2016/12/07

YouTube pagou mil milhões às editoras no último ano


Qual será o valor justo a pagar pela música ouvida em plataformas gratuitas? Será difícil determinar, mas o que é certo é que plataformas como o YouTube já rendem valores "bilionários" às editoras.

A "guerra" entre editoras e YouTube/Google está longe de estar terminada, mas o YouTube avança desde já com a informação de que já pagou mil milhões de dólares às editoras no último ano - e isto referindo-se apenas às receitas provenientes da publicidade.

O problema é que, se por um lado haverá quem ache o valor bastante "simpático" (para referência, o Spotify pagou 1.8 mil milhões em 2015), para outros este valor será insuficiente... e arrisco a dizer que haverá ainda aqueles para quem, qualquer que seja o valor, será sempre insuficiente - e que quase mereciam ver os seus conteúdos banidos das plataformas, para verem que rendimento é que tirariam de música que ninguém ouvisse.

Para mim, parece-me que o problema da indústria discográfica se resolveria facilmente e rapidamente... se os artistas simplesmente cortassem os intermediários (leia-se: as editoras!)

5 comentários:

  1. 1000 milhões é um valor ridiculo atendendo à quantidade de música destruída pelo YouTube, mas é o rei da distribuição de música, e se não está lá, não existe.

    Quanto a essa de eleminar as editoras, deixa-me rir... não, não é assim que se faz, sem promoção forte e profissional uma Taylor Swift seria apenas mais uma no meio de muitas e nunca chegaria a vender tanto, quer se goste ou não, são as regras do jogo, pode, tentar, mas já se sabe que não irão longe.

    ResponderEliminar
  2. Caramba... Como é que "distribuída" deu em "destruída"...?

    ResponderEliminar
  3. Caramba... Como é que "distribuída" deu em "destruída"...?

    ResponderEliminar

[pub]