2016/11/24

Análise Laiq Glow

A Laiq é uma marca portuguesa que chegou ao mercado há pouco mais de um ano com os modelos New York e Dubai, e em Abril lançou o Glow, um modelo com especificações superiores aos seus antecessores. O nosso Nuno Barros passou alguns dias com um e conta-nos como foi.



O LAIQ Glow

Ao contrário do que o lema "Glow, mostra o brilho que há em ti" poderia deixar antever, este smartphone apresenta-se com cores "normais", estando disponível em azul escuro, branco e dourado. O "brilho" do Glow revela-se no ecrã de bloqueio e nos wallpapers, em que se destacam os contrastes entre os fundos escuros e letras e ondas de cores brilhantes.


O Laiq Glow conta com um ecrã AMOLED HD de 5.5" com resolução HD (1280x720 pixels), processador Mediatek MT6753 octa-core a 1,3GHz, 2GB de RAM e 16GB de armazenamento interno, expansíveis por microSD até mais 128GB. Este modelo apresenta ainda uma bateria com 3.150mAh de capacidade, porta USB tipo C, rádio FM e pesa 150 gramas.


A câmara traseira do Glow é de 13MP com uma abertura f2.0, com phase detection auto-focus e captura de vídeo a 1080p a 30fps, enquanto a câmara frontal se fica pelos 5MP, com captura de vídeo a 720p a 30fps.

Destaque para o facto do Glow vir equipado com dois slots para cartões micro SIM e ainda um slot para cartão micro SD, o que permite expandir os 16GB de armazenamento até mais 128GB, continuando a utilizar dois cartões SIM.

Na embalagem do Glow, para além do carregador, cabo USB tipo C e auriculares, podemos também encontrar uma película para protecção do ecrã.


O design é um dos pontos fortes do Glow. Apesar da tampa traseira em plástico, o Glow destaca-se pela sua elegância e não terá dificuldade em conquistar o público.


Em funcionamento


O interface do Glow apresenta-se imaculado no que respeita a bloatware, notando-se apenas a presença de uma app para a gestão da memória e cache disponíveis e mais nada de extra para além de tudo o que é normal no Android.

Mas se a não existência de bloatware é um ponto positivo, já a versão do Android que equipa o Glow é um facto negativo, uma vez que se trata do 5.1 Lollipop, isto apesar de ter sido lançado numa altura em o Android 6.0 já estava disponível. A Laiq lançou uma actualização no dia 10 de Novembro deste ano, mas apenas para "optimização geral de desempenho e actualizar o nível de segurança do Android", mantendo-se o Android na versão 5.1. Os resultados obtidos pelos testes de benchmark (37.311 no Antutu), não são surpreendentes, estando em linha com o que é expectável para este tipo de hardware.

Uma característica interessante do Glow são os gestos inteligentes, que permitem desenhar letras no ecrã (mesmo quando este está desligado) para activar directamente algumas funcionalidades, como a câmara, a lanterna, a calculadora ou os contactos, isto para além de poderem definir os vossos próprios gestos com acções personalizadas. Não é propriamente uma inovação, pois é algo que já pode ser encontrado num número crescente de smartphones "chineses", mas é uma funcionalidade simpática.

A câmara


A câmara do Glow é o que se pode esperar de um terminal de gama média-baixa, pelo que não se podem esperar grandes milagres. Mesmo assim as fotos captadas pelo Glow conseguem obter uma qualidade suficientemente satisfatória, permitindo à grande maioria dos utilizadores recorrer a esta câmara para captar as fotos do dia-a-dia.










Apreciação final

Apesar de não ter características surpreendentes, o Laiq Glow consegue ser um smartphone capaz de corresponder às necessidades do "comum dos mortais", ou seja, aqueles utilizadores que pretendem ter um equipamento que lhes permita fazer o que é expectável de um smartphone, desde chamadas e SMS, até à consulta do email ou um ou outro jogo casual.

O design é talvez o ponto forte do Glow e mesmo estando equipado com um ecrã de 5,5" não parece tão grande como outros equipamentos com ecrãs de dimensões semelhantes - esta afirmação baseia-se nas opiniões de várias pessoas que tiveram a oportunidade de ver e experimentar o Glow, principalmente senhoras. :-)

Como "nota de rodapé" fica a informação de que a Laiq tem uma campanha de substituição de vidro de ecrã, no âmbito da qual a marca se compromete a "reparar ou substituir o vidro ou o ecrã do seu smartphone gratuitamente em resultado de uma acção acidental uma vez por ano, durante o prazo de 24 meses a partir da data de compra do telemóvel". Todos os modelos da marca portuguesa estão abrangidos por esta garantia suplementar desde que tenham sido comprados no decorrer da campanha.

O Glow já está disponível nos pontos de venda habituais da marca e na loja virtual em www.laiq.com por um preço de 229 euros.



Laiq Glow
Morno

Prós:
  • design
  • garantia de substituição de ecrã

Contras:
  • Android 5.1
  • preço


Por: Nuno Barros

1 comentário:

[pub]