2017/03/19

Top Gear está de regresso sem Chris Evans


O icónico programa Top Gear está de regresso depois da sua primeira temporada pós-Clarkson, e finalmente parece que a fórmula está afinada para se poder ter um programa divertido de ver.

Na sessão anterior, a aposta em Chris Evans e um número alargado de vedetas como apresentadores depressa revelou que o formato não estava a funcionar (a forma de ser de Chris Evans também não ajudava), e isso rapidamente se fez sentir no número de espectadores.

Nesta nova season, temos um programa que reduz os protagonistas a apenas três: Matt LeBlanc, Chris Harris e Rory Reid, e as coisas estão a funcionar muito melhor, ao ponto de até relembrar os "antigos" Top Gear - embora seja evidente que não será possível copiar na integra o Top Gear tal como era com o trio de Clarkson, May e Hammond - que entretanto também vão tentando acertar a sua receita no seu novo The Grand Tour, que também tido resultados variados.

Ainda assim, há aspectos que continuam a não funcionar em pleno ou que ainda demonstram bastante artificialismo, mas também me parece injusto que se possa criticar que ainda exista falta de química e intimidade entre este novo trio ao final de apenas um ou dois episódios. Por agora, o Top Gear está bem encaminhado e parece ter tudo o que precisa para voltar a ser um dos programas de referência para os fãs dos automóveis, e ainda bem que assim é.

3 comentários:

  1. Eu vi e não estou realmente a apreciar. Este programa nunca foi muito virado para o científico e sem dúvida aponta mais ao entretenimento. Nessa base colocaram estes 3 para imitar a fórmula antiga e isso nota-se. O programa tem um script, eles não são grandes atores (os 2 sem o le blanc), não têm o mesmo status de reconhecimento que o trio anterior e isso faz com que os segmentos que se definem pela palhaçada, não funcionem.

    Os produtores erraram quando tentaram copiar o adn antigo. Copiar o formato está ok, usando os mesmos tipos de segmentos, mas copiar até ao detalhe (cada um chega com um carro e um de cada vez fala do carro e metem-se um com os outros e um deles tem que ser o parvo como o james may) pode ser familiar, mas acaba por penalizar o programa. Seria melhor se tivessem feito algo diferente, algo que se ajustasse mais a estes apresentadores novos.

    Numa opinião mais pessoal, penso que os dois moços do extra gear são mais ou menos para aquele programa, mas não são tão bons neste programa principal de entretenimento top gear. A personalidade deles não é tão interessante como as do trio, o seu diálogo, a sua espontaneidade, deixam muito a desejar. O que mais apreciei foi o Le Blanc que parece genuíno, descontraído e que quando dispara comédia acerta sempre.

    ResponderEliminar
  2. Eu quero é ver os 'super carros'... e isso mantém-se igual.

    ResponderEliminar
  3. Eu estou a gostar mais deste top gear com estes três que o The Grand Tour.

    O Eboladrome foi péssimo, o "Americano" não tem piada nenhuma, a parte com as "estrelas a morrerem" é mesmo para passar à frente, o especial com os buggies não teve absolutamente interesse nenhum, a meio e fim da season notou-se que estoiraram o orçamento, etc.

    Para mim, a melhor coisa do Top Gear já deixou de ser a química, já está muito encenada, a melhor coisa é a maneira do Jeremy expor as coisas e a maneira de como ele narra, que esteve muito fraca.

    Prefiro ver o TG, o Chris Harris é grande e os outros dois são muito porreiros.

    ResponderEliminar

[pub]