2013/10/21

Análise ao Huawei Ascend P6


A Huawei tem-nos trazido alguns smartphones bem interessantes ao longo dos últimos anos, e este novo Ascend P6 mostra-nos que a marca tem aprendido e refinado os seus equipamentos a cada nova geração. Será este o Huawei perfeito, ou será que ainda tem muito que melhorar? É o que vamos descobrir já a seguir.

O Huawei Ascend P6


Para um equipamento que pretende ser um topo de gama, a Huawei não investiu propriamente no que encontramos no interior do P6. Processador quad-core Huawei K3V2 a 1.5Ghz (de prestações medianas face aos quad-core mais recentes), 2GB de RAM, 8GB de flash + micro SD (havendo também uma versão dual-SIM, em cujo caso o slot microSD passa a cartão SIM extra), câmara de 8MP e 5MP, e ecrã de 4.7" (1280x720). É um conjunto interessante, mas que já começa a ser o que encontramos nas gamas média de inúmeros fabricantes...

Felizmente, tudo isto é compensando em parte pelo trabalho feito no seu "invólucro". Se nas especificações poderemos colocar em causa a rotulagem de topo de gama, para quem pegar no P6 (ou simplesmente olhar para ele), não há dúvida que estamos perante um modelo que impressiona.



A Huawei não é estranha a "espremer" smartphones para espessuras reduzidas, e este P6 fica-se pelos 6.18mm - um valor impressionante, e que aqui não recorre a artifícios de ter partes mais finas e depois saliências para algumas partes. De certos ângulos, este P6 até poderia passar por um iPhone 4 mais fino, devido à sua parte lateral metálica que o rodeia, e que apenas quebrada na parte inferior por uma base arredonda algo incomum. Não é que fosse recomendado pousar o P6 na vertical sobre qualquer lado, mas com esta base arredondada, isso torna-se impossível (e faz também com que a ficha micro USB passe para o topo (o que poderá causar alguns transtornos (por exemplo, se quiserem usar um carregador enquanto o têm num suporte no automóvel).


Há outro aspecto curioso. Na parte inferior notamos uma pequena peça que sobressai da lateral...



Uma peça que se vem a revelar como sendo um pequeno pino que poderemos usar para abrir os slots para o cartão SIM e micro SD. É uma solução que parece simpática... mas que também se torna problemática. É que o pino está a tapar a ficha para os headphones, e é bem mais provável que precisem de o remover para usar os headphones do que para usarem o pino para abrir os slots... ou seja: é bem provável que seja uma daquelas peças que se perderá rapidamente.


Falando em coisas simpáticas... a Huawei inclui uma capa de protecção para o P6.

Número de série gravado no metal da parte lateral


Fotografia e vídeo


Mais do que a câmara de 8MP, habitual nos smartphones mais recentes, talvez a principal particularidade do P6 seja recorrer a uma câmara frontal de 5MP. Infelizmente os resultados são meramente medianos para ambas as câmaras.



Ainda assim, destaque para a app da câmara, que conta com conjunto bastante interessante de opções, que incluem até "object tracking", tanto em modo vídeo como em foto: bastando clicar num ponto da imagem que querem manter focado, e o P6 acompanhará esse objecto caso ele se movimente.




Ainda faltavam as francesinhas na mesa...




Em Funcionamento


O Huawei P6 vem com um Android 4.2.2 acompanhado pelo EmotionUI da Huawei (v1.6) que adiciona algumas modificações interessantes (como por exemplo, a possibilidade de esconderem a barra inferior dos botões de navegação, trazendo-a de volta com um gesto de arrastar para cima). Na maior parte dos casos as alterações não são intrusivas e não irão chatear quem estiver habituado a um Android de origem; sendo que poderão até servir para relembrar que muitas das coisas que a Huawei implementou, bem que poderiam passar a fazer parte do Android!



Por exemplo, no Emotion UI encontramos coisas como perfis de gestão de energia, e perfis para diferentes situações (condução, em reunião,no exterior, modo nocturno, etc.)



A nível de desempenho o P6 pode ser equiparado a um Nexus 4 - que sendo um equipamento do ano passado, demonstra bem que seria de esperar mais do P6. No entanto, tal como o Nexus 4 ainda se comporta bastante bem, também o P6 se desenrasca sem grandes problemas numa utilização normal do dia a dia.



A opção de esconder a barra inferior permite facilmente aumentar a área do ecrã para que se apresentem os conteúdos sem distracções.


Por descobrir ficou saber se a versão que me foi enviada vinha com o firmware que será disponibilizado na versão em Portugal... é que muitos dos widgets e apps fornecidos... não escondiam a sua proveniência, sendo apresentados em Chinês.




Apreciação Final


Confesso que fiquei um pouco indeciso quanto ao que achar do P6. Para "nós" que estamos sempre a procurar os "Ferraris" dos smartphones, sempre com o mais potente CPU e a melhor câmara, o P6 deixa-nos um pouco desiludidos. Mas a verdade é que grande parte dos clientes não está tão preocupado como nós nesses aspectos técnicos obscuros que se escondem dentro da caixa. Para essas pessoas (a maioria?) a compra de um equipamento continua a reger-se pelo aspecto de: ter um preço dentro daquilo que considera aceitável, e ter um design cativante. E aí... acho que a Huawei conseguiu criar um modelo com bastante potencial. Poderemos considerar o P6 como um "Ferrari" na parte de fora, mas com um motor (e preço) de um VW Golf. Se tal automóvel existisse, não me parece que faltariam interessados a correr para os stands. E da mesma forma, não me parece que o P6 tenha dificuldades em atrair aqueles que procurarem um smartphone na casa dos 350-400€.

Claro que para aqueles que se preocupam em saber qual a referência exacta do CPU utilizado, ou de quantos mAhs tem a bateria, a história será outra; e por este preço nem considerarão outra coisa que não o novo Nexus 5, ou outros modelos que lhes ofereçam um ecrã Full HD e/ou um CPU mais recente. Mas... não será por isso que quem optar por um Ascend P6 se sentirá mal servido.

Portanto, mesmo se para a maioria dos leitores do AadM este P6 seja um "morno", para ser completamente justo tenho que me colocar no papel de um consumidor "normal" que olhe para os equipamentos por aquilo que pode ver com os olhos e não por aquilo que pode encontrar na lista das especificações. E por isso mesmo, esse morno acaba por se transformar num...


Huawei Ascend P6


Prós
  • Design e qualidade de construção (e espessura reduzida)
  • Ecrã de boa qualidade
  • Emotion UI com algumas funcionalidades bem úteis

Contras
  • Pino a cobrir a ficha dos headphones
  • Autonomia mediana
  • Câmaras e CPU de nível médio


Galeria de Fotos




4 comentários:

  1. eu vi esse huawei a 300€ no media markt a uns 2 meses atras. foi pouco depoisd e comprar meu LG 4x HD lá mesmo pelo mesmo preço... ;-;

    ResponderEliminar
  2. Viva. Obrigado pelo artigo.

    Sabe dizer com quantos espaço (GB) traz a versão Dual Sim uma vez que não terá ranhura para cartão SD?

    Cumps,
    Paulo

    ResponderEliminar
  3. Penso que a versão Dual SIM só existe na China.

    ResponderEliminar
  4. Boas. Fui buscar um na passada sexta-feira a Lourosa a uma loja de telemóveis visto que era mais barato do que em outros sítios. Aquele que comprei não é Dual Sim. E pelo que tenho pesquisado na europa não existe.

    ResponderEliminar

[pub]