2013/07/22

Ubuntu Edge põe à prova o Crowdfunding


A Canonical quer "intrometer-se" nas plataformas mobile, e para isso está a levar a cabo uma agressiva campanha acelerada para trazer o seu Ubuntu para smartphones e tablets para o mercado o mais rapidamente possível. Agora, é vez de testarem as águas (de forma algo arriscada) com a apresentação de um modelo de topo que servirá de jóia da coroa desta nova plataforma e cuja concretização - ou não - ficará a cargo da comunidade de apoiantes por intermédio de uma campanha de crowdfunding: com o Ubuntu Edge no Indiegogo.

Este smartphone Ubuntu Edge é um modelo "de luxo", contando com coisas inéditas (ou no mínimo incomuns - por enquanto) como 4GB de RAM, 128GB de flash, um ecrã de 4.5" que se fica pelos 1280x720 mas que conta com vidro safira ultra resistente, e câmaras de 8 e 2MP. O grande senão é que o preço se situa nos $830 dólares (com os apoiantes do primeiro dia a poderem apanhá-lo por "apenas" $600 - e limitado aos primeiros 5000).

Vai ser interessante ver a resposta da comunidade, para saber até que ponto estão dispostos a investir tal valor "às cegas" num produto como este. De certa forma, acho que até acaba por ser a forma ideal, pois torna-se menos arriscado do que produzir tal equipamento sem saber se há interessados (Surface RT?) - assim, o projecto só avança se estiver garantido que será um sucesso. O objectivo a atingir são $32 milhões, num só mês, e caso seja atingido, certamente irá tornar-se numa enorme bandeira mediática que será usada até à exaustão na promoção desta nova plataforma. (Se não o for, podem simplesmente dizer que o mercado preferirá os modelos mais económicos que irão surgir em breve.)

Que vos parece... vão conseguir atingir o objectivo? (O facto deste Ubuntu Edge também poder correr Android pode dar uma ajuda, mas... será que chega?)




3 comentários:

  1. Se conseguirem vão ser notícias e mais notícias.

    ResponderEliminar
  2. Não deixa de ser interessante verificar que o pessoal do outro lado do Atlântico está a reclamar dos $830.
    Segundo estes, é um valor desadequado, dado que podem adquirir o iPhone 5S por $849 com 64GB.
    Para o pessoal do lado de cá, em euros, temos uns já esticados 630€, mas que quando comparados com os 919€ do iPhone 5S-64GB, acabam por parecer mais em conta.
    É certo que acaba por estar na mesma ordem de grandeza do Galaxy S4 (ou 5 quando sair) e HTC One (ou sucessor), mas que têm apenas 16GB e 2GB RAM.

    Foi exactamente o resultado desta comparação que ajudou a decidir-me pela compra.
    Mesmo em 2014, com estas especificações, não vai estar desactualizado, nem com um preço irrealista (ver o caso dos Mini...). E ainda temos todas as outras (possíveis) vantagens.

    Resumindo, se para os Europeus, a coisa continua atractiva, no caso dos Americanos, o assunto muda de figura.
    Desta vez são eles que têm de se aguentar com o factor (justo) de conversão monetária, e não nós, que estamos sempre a levar com $1=1€, isto na melhor das hipóteses.

    ResponderEliminar
  3. Bem... volvidos quase 2 anos, torna-se triste que o projeto tenha ficado sem financiamento e também curioso que o sistema "Continuum" recentemente demonstrado pela Microsoft assente no mesmo esquema.

    Uma "cópia" ou uma extensão do projeto?.

    Também curioso é o facto da Microsoft ter divulgado que o Continuum funcionará apenas nos Smartphones Lumia/WPhone lançados "à posterior", contendo já novos processadores "compatíveis". Certo, é que em 2013 os processadores eram os conhecidos e a Canonical havia já conseguido fazer em pleno essa transposição.

    É um tema curioso... a ver vamos o que aí vem por parte da Microsoft. :)

    ResponderEliminar

[pub]