2016/12/20

Tim Cook diz que Apple não se esqueceu dos desktops


Com os iPhones a serem o produto principal da Apple e a aposta nos populares MacBooks, surgiam dúvidas quanto à vontade da Apple em continuar a investir em computadores desktop; mas Tim Cook já veio reafirmar que esse segmento não está esquecido e que a Apple prepara novidades nessa área.

Os smartphones, tablets e portáteis podem ser suficientes para que, em muitos casos, não se sinta necessidade de nenhum computador adicional; mas continuam a haver situações em que não se pode/quer abdicar de usar um computador que não tenha sido concebido com base em limitações em termos de volume e autonomia.

Os iMac da Apple são modelos bastante populares para quem quer um computador de secretária, e o seu velhinho Mac Pro também demonstra que há sempre interesse em máquinas mais potentes para trabalhos mais específicos. Motivo que terá levado Tim Cook a enviar uma mensagem aos funcionários da Apple onde descarta os rumores do desinteresse da Apple pelos desktops e assegura que a marca tem planeados novos desktops para o futuro.

Infelizmente a mensagem não faz qualquer referência a prazos... pelo que nada nos garante que essas novidades surjam já no próximo ano. Para referência, o Mac Pro foi lançado há 10 anos (sim, o tempo passa depressa), com a segunda geração a ter chegado em 2013. A manter-se esse ciclo... só lá para 2020 é que poderíamos ter uma terceira geração. Sendo que a verdadeira questão é... será que isto não nos parece chocante apenas por estarmos "mal habituados" aos ciclos de renovação anual dos smartphones?


A verdade é que o meu PC principal continua a ser o mesmo que montei em 2009 - embora desde então já tenha levado com upgrade do CPU, upgrade para um SSD, upgrade da memória RAM, e dois upgrades de placa gráfica... enfim, o tipo de coisa que se pode fazer num desktop! :)

13 comentários:

  1. yahh o meu pc tb é de 2009 troquei isso tudo menos o CPU, para valer a pena tinha de acompanhar com upgrade de motherboard o que não compensa.

    ResponderEliminar
  2. http://www.macrumors.com/2016/12/20/usb-c-imac-touch-bar-magic-keyboard/

    ResponderEliminar
  3. O ultimo update do Mac Pro foi em 2013...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim - "Para referência, o Mac Pro foi lançado há 10 anos (sim, o tempo passa depressa), com a segunda geração a ter chegado em 2013."

      Eliminar
    2. Lá por serem iguais por fora, não quer dizer que sejam iguais por dentro.

      Eliminar
  4. Ou seja andas a gastar dinheiro num PC de 2009 e ficar ligeiramente melhor. Porque a motherboard é a mesma....

    Cada vez que leio estas histórias, vêm-me sempre as mãos à cabeça...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vêm-me as mãos à cabeça é a ler o que escreves.

      Eliminar
    2. Depende do que entendes por "ligeiramente melhor"... Se a motherboard fosse o factor limitativo, sim, seria gastar dinheiro. Da forma que fiz, apenas permitiu ir aproximando do máximo potencial que poderei tirar dela... Ficando tudo por uma fracção do preço que certas marcas cobram por um simples upgrade do disco ou memória (ou nem permitindo que o façam.) :)

      Eliminar
    3. Tu é que sabes o que fazer com o teu dinheiro.

      Eu acho que em 2016, é completamente ridículo andar a fazer upgrade de PC's.

      Provavelmente ainda tens USB 2.0, por exemplo, para o SSD, ou foste pela via SATA (que provavelmente tens o SATA 2, muito limitado a uns míseros 600MB/s), ou foste pelo PCI-Express, e mesmo assim, os atuais já são muito mais rápidos, a placa gráfica, provavelmente vai ter aqueles soluços típicos dos PCs quando vai acontecer alguma coisa (quando estão a passar gigabytes da RAM para a VRAM), que tira o ambiente do jogo, etc.

      Componentes esses que gastaste um bom dinheiro em "meio de vida", e depois, vais aproveita-los para a próxima build? Provavelmente vais querer um SSD NVMe, provavelmente vais querer RAM DDR4, provavelmente o CPU nem vai encaixar, etc.

      Eliminar
    4. Provavelmente ficou muito mais barato, porque provavelmente um upgrade seria provavelmente muito mais caro e provavelmente teria specs ligeiramente melhores. Provavelmente não seria possível fazer upgrade ao novo, porque provavelmente os componentes viriam soldados, o que provavelmente iria implicar um novo investimento noutra nova máquina que, por sua vez, provavelmente seria novamente muito mais cara que o upgrade de algumas peças.

      Provavelmente terá sido a melhor opção do que gastar, provavelmente, gastar alguns milhares quando, provavelmente, a máquina actual - com respectivo upgrade - serve perfeitamente o seu propósito. Provavelmente.

      Eliminar
    5. Por acaso também já levou uma placa USB 3.1 (necessidade para os Oculus Rift). :)

      E sim, sei quais são as limitações. O CPU está longe de ser o mais rápido, mas sendo um hexa-core + HT ainda desenrasca excelentemente no tipo de tarefas que uso; o SSD está limitado pelo SATA 3Gbps, mas vivo perfeitamente com isso e vou tirando o máximo partido do paralelismo possível com múltiplos discos (e RAM disk para as "tralhices").

      Só que também poderias reconhecer que há muitas outras pessoas que andam por cá há muito tempo e até poderão perceber um pouco da coisa. Neste caso, os upgrades principais foram feitos "ao preço da chuva", e os mais caros (a GTX 1070, SSD) são coisas que facilmente são reaproveitáveis para o futuro caso venha a montar uma nova máquina.

      Neste momento, enquanto não houver os "soluços" que referes (e isso inclui jogos como Titanfall 2, BF1, etc. com todos os detalhes no máximo a 60fps sem hesitações)... não preciso pensar nisso. (No caso do Titanfall, até se aguenta a 60fps a 4K.)

      Nada mau para uma máquina... "com 9 anos". :)

      Eliminar
    6. A placa gráfica é quase um caso à parte, porque é um computador independente dentro do teu computador. Mas eu prefiro a minha PS4.

      Esses jogos são agora, experimenta quando os jogos começarem a pedir mais VRAM para texturas, e começar a haver mais transferências entre RAM e VRAM, e tu vês os soluços.

      Quanto aos SSD, meh, é verdade que é como da noite para o dia, mas é daquelas coisas que aparecem no mercado uma vez em 10 ou 20 anos.

      De qualquer forma, eu não acho isso proveitoso. Gasta-se muito dinheiro em coisas que não precisamos, e não mudam muito. Além disso, em termos de requisitos de sistema, o software não tem sido muito exigente.

      Eliminar
    7. PS: Aliás, hoje em dia, o melhor upgrade que hoje se pode fazer, é por uma Internet mais rápida, ou instalar um Netflix/Spotify/AM/etc. Se é que me faço entender...

      Eliminar

[pub]