2020/08/27

Engenheiros da Google baralhados com opções de privacidade

Documentos internos da Google revelados num processo revelam que os seus próprios engenheiros criticavam as opções de privacidade de serviços como o Google Maps, dizendo que pareciam ter sido propositadamente concebidas para confundir e baralhar os utilizadores.

Na origem de tudo está o relatório e consequente processo, que indicava que mesmo quando os utilizadores pensavam ter desactivado a partilha de localização nalguns serviços da Google, a sua localização podia continuar a ser seguida por conta de outras opções. Parece confuso, e de facto era, ao ponto de ter sido algo criticado pelos próprios engenheiros da Google que trabalhavam nestes serviços.

Entre eles encontramos coisas como:
  • "O interface actual aprece ter sido feito para dificultar as coisas ao ponto dos utilizadores não perceberem o que fazem."
  • "Algumas pessoas (até mesmo da Google) não sabem que existe uma opção global e uma opção adicional por dispositivo."
  • "Eu fui uma das pessoas que também não percebia como isto funciona e só fiquei a saber ao ler o artigo."
  • "Desactivar a partilha de localização devia fazer precisamente isso, e não ficar dependente de outras opções."

Também revelador da atitude da empresa que em tempos teve como lema "do no evil", é que assim que a notícia foi lançada, entrou em modo de contenção de danos, passando a monitorizar como é que a notícia se espalhava e era partilhada, analisando em tempo real a evolução do tema. No primeiro dia os relatórios indicavam um sentimento 100% negativo, com a maioria das notícias a criticar as opções da Google; mas que ao fim de dois dias a história já nem sequer estava no top 10 das notícias mais faladas.

É preocupante ir sendo confrontando com estes relatos, que mostram o que se vai passando nos bastidores, e que vão confirmando o mesmo tipo de coisa que noutras indústrias levaram a coisas como os escândalos dieselgate; em que temos os elementos de topo a tomar decisões deliberadas que vão contra aquilo que os seus próprios engenheiros recomendam. E que acabam por apenas se saber quando há "escândalos".

1 comentário:

  1. Sim, ao longo dos anos tenho reparado nisso das opções serem tudo menos óbvias... já para não dizer que podem estar a fazer como o Facebook e simplesmente estar a esconder do interface do utilizador ao mesmo tempo que mantêm tudo nos servidores à mesma.

    Provavelmente utilizam grupos de pessoas para testar quais as formas de disponibilizar as opções da forma que pareça o mais confusa possível, e obter os melhores resultados em termos de as pessoas não conseguirem encontrar/ definirem correctamente as opções para a maior privacidade, e essas são provavelmente as soluções utilizadas, já que a empresa não quer realmente disponibilizar tais opções, provavelmente só o faz por questões de leis dos países e para dar uma falsa imagem que até se preocupa (um bocadinho) com a privacidade.

    ResponderEliminar

[pub]