhuns nos posts acima que digam o contrário, quando eu digo que a Apple abusa dos consumidores é disto que falo monopólio, no caso da web o caso é muito mais grave, podem não haver almoços grátis , mas existem navegadores muito competentes como o Opera que é Europeu o Firefox etc , que podem ser usados como alternativa só me referi a estes 2 porque são multi plataforma .

    A questão fundamental é que não nos podemos deixar encurralar que penso que é o que a Google está a fazer, os planos de negócio da Google estão a começar a mudar aos poucos e começo a não gostar desse novo caminho .

    ResponderEliminar
  8. Já há tantos anos que ando a dizer que o Chrome é um 2º IE... E quando o digo, muitos olham para mim, como se eu estivesse a dizer que vou passar o próximo fim de semana a Marte...

    ResponderEliminar

[pub]