2018/11/17

Apple apela à nostalgia no iOS - relembra utilizadores de tudo o que já não podem ter


A App Store da Apple promove regularmente coisas diversas para manter o interesse dos utilizadores em lá voltarem, e recentemente o destaque foi um apelo à nostalgia, incentivando os utilizadores a procurarem a primeira app iOS que instalaram - mas que chega com sabor amargo.

Embora o iOS conte com pouco mais de uma década de existência, é uma década que do lado oposto à grande evolução que houve, nos apresenta um panorama desolador das coisas a que deixamos de ter acesso.



Se num sistema como o Windows, podemos ainda pegar num programa criado há 20 ou 30 anos e ter boas probabilidades de que ainda possa ser executado no Windows 10 (ou no mínimo recorrer a uma máquina virtual para o fazer), no iOS temos tido vários pontos chave que vão cortando o acesso a milhões de apps antigas cujo desenvolvimento foi abandonado. Um dos mais conhecidos foi quando a Apple passou a exigir as apps em 64 bits no iOS 11, bloqueando o acesso a todas as apps que permaneceram em 32 bits.

Embora uns possam achar que isso não é problemático, e que só as apps mais recentes e/ou actualizadas é que têm interesse; não posso deixar de pensar se acharão o mesmo se daqui por mais uns anos (ou décadas) quiserem mostrar aos filhos algumas das apps "do seu tempo"... ou meramente recordá-las - por exemplo, há alguns jogos que tenho pena de ter perdido neste caminho evolutivo, e que de tempos a tempos não me importaria de revisitar.


Seria interessante a Apple não se esquivar a esta responsabilidade de preservar um registo histórico da sua plataforma, e arranjar forma de dar acesso às apps antigas, mesmo que sendo através de um sistema de emulação, ou qualquer outra coisa que eles achassem apropriado.

2 comentários:

  1. Percebo a onda da Rádio Nostalgia.
    Mas as apps que foram para o galheiro são mais que as mães, uns largos milhões.
    E preservava-se a versão original da app ou cada uma das versões?

    P.S. Acho que também se devia preservar a memória dos tweaks do Cydia, onde se inspirou o Android e o iOS. Primeiro aparecia o tweak, depois o Android incorporava uma versão mal amanhada e, finalmente, o iOS aparecia com uma forma de fazer o mesmo mas metendo os dois no bolso.

    Bons tempos em que iam aparecendo novidades. Agora é só ... a câmara pontua mais dois pontos no DxOmark ... e pouco mais.

    ResponderEliminar
  2. Carlos estares a comparar um sistema móvel (iOS) com um desktop (Windows) não é a melhor maneira, mas entendo-te. O que nos vale é que ainda há companhias a fazer uns remastered de jogos por exemplo nos dispositivos móveis, falo o jogo Day of the tentacle, que já o acabei outra vez e o Gim fandango, que vou revistar, tudo no IOS. Pior é não conseguir jogar company of heroes no novo OSX , isso sim é triste ;) Abraço.

    ResponderEliminar

[pub]