2017/11/14

Apple prepara câmara 3D traseira para futuros iPhones


Com o iPhone X já no mercado, a Apple parece já estar empenhada em aplicar uma câmara verdadeiramente 3D também na parte traseira dos futuros iPhones, e desta vez recorrendo a uma tecnologia ainda mais avançada que a usada na câmara Face ID.

Com a chegada do iPhone X e da sua câmara frontal 3D, os utilizadores vão finalmente poder comparar as prestações da detecção 3D da câmara traseira (inferida através das duas câmaras) com a da câmara frontal (que recorre a um sistema como o que era usado no Kinect, através da projecção de milhares de pontos IR que permitem estimar a distância até à câmara).

Usando uma qualquer app que permita ver a informação 3D das fotos (como a Focos) facilmente se vê que a resolução 3D da câmara frontal é imensamente superior à da câmara traseira, para não falar de todas as situações em que a detecção 3D na traseira pode nem funcionar (se não houver padrões ou texturas, as duas câmaras não conseguem estimar a distância). É por isso natural que para os próximos iPhones a Apple queira melhorar a percepção 3D da câmara traseira, que traria grandes vantagens também a nível das aplicações de realidade aumentada.


Actualmente, com o ARKit podemos ter experiência AR muito interessantes... mas não é preciso muito para que a ilusão seja destruída: bastará apontar para um sítio em que se tenha um qualquer objecto, para se comprovar que é apenas uma "ilusão" e que o sistema não tem percepção do que está à sua frente com a resolução/fidelidade necessária para criar uma experiência AR verdadeiramente integrada com a realidade.

Curiosamente, segundo os rumores, para a câmara traseira 3D a Apple não está a pensar em utilizar o mesmo sistema de projecção de pontos usado na câmara 3D frontal, mas sim recorrer a algo bem mais avançado: as câmaras "Time of Flight". Para quem por cá andar há algum tempo, poderá ainda recordar-se de que inicialmente pensávamos que seriam essas as câmaras que a Microsoft iria usar no Kinect (e que depois se veio a revelar que não, que eram câmaras com tecnologia da PrimeSense, com a projecção IR, posteriormente comprada pela Apple).

Nas câmaras Time of Flight temos informação 3D para cada pixel, sem recorrer à técnica da projecção de pontos que necessita fazer estimativas quanto à superfície 3D e interpolar pontos intermédios para os outros pixeis. Por exemplo, um sistema como o Face ID projecta algo como 30 mil pontos IR mas a câmara tem 7 milhões de pixeis; mesmo assumindo informação de profundidade em resolução reduzida, mesmo uma imagem VGA (640x480 pixeis) tem mais de 10 vezes o número de pixeis que os pontos projectados.


As câmara Time of Flight seriam por isso as câmaras perfeitas para captar imagens em 3D em alta-resolução, mas têm o "pequeno" inconveniente de serem extremamente dispendiosas (por isso é que a PrimeSense fez sucesso com o seu sistema alternativo de projecção de pontos IR). Por outro lado, é uma tecnologia que tem potencial para se tornar bastante mais económica se for produzida em grande volume, já que (da ideia que tenho) o processo de fabrico destes sensores pode facilmente ser adaptado aos sistemas já existentes para produção de sensores de imagem. É por isso o tipo de tecnologia que fica mesmo "à medida" da Apple, que se pode arriscar a encomendar dezenas de milhões de unidades...


Pessoalmente, imagino que a Apple ainda não se aventure a lançar isto já nos iPhones do próximo ano (que poderá ter como novidade a expansão do ecrã full-screen à restante gama, disponibilizando iPhones "X" em três tamanhos.) Mas lá para 2019 ou 2020, quando a concorrência já estiver a preparar-se para lançar câmaras 3D equivalentes ao Face ID, seria o tipo de resposta que se esperaria da Apple.

Sem comentários:

Enviar um comentário (problemas a comentar?)

[pub]