2017/09/01

HoloLens ultrapassado pelo ARKit e ARCore?


A aposta da MS no HoloLens como sistema de realidade aumentada autónomo foi um corajoso passo dado para o futuro, mas esse futuro pode ser posto em causa pela chegada de novas tecnologias que trazem a realidade aumentada a milhões de pessoas sem terem que gastar euros extra.

A chegada do ARKit (e, a seu tempo, o ARCore) vai tornar a realidade aumentada mais acessível que nunca, e há quem já preveja que isso deixe para trás projectos como o HoloLens da Microsoft (e o mesmo se poderá dizer do Project Tango da Google). Isto porque tanto o ARKit como o ARCore permitem que qualquer utilizador tenha acesso a estas tecnologias sem necessitar fazer um investimento adicional em equipamento especializado (e caro).

De certa forma é verdade... mas por outro lado, pode também funcionar no sentido oposto. Ter acesso a tecnologia de realidade aumentada nos smartphones e tablets irá seguramente demonstrar que a forma ideal de desfrutar dela será com óculos, e que por muito bom que seja o tracking usando o hardware num smartphone genérico, haverá sempre quem queira algo melhor com hardware especializado (como o Tango).

Acima de tudo, penso que o verdadeiro ponto crítico para esta tecnologia não está na parte técnica referente ao hardware, mas sim na necessidade de recriar todo um novo paradigma de interface pensado de raiz para este tipo de utilização que nos liberta de monitores e teclados. Será esse o grande passo que fará passar as experiências em realidade aumentada de "curiosidades" para algo realmente útil e capaz de nos levar em direcção ao próximo passo da interacção com os computadores e tudo o que nos rodeia.

Não será por acaso que a MS tem investido em preparar o seu Windows para funcionar em modo "holográfico" (até o novo MS Paint permite lidar com objectos 3D); e será também esse um dos motivos pelo qual o "milagroso" Magic Leap tanto tem demorado a chegar ao mercado. Mas uma coisa é certa, mais cedo ou mais tarde isso acabará por acontecer!

4 comentários:

  1. A diferença entre a Microsoft e a Apple + Google é que a Microsoft já está a pensar e trabalhar em AR com um propósito enquanto que as outras duas ainda não sabem bem que rumor seguir

    ResponderEliminar
  2. Há dois caminhos:
    - O dos "óculos milagrosos"
    - O da realidade aumentada em smartfones e tablets. Fornecem-se as ferramentas aos developers e espera-se pelas apps que criem. Foi o que fez a Apple com o ARKit e que a Google veio imitar com o ARCore.
    A primeira via até pode ser que venha a dar alguma coisa. Mas a segunda é mais KISS (Keep it simple, stupid) e com muito maior probabilidade de chegar a larguíssimos milhões de pessoas.
    Das variadas demos de ARKit gostei de uma que permite colocar/experimentar móveis virtuais numa sala. É diferente vê-los ali à frente dos olhos ou ir a uma loja e ter que imaginar como é que ficam.
    A ementa, num tablet, com pratos virtuais também fica bem.

    Depois há as coisas com os "óculos milagrosos", em que provavelmente pouca gente está interessada. Parece-me que é o propósito da Microsoft.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. "Depois há as coisas com os "óculos milagrosos", em que provavelmente pouca gente está interessada. Parece-me que é o propósito da Microsoft."

      Sim, "estão verdes, não presta!

      Eliminar
  3. Ver realidade aumentada num smarphone pode ter alguma piada e ter alguma utilidade mas quando chegarem os óculos AR toda a gente vai desejar te-los. E não é preciso ter muita imaginação, para se prever que se hoje em dia as pessoas já são viciadas no smarphone isso irá piorar ainda mais quando tiverem os óculus. E com tantos avanços que estão acontecendo como, por exemplo, o projecto RNDR (que acho que ainda não foi falado aqui no Aberto de Madrugada) que inicia já este mês, e que irá acelarar todo o processo, dentro de 5 anos quase todas as pessoas terão acesso á inteligencia artificial e não largarão os seus óculus Ar por nada.

    É claro que isso, como tudo, trará coisas boa e más. Mas no geral acho que poderá ser a melhor coisa que nos pode acontecer. O lado pior é que as pessoas irão trocar definitivamente as pessoas reais pelas virtuais. E se acham isto estranho pensem que já é isso que se faz hoje em dia com os telemóveis. As pessoas já preferem estar a falar horas ao telefone e ignorar as pessoas que estão ao seu lado. E porque será que isso acontece ? Eu diria que é porque as pessoas se acham a si e aos outros mais interessantes quando não se estão a ver... porque podem trocar a realidade pela imaginação! Agora imaginem, o que vai acontecer quando as pessoas tiverem um avatar realista com a aparencia que cada um desejar... Alguém entra em contato connosco e imediatamente poderemos ver á nossa frente um ou vários avatares (sobrepostos á realidade) como se fossem pessoas reais. No fundo todas as pessoas sonham ser perfeitas e esse tipo de perfeição só pode existir num mundo virtual. E os analistas do futuro já acham que isso irá conduzir a uma situação em que as pessoas se irão relacionar (conviver, namorar, fazer sexo, casar) apenas com seres virtuais...

    ResponderEliminar

[pub]