2009/09/29

Crysis e a Crise dos Jogos Originais


Se bem se recordam, comprei recentemente o Crysis Maximum Edition e o Half-Life 2 The Orange Box.

Embora sempre tivesse tido curiosidade em jogar o Crysis, só agora graças ao novo PC é que finalmente tenho "máquina à altura" para o poder jogar "em condições."

[Update: vídeo do Crysis a correr no meu novo PC já disponível.]

Já quanto ao Half-Life 2, embora seja um grande fã, na altura em que saiu não o comprei por não concordar com o DRM que vinha com ele (motivo que me faz não comprar a maior parte dos jogos.)
No entanto, ao preço a que estava... era difícil resistir... Mesmo se a versão original acabar por ficar fechada na sua caixa, e optar por jogar o jogo numa versão piratada sacada da internet.

E é esse o motivo pelo qual estou a escrever isto.

Instalei o Crysis há alguns dias... mas só ontem finalmente tive tempo livre para o experimentar.

Olhando para o LG de 26", com as duas Nvidia GTX275 em SLI a postos para debitarem pixeis, ansiosamente fiz duplo clique no icon do Crysis para jogá-lo.
O resultado?... Isto:



A required security module cannot be activated.
This program cannot be executed (5024)


Mas que raio? Talvez tivessem sido os patchs e updates que tinha feito. Afinal, já o tinha executado antes e visto o menu de entrada do jogo.
Uma pesquisa no Google também não ajudou muito, pelo que... Volta a desinstalar tudo e a reinstalar novamente, para experimentar com o jogo "limpo" sem os updates.

Instalando... instalando... instalando...

Finalmente, lá cliquei novamente no icon do jogo e.... novamente este estúpido erro 5024!
Que raio poderia ser?

Na internet falavam de emuladores de CDs e DVDs, que poderiam causar este erro, e outras coisas que não tenho instaladas no meu PC.


Por esta altura já estava a pensar seriamente em simplesmente esquecer tudo isto, e arranjar uma cópia piratada do Crysis na Internet; provando mais uma vez que estas pseudo-medidas estúpidas de segurança só servem um propósito: chatear os clientes legítimos, enquanto que os "piratas" simplesmente jogam sem chatices!
 
Mas, foi então que um dos posts que encontrei no google me chamou a atenção. Um utilizador queixava-se de que este erro se devia a estar a correr o programa ProcessExplorer.

Alto lá! O Process Explorer também uso!

Este ProcessExplorer é um gestor de tarefas que substitui o do Windows, e cuja qualidade é bastante superior (por alguma coisa a Microsoft rapidamente contratou o seu criador, e os seus programas fazem agora parte oficial da Microsoft.)

Então... PORQUE RAIO TEREI EU QUE ENCERRAR UM PROGRAMA COMO O PROCESS EXPLORER PARA PODER JOGAR O CRYSIS???

É completamente inadmissível, e agravada pelo facto de - em vez de mostrarem uma mensagem do que realmente se passa, estilo "Please exit Process Explorer to play Crysis", mostram um erro críptico que baralhará todos os utilizadores.

E quem são eles para decidirem se eu posso ou não correr os programas que eu bem entendo, no meu computador?

Não é suficiente ter que gramar com serviços do punkbuster a correr continuamente no meu PC, mesmo quando não estou a jogar jogos?

Não é suficiente que me obriguem a ter o DVD no drive mesmo se todos os gigabytes de dados estão duplicados no meu computador sem sequer me darem a opção de correr do DVD?


Todo este processo me faz repensar seriamente se, mesmo a preço reduzido, estes jogos com estes arcaicos sistemas de protecção valerão a pena!

Porque não aprendem com a Splash Damage e o seu Quake Wars? É instalar o jogo, meter o vosso "serial", e já está! Nunca mais precisam do DVD. Até o podem copiar para oferecer aos amigos!


Após décadas de tentativas frustradas, acho que já era altura de perceberem que não há nada que possam fazer para evitar a pirataria. Assim sendo, porque não pouparem o tempo e dinheiro investido nessas medidas ineficazes; e dedicarem-se a fazer bons jogos que possam ser comercializados a preços mais atractivos; e acima de tudo: que parem de tratar os clientes legítimos como criminosos!

Em alternativa, terei que continuar a esperar meses/anos até que um jogo esteja finalmente a um preço aceitável - e depois de o comprar ser obrigado a descarregar uma cópia pirata para poder efectivamente jogá-lo?

A decisão está do lado deles... eles que mo digam.

9 comentários:

  1. Mas e então, sempre chegas-te a experimentar o jogo?? O pc bombou?

    ResponderEliminar
  2. @FerMendez

    Oh oh... se bombou! :) Assim dá gosto jogar o Crysis.

    Depois gravo um vídeo para meter no Youtube (se bem que não dê mostrar o que é jogar aquilo fluidamente a 1920x1200! :)

    ResponderEliminar
  3. Muito bom artigo.

    Cada vez mais, sob todas as circunstâncias, nos afunilam o leque de opções e de escolhas. Até os jogos, agora, decidem por nós o que devemos, ou não, correr ou instalar na nossa máquina.

    E recordo que existem jogos que, sem fazer qualquer questão, nem qualquer alerta, instalam drives virtuais de "protecção" contra cópia, basta ir ao gestor de dispositivos e escolher a opção "mostrar dispositivos ocultos".

    Há algum tempo tive um problema relacionado com isso mesmo, por causa de uma drive virtual que, aparentemente, deveria servir como sistema de protecção contra cópia mas, afinal, também servia como sistema de protecção contra a instalação de software "criteriosamente" seleccionado no próprio código... E mais não digo.

    A Microsoft leva com multas atrás de multas por causa de atitudes/comportamentos do género, contudo estas softwarehouses do mundo dos video-jogos (ou como lhes quiserem chamar) não têm qualquer sanção. Porquê? Um jogo não é um programa? Recordo que há muitas pessoas que gastam quantidades exorbitantes de dinheiro para construírem máquinas que pouco mais irão fazer para além de correr jogos - também essas pessoas merecem protecção face a estes abusos.

    Há muito tempo que venho defendendo a ideia de que é necessário proibir a inclusão de software e de métodos de protecção cuja instalação seja condição "sine qua non" para poder instalar e usufruir de um jogo. Isso é simplesmente abuso de direito e, caso o jogador não concorde, não pode pedir o reembolso, tal como acontece com o windows (mas apenas se tivermos a paciência requerida). Portanto, é instalas e comes. Se não comes, também não queremos o produto de volta. Portanto, ou instalas e comes, ou instalas e comes. Mais nada.

    A solução passaria por incluir conteúdos apenas acessíveis através do serial/password/key original do produto. Isso acontece já em vários jogos e não é por aí que o lucro desceu, bem pelo contrário.

    Por exemplo: Ter acesso ao modo online de um jogo apenas com um serial genuíno leva o jogador, na grande generalidade dos casos, a adquirir o produto.

    Por mim falo. É óbvio que experimentei muitos jogos que descarreguei na internet e hoje jogo muitos deles online porque os comprei.

    Não fosse a possibilidade de os decarregar da web, nunca teria tido contacto com eles, pelo que, por maioria de razão, nunca os compraria. Portanto, esta suposta "pirataria", acabou por dar lucro extra que, de outro modo, não teriam - Mas isso eles sabem, só não tendo coragem para o assumir.

    Creio que este pequeno exemplo é válido para muitas outras pessoas.

    Seja como for, não estou a ver jeito de isto mudar sem a criação de uma entidade que puna todo o tipo de comportamentos abusivos por parte das softwarehouses dos videojogos e que lhes meta na cabeça, mesmo que seja à força, que a chamada "pirataria" é o VERDADEIRO E MAIS LUCRATIVO meio e obter lucro que alguma vez foi inventado.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Para jogos existem as consolas.
    Foram projectadas, desenvolvidas e fabricadas com esse intuito.

    ResponderEliminar
  5. @kincas

    Isso... era "dantes"!
    Actualmente as consolas são autênticos "PCs", e começam a sofrer com o mesmo ritmo da evolução: problemas de hardware (aquecimento, barulho, etc.), problemas de retrocompatibilidade (deixas de poder jogar todos os jogos que compraste anteriormente), etc.

    Por tudo isso continuo a preferir o PC como plataforma de jogos (se bem que nada tenho contra uma noite bem passada na sala de estar, com amigos, a jogar Wii/Xbox360/PS2/PS3/etc :)

    ResponderEliminar
  6. Carlos gostei do promenor de teres posto a Wii em 1º lugar nessa lista
    pode ate nem ter sido consciente ( o q revela q ainda mais intensa foi a experiencia ), ou ent eu tou a ligar o complicometro.

    mas a dar me a escolha, prefiro a Wii às outras consolas, pela jogabilidade.

    ResponderEliminar
  7. @FerMendez

    Já tens um vídeo do Crysis a correr na máquina. (embora com qualidade fraca do YouTube - alguém sabe como posso forçar melhor qualidade?)

    ResponderEliminar
  8. Obrigado pela atenção. Impecável! Mesmo sem a qualidade real da para perceber como bomba. Pena não ter tempo para agarrar-me a jogar. Melhores dias viram.

    Obrigado

    ResponderEliminar
  9. Isto é pq as protecções anti-cópia actuais vigiam contra softwares que possam estar vigiar o conteúdo da memória e dos processos. Tudo para dificultar a vida aos tipos q fazem cracks. É uma protecção da protecção! LOL

    Adianta alguma coisa? Não... Chateia quem paga? SIM!

    ResponderEliminar

[pub]